A imagem pode conter: 1 pessoa

O sono e os sonhos são estudados com profundidade pelo Espiritismo. O Livro dos Espíritos - Allan Kardec -, 2a. parte, Capítulo VIII é a melhor discussão a respeito do significado dos sonhos. Há também o livro A Gênese - Allan Kardec - capítulo XIV, que aborda muito bem o assunto.

Primeiramente, devemos saber que o Espiritismo considera o ser humano como constituído de três partes: o corpo, revestimento material temporário e perecível que possui automatismos biológicos comandáveis pela mente; o Espírito, o foco de inteligência, indestrutível, indivisível, incorpóreo, que sobrevive à morte do corpo libertando-se e retornando à vida espiritual, para voltar à vida material numa nova reencarnação; e, finalmente, o perispírito, laço de união entre o Espírito e a matéria, corpo fluídico semi-material (energético) que "reveste" o Espírito e permite a ligação deste com o corpo.

Estudando as propriedades do perispírito, notaremos que ele está em íntimo contato com o corpo físico, molécula-a-molécula, de tal forma que o Espírito terá liberdade completa apenas após a morte do envoltório material. Porém, quando o corpo entra num estado neurofisiológico alterado ("estados alterados de consciência"), como o sono físico, o sonambulismo, o êxtase, o coma, etc., o perispírito tem possibilidade de expandir-se, e o Espírito liberta-se parcialmente do corpo em repouso, mas ainda ligado a este por um "laço" fluídico. Isso acontece todas noites (ou manhãs), quando dormimos. Nesse momento, o Espírito procura aquilo que é de seu real interesse, com aquilo que mantém maior afinidade (mesmo não expressando esses desejos na vigília), freqüentando ambientes materiais ou espirituais correspondentes. Esse fenômeno chama-se emancipação da alma.

Em algumas vezes, variando para cada pessoa, nós conseguimos lembrar tudo o que aconteceu com maior ou menor nitidez, dependendo da nossa necessidade. Outros até conseguem determinar o que fazer quando sair do corpo, mantendo uma relativa consciência. De qualquer forma, guardaremos sempre a lembrança subconsciente dos lugares onde freqüentamos e das pessoas com quem conversamos, o que explica porque às vezes certas cenas na vigília nos são familiares, como se já as tivéssemos vivenciado. Este fenômeno é conhecido como déjàvu.

Todos esses fenômenos psicológicos e espirituais, devem ser observados e analisados para servir como instrumento de auto-avaliação da nossa própria personalidade e identidade e ajustar tendências atávicas de outras reencarnações e mesmo, quando essas faculdades forem bem controladas, servir de instrumento até da caridade. Por isso, recomendamos fortemente que, se você tiver interesse em desenvolver e dominar essa habilidade, estude as referências fornecidades e participe de centros de estudos espíritas, onde encontrará apoio e grupos de estudos a esse respeito.

Fonte: Espiritismo net***

Exibições: 700

Tags: !, ASTRAL, PRATIQUE, VIAGEM, e, entenda

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

© 2017   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!