A medida que te elevas, monte acima, no desempenho do próprio dever, experimentas a solidão dos cimos e incomensurável tristeza te aflige a alma sensível.

     Onde se encontram os que sorriram contigo na primeira mocidade? onde estão os corações que te buscavam o aconchego nas horas de fantasia? Onde se acolhem os que te partilhavam o pão e os sonhos, nas aventuras ridentes do início?

     Decerto, ficaram...

     Ficaram no vale, voejando em círculo estreito, tal como as borboletas douradas, que se esfacelam ao primeiro contato da menor chama de luz que se lhes surge à frente.

     Em torno de ti, a claridade, mas também o silêncio...

     Dentro de ti, a felicidade de saber, mas igualmente a dor de não seres compreendido...

     Tua voz grita sem eco e o teu anseio se alonga em vão.

     Entretanto, se realmente sobes, que ouvidos te poderiam escutar a grande distância e que coração faminto de calor do vale se abalançaria a entender, de pronto, os teus ideais de altura?

     Choras, indagas e sofres...

     Contudo, que espécie de renascimento não será doloroso?

     A ave, para libertar-se, destroi o berço da casca em que se formou, e a semente, para produzir, sofre a dilaceração na cova desconhecida. 

     A solidão com o serviço aos semelhante gera a grandeza.

     Não te canses de aprender a ciência da elevação.

     Lembra-te do Senhor, que escalou o calvário, com a cruz nos ombros feridos. Ninguém o seguiu na morte afrontosa, à exceção de dois malfeitores, constrangidos à punição, em obediência à justiça.

     Recorda-te dele e segue...

     Não relaciones os bens que já espalhaste.

     Confia no infinto Bem que te aguarda.

     Não esperes pelos outros, na marcha do sacrifício e do engrandecimento. E não olvides que, pelo ministério da redenção que exerceu para todas as criaturas, o Divino Amigo dos Homens não somente viveu, lutou e sofreu sozinho, mas também foi perseguido e crucificado. 

Exibições: 724

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de adão de araujo em 14 julho 2012 às 15:03

Queridos amigos Edson e Ana Lucia. A solidão com DEUS é a mais luminosa da solidões. É a plenitude.

Um abraço e muita paz .

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!