VICTOR HUGO MORREU!...Revista Espírita - junho de 1885

 

      Um grito de dor, um imenso grito de dor ecoou repentinamente em Paris, e a França e o mundo estremeceram com não sei que misterioso terror; onde quer que haja uma alma que pense, um coração que ame, essa alma comoveu-se, esse coração gemeu: Victor Hugo morreu!...

     Espiritualistas de todas as escolas, espíritas de todas as nações, todos aqueles a quem esta morte atinge tão cruelmente, todos aqueles que sentimos tão profundamente o que perdem, quer a França quer a humanidade, unamo-nos para chorar e orar. Porque as lágrimas são por vezes doces; é o orvalho da recordação e do reconhecimento, e, nas asas da oração sagrada, as nossas subirão num raio de aurora até o sublime poeta, até o bem-amado pai que alimentou as nossas almas com o pão sagrado de seu gênio.

     Oremos, mas demos graças também, porque se o homem morreu, o espírito sobrevive, deslumbrante, porque o que era cá na terra uma chama, é lá no céu uma estrela, porque não se trata de uma morte, mas de uma transfiguração. Sim, ele se foi deste mundo tal como os profetas, enquanto se desvanecia o último suspiro, a alma do poeta abria as suas asas brancas e subia, engrandecida, desmedida, radiante como o arcanjo, e vimo-la passar na nuvem e ouvimos troar uma voz potente que dizia:

                                       Partirei nos carros sombrios

                                       Do sonho e da visão;

                                       Na lívida cidade das sombras

                                       Passarei como um raio;

                                       Ouvirei as suas vagas assuadas;

                                       Assemelhar-me-ei nas nuvens

                                       Ao grande desenfreado do ar;

                                       Terei sob os meus pés a vertigem,

                                       E nos olhos mais prodígio

                                       Que o meteoro e o relâmpago.

                                       Reentrarei na minha morada,

                                       No infinito mundo negro.

                                       Atirando à eternidade a hora,

                                       E à imensidade a terra,

                                       Repelindo com o pé as nossas misérias,

                                       Tomarei a verdade nas minhas garras

                                       E transfigurar-me-ei,

                                       E passar-se-á a ver apenas

                                       Um resto de vislumbre humano

                                       Tremer sob o meu sobrolho sagrado.

                                       Porque não serei mais um homem;

                                       Serei o espírito deslumbrado

                                       A que o sepulcro se nomeia

                                       A que o enigma responde, sim.

                                       Por mais que a sombra se torne horrível,

                                       Expandir-me-ei terrível,

                                       Como Elias em Gethsemani,

                                       Na espantosa alegria

                                       Do abismo e do infinito.

Revista Espírita - junho de 1885

Exibições: 308

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de Benoni Martins em 1 março 2018 às 8:22

A Renascença, iniciada no século  15, na Itália, deu a partida para uma renovação mundial, cultural e artística, sem precedentes. Não tardou a enfraqueceu-se o Absolutismo (poder exercido de forma ilimitada e indivisível  -  regime das monarquias da Europa Ocidental , que durou até os séculos 17 e 18). Então, no século 18 , com o iluminismo (século das luzes), emergiu na humanidade o poder da razão.

© 2020   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!