alderico leandro alvares
  • Masculino
  • NATAL
  • Brasil
Compartilhar no Facebook
Compartilhar

Amigos de Alderico leandro alvares

  • Sonia Silva
  • Sandy Marie
  • Rita Maria Alves Lopes
  • Henrique

Grupos de alderico leandro alvares

 

Página de alderico leandro alvares

Informações do Perfil

Interesse(s) principal(is) nesta Rede Social:
Doutrina Espírita (Allan Kardec)
Faixa Etária (idade)
acima 55
Relacionamento
Casado(a)

VIDAS PASSADAS

Essa história é baseada em fatos reais. Os casos aqui descritos têm os nomes trocados para evitar constrangimento com os verdadeiros personagens. Desde 1950 que eu estudo os casos e problemas da mente humana e, por acaso, apenas agora estou digitado esses fenômenos. No inicio dos meus estudos, há sessenta e três anos (hoje estamos do ano de 2013) eu presenciei diversos casos de pessoas que entravam em choque continuamente e terminavam em um Centro Espirita como um derradeiro meio de socorro. Eu tive a oportunidade de assistir filmes sobre casos ou fenômenos de pessoas enfermas do espirito e, não raro, tais filmes caiam no esquecimento do povo. Um deles foi O Exorcista, um caso de uma menina que entrava em transe e a sua mãe percorreu por diversos médicos sem nada resolver. O caso foi de uma tentação do demônio querendo possuir a criança. Esse filme, baseado em fato real, hoje ninguém se lembra de mais nada. Nos meus estudos sobre a psique humana houve casos estranhos como um de um alcoólatra. Esse homem morreu no ano de 1938, quando dormia na calçada de um Hotel de Natal. Vários anos após, por volta de 2000, o espirito do mesmo homem chegou em uma sessão espirita a indagar se ali estava havendo uma festa de carnaval, pois o espirito do homem foi atraído pela porção de gente. As pessoas estavam seguindo para a sessão espirita e o espirito do homem morto há mais de sessenta anos foi despertado e caminhou até o local bem próximo de onde o homem havia morrido ou desencarnado. Após um prolongado estudo, o espirito foi encaminhado para o seu mundo onde devia estar a esses anos todos. Depois de se pesquisar por onde um espirito tinha lembrança de onde trabalhava no seu tempo de vida, descobriu-se que, na verdade, ele era empregado de uma firma por nome A BOTIJA DE OURO e que havia morrido durante um festejo de carnaval, exato como o espirito havia dito ao Mestre da sessão. Esse afirma ainda hoje existe, apenas com o seu nome gravado na porta de entrada.

Nesse momento, eu dou inicio a relatar diferentes casos de crianças que se lembram de vidas passadas. Uma delas é de uma menina de seus sete anos que relatou o seguinte fato. Todos dormiam quando o fogo começou em sua casa. Os seus pais não conseguiram retirar a criança tendo a garota ela ficado na casa em chamas. Disse à menina que o fogo era tremendamente quente. A menina relatou de certeza de que seus pais se sentiriam felizes quando a garota voltasse. Essa foi a memoria de uma criança  morta em um incêndio na casa onde morava. E então fica a questão: existe vida após a morte? Essa é a pergunta. Na Universidade de Virginia, em Charlottesville cientistas investigam alegações de reencarnação. Há 40 anos tentam explicar relatos de crianças que falam de uma vida passada. Caos de jovens moças que dizem terem morridas afogadas e após reencarnaram. O fato de um garoto de seis anos que era policial de Nova York  e foi morto em serviço. Ou de outro garoto que lembra viver como seu próprio avô.  Há milhares de histórias assim e o doutor Jim Tucker reuniu muitas delas.

Disse ele que se está investigando casos de crianças bem jovens que espontaneamente falam de vidas passadas. Esses fatos começam entre dois e três anos e seguem até  a idade de seis anos. A ciência estuda os casos para aprender sobre este fenômeno. Nessa oportunidade o cientista está preparando uma viagem para encontrar um dos seus casos. Uma criança que se lembra de uma vida passada. Gus Ortega é um garoto do Colorado que diz ter sido seu avô. O caso começou quando o menino tinha 18 meses e ele fez muitas declarações bem específicas. Este é um caso mais consistente porque ele disse coisas muito específicas que não poderia ter ouvido através de meios normais. O caso de Gus é só um entre muitos. Estes casos são estudados há 40 anos. Desta forma a ciência já reuniu 2700 casos iguais a este. Eles ocorrem em todo o mundo. Na Ásia, no nordeste da África, na América do Sul, na Europa, nos Estados Unidos e em todo lugar onde se procura.

Os casos mais convincentes vêm de uma ilha no sul do subcontinente Indiano. De Sri Lanka. Um lugar místico e onde se acredita muito em reencarnação. A maioria nesse País é budista. Talvez uma razão por haver tantas crianças que se lembram de vidas passadas.  O professor Erlendur Haraldsson, da Universidade da Islândia esteve em visita o seu melhor caso. Há mais de uma década ele estuda a possibilidade de reencarnação nessa ilha.  Sri Lanka é ótima para estudar crianças que falam de vidas passadas, pois aqui há casos todo ano. Os casos de Haraldsson são intrigantes, pois as crianças não se lembram da vida de familiares e sim da vida de estranhos. O doutor Haraldsson esteve com seu caso mais fascinante. Uma garota de nome de Dilukshi. É um caso muito interessante. Dilukshi falou de uma vida passada ao qual ela viveu durante os três anos. Ela persistia e repetia a mesma história sem parar. A garota que o médico se encontrou  chocou os pais quando disse que não era filha deles. Dilukshi disse ter outros pais, em outro lugar. Ela declarou ter morado em um lugar perto de Dambulla onde havia um rio e que, por certa vez, em acidente, ela caiu no rio e morreu. O médico esperava obter respostas do encontro com Dilukshi. Ele sempre se interessou por tais depoimentos estranhos e arrepiantes. Essas imagens ou características de conduta fora de sintonia com sua vida atual e colo as histórias surgem dentro da mente das crianças.

Em um lugar não muito longe de onde esteve o cientista, um hospital nos Estados Unidos, um homem idoso estava à beira da morte. E um menino acredita ser este homem reencarnado. Gus é um menino normal de seis anos. Como muito leva a vida com o seu pai. Mas este relacionamento é diferente. Gus lembra que brincou com o pai em outra vida. Só que ele era o pai e seu pai era seu filho.  É  este o caso que Jim Tucker investiga.  E com certeza o médico disse que verá o seu com certo ceticismo. O medico lembra ter nunca suposição de ser o caso de reencarnação. E o cientista disse estar no caso porque é um fenômeno interessante e se pode aprender o máximo possível. O avô do menino, senhor Augie, morreu em 1993. Seu filho Ron Ortega encontrou-o caído no chão. O ancião foi acometido de um derrame cerebral. Augie morreu cinco horas depois. Ele tinha uma loja e vendia de tudo. Augie amava a sua família. Porém nunca conheceu Gus o seu neto. O garoto nasceu um ano após a morte de Augie. Um dia, com apenas um ano e meio Gus estava no seu quarto com o seu pai. Nessa ocasião Ron lhe dissera que trocara a sua fralda. O filho de Ron olhou para o seu pai e disse: “Quando eu tinha sua idade eu trocava a sua fralda.”  Ron ficou perplexo. E sentiu-se muito estranho com o que ouvira. Principalmente a escolha de palavras: “Quando eu tinha a sua idade”.  Palavras estranhas para uma criança de um ano e meio. E o garoto começou a falar sobre o avô. As coisas que o avô dizia que não podia sabia saber por que nunca conheceu o seu avô. O ancião morreu um ano antes de o neto nascer. E a família ficou bastante confusa.

Um dia, Ron (o pai do menor) trouxe as fotos antigas para casa e algo mais notável aconteceu. Foi quando Ron Ortega declarou: “Veja que foto antiga”. E o garoto declarou: “Este sou eu”.  O pai, Ron, ficou completamente pasmo, todo arrepiado sem perceber como foi que o filho Gus soube dizer que era o jovem da foto. Então o menino Gus diria mais coisas assim nos anos seguintes. Ele se lembraria de episódios da vida do seu avô dos quais Ron mal se lembrava. E ele os viveu. Gus sabia mais do seu avô do que deveria. Essa pergunta não cala como se pode saber algo tão estranho para um pequeno garoto de apenas um ano e meio. Há reencarnação? E como as crianças se lembrariam de outra vida? O arquivo do doutor Jim Tucker dará mais pistas.

Sri Lanka. Indo investigar alegações de reencarnação Erlendur Haraldsson – médico – por fim chega à casa de Dilukshi Nissanka. Ela lembra que morreu afogada em um rio e que agora reencarnou. Dilukshi é um dos melhores ou o melhor caso que o médico estuda em Sri Lanka. Dilukshi realmente já viveu antes? Essas crianças vivenciam algo psicologicamente real. Têm imagens de algo que interpretam como uma vida passada. Algumas se preocupam sobre como morreram na suposta vida anterior. Em geral, é uma morte dolorosa, violenta, inesperada e repentina. Resta saber: ela poderia estar inventando suas histórias? Se estivessem inventando fantasias era de se esperar que fosse sobre uma vida melhor, algo que lhes agradasse. Mas pensar sobre como morreram não é uma fantasia agradável. Para a família Nissanka suas lembranças são dolorosas. Sempre que falam nisso fica claro que Dilukshi não se sente parte da família. É ainda mais difícil para a sua mãe. A criança Dilukshi começou a falar da outra vida na escola Montessori. E a mãe de Dilukshi disse mais que, quando foi ao Templo, a garota declarou que o seu Templo ficava em outro lugar. Quando a família fazia refeições  antes de se deitar para dormir à noite ela falava da outra vida, conforme palavras de Kashuriarachi Nissanka, mãe da menor. Por seu turno, o pai,  Siriwardana Nissanka, informou ter ficado irritado  com a filha, chegando a lhe dar uma surra. Em contrapartida a mãe se dizia se sentir muito mal, pois a mocinha só falava da sua outra família. Ao que parece a menina moça queria castigar a sua atual mãe por não ter melhor situação e por não cuidar bem da sua filha. Com relação de lembranças passadas, a garota apenas dizia lembrar-se de uma ponte sobre o rio perto de sua casa.  Do seu meio, Dilukshi se lembrava de pessoas a atravessar o riacho e de se banhar também nas suas águas. Ela se lembrava de uma pedra onde a garota brincava com seus amigos. Dilukshi Nissanka refletiu e detalhou que sempre senti não pertencer à sua família atual, uma vez ser tudo naquela casa ser muito diferente da família que se lembra de ter sido a sua. Em outra enquete, Dilukshi lembrou claramente das roupas de sua outra família. E desde pequena a mocinha se sentia como uma estranha e precisava encontrar a sua verdadeira família. Isso significa que as lembranças são reais para Dilukshi. A mocinha reportou ainda ter no dia do seu afogamento, ido ao rio para tomar banho com uma menina, sua amiga. Então, alguém a empurrou. E foi bastante taxativa que estava na água quando morreu. Essa era a historia da menina moça. Em alguns países, se diz ter a pessoa quando morre não se recorda de mais nada ao despertar para uma reencarnação. No Brasil há casos estranhos de pessoas que um dia morreu por circunstâncias vingativas. Tais criaturas são vítimas de um passado similar. Morre porque matou alguém que depois volta para se vingar. Há casos de alguém que busca uma pessoa e não encontra, pois a pessoa morta já está encarnada como um parente seu ou até mesmo de outra família. Mas tal pessoa, um dia, vem para a casa de seus antigos pais. Provas de vinganças são muito frequentes como provas de amor de um primo ou uma mãe, um pai ou coisa do mesmo jeito.

Blog de Alderico leandro alvares

MENTIR

Postado em 16 novembro 2013 às 10:35 0 Comentários

MENTIR

Alderico Leandro

Eu minto! E em outros casos, omito. Quem não mente? Todos mentem. A mentira é considerada como falsear a verdade. E o que é a verdade? Não existe verdade. E nem existe mentira. O sacristão mente quando vai à feira e se esquece de comprar tabaco para o Sacerdote. Quando chega à Sacristia, então, ele se lembra do tabaco que o Padre cheira. “Ah! Esqueci-me da merda do tabaco!”. Então, ele resolve contar uma mentira: -

Padre:

--- O tabaco? –…

Continuar

TANGO

Postado em 15 novembro 2013 às 7:51 1 Comentar

 

Esse ritmo é a maior expressão do cancioneiro sul-americano. Desde o tempo de Carlos Gardel, o ritmo vem conquistando espaço em todos os lugares do mundo. Talvez não fora os mestres das composições, o Tango jamais teria êxito. Sua origem está do Rio da Prata, a Buenos Ayres e Montevidéu. Sua origem não é bem clara. Mas, quem estuda encontra uma similaridade com demais composições como  habanera, estilo criado em Havana, Cuba. A habanera foi à primeira música afro-latino-americana.…

Continuar

CASOS

Postado em 13 novembro 2013 às 15:42 0 Comentários

CASOS.

Alderico Leandro

Há instantes na vida que se pergunta na religiosidade qual será a certa? Embora as diversas religiões inspirem cuidados com o ser espiritual, não raro se tem a preocupação de se estar certo ou não. Temos nas religiões um longo pensar onde se forma as diversas tendências de se atuar. Desde 324 anos após o Jesus (Ungido é o nome) se tem formado esta alusão sobre tal verdade. Desde o tempo de Jesus, se tem outros “profetas” que fizeram verdadeiras curas.…

Continuar

VIDAS PASSADAS

Postado em 24 setembro 2013 às 19:50 0 Comentários

Em certa ocasião, há alguns anos, eu sonhei – eu gosto de dizer “mentalizei” – com um amigo já morto há alguns anos. Esse amigo, quando em vida, se chamava Zé de Melo. Veio-lhe a morte de forma repentina, quando ele se levantou (da cama) por ter ouvido, possivelmente alguém a tentar abrir a porta do seu pequeno comércio. Ela mantinha esse comércio para sustentar a família com o dinheiro apurado. Nessa manhã cedo, ainda não havia luz do sol, Zé de Melo se levantou quase que apressado para…

Continuar

Caixa de Recados (1 comentário)

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Em 9:19am on outubro 31, 2013, Rita Maria Alves Lopes deu para alderico leandro alvares um presente...
Presente
Bom dia! Seja bem vindo à minha página!! Grande abraço!
 
 
 

© 2020   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!