Ser zen não é ficar numa boa o tempo todo, de papo para o ar, achando tudo lindo sem fazer nada.
Ser zen é ser ativo. É estar forte e decidido. E caminhar com leveza, mas com certeza. É auxiliar a quem precisa, no que precisa e não no que se idealiza.

Ser zen é ser simples.
Da simplicidade dos santos e dos sábios. Que não precisam de nada. Nada mais que o necessário. Para o encontro, a comida, a cama, a diversão, o trabalho.
Ser zen é fluir com o fluir da vida.
Sem drama, sem complicação. Na hora de comer come comendo, sem ver televisão, sem falar desnecessário. Sente o sabor do alimento, a textura, o condimento. Sente a ternura (ou não) da mão que plantou e colheu, da terra que recebeu e alimentou, do sol que deu energia, da água que molhou, de todos os elementos que tornam possível um pequeno prato de comida à nossa frente. Sente gratidão, não desperdiça.

Come com alegria. Para satisfazer a fome de todos os famintos. Bebe para satisfazer a sede de todos os sedentos. Agradecendo e se lembrando de onde vem e para onde vai.

A chuva, o sol, o vento, o guarda, o policial, o bandido, o açougueiro, o juiz, a feiticeira, o padre, a arrumadeira, o bancário e o banqueiro, o servente e o garçom, a médica e o doutor, o enfermeiro e o doente, a doença e a saúde, a vida e a morte, a imensidão e o nada, o vazio e o cheio, o tudo e cada parte.

Ser zen é ser livre e saber os seus limites.

Ser zen é servir, é cuidar, é respeitar, compartilhar.

Ser zen é hospitalidade, é ternura, é acolhida.
"Ser zen é o kyosaku, bastão de madeira sábia, que acorda sem ferir, que lembra deste momento, dos pés no chão como indígenas, sentindo a Terra-Mãe sustentando nossos sonhos, nossas fantasias, nossas dores, nossas alegrias.

Ser zen é morrer.

Morrer para a dualidade, para o falso, a mentira, a iniqüidade.

Ser zen é renascer a cada instante. Na flor, na semente, na barata, no bicho do livro na estante.
Ser zen é jamais esquecer de um gesto, de um olhar, de um carinho trocado no presente-futuro­passado.

Ser zen é não carregar rancores, ódios, cismas nem terrores.
Ser zen é trocar pneu, as mãos sujas de graxa.
Ser zen é ser pedreiro, fazendo e refazendo casas.

Ser zen é ser simplesmente quem somos e nada mais. É ser a respiração que respira em cada ação. É fazer meditação, sentar-se para uma parede, olhar para si mesmo. Encontrar suas várias faces, seus sorrisos, suas dores. É entregar-se ao desconhecido aspecto do vazio.
Não ter medo do medo. Não se fazer ou, se o fizer, assim o perceber e voltar.
Ser zen é voltar para o não-saber, pois não sabemos quase nada. Não sabemos o começo, nem o meio, muito menos o fim. E tudo tem começo, meio e fim.

Ser zen é estar envolvido nos problemas da cidade, da rua, da comunidade. É oferecer soluções, ter criatividade, sorrir dos erros, se desculpar e sempre procurar melhorar.

Ser zen é estar presente. Aqui, neste mesmo lugar. Respirando simplesmente, observando os pensamentos, memórias, aborrecimentos, alegrias e esperanças.

Quando? Agora, neste instante. É estar bem aqui onde quando se fala já se foi. Tempo girando, correndo, passando, e nós passando com ele. Sem separação.

Ser zen é Ser Tempo.

Ser zen é Ser Existência...."
Monja Coen

Exibições: 1176

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de Henrique em 12 maio 2021 às 19:33

muito bom

Comentário de mauro lopes mariano em 13 janeiro 2014 às 10:00

Ser zen é estar conectado com a Lei Mística.

Comentário de marlene dos santos e santos em 22 dezembro 2013 às 22:18

AGORA ENTENDI, ser zen é amar o proximo

Comentário de sueli rodrigues em 25 novembro 2013 às 16:22

muito bom !!

Comentário de Kátia Souza Moreira em 21 novembro 2013 às 9:58

lindo texto.....

gosteiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

Comentário de Demerval Mendes Ferreira em 20 novembro 2013 às 19:09

Ser zen é estar a participar, sem a pretensão de querer ditar e sim ter a certeza de se pode e se deve sempre... somar...

Comentário de Roque Cerávolo em 20 novembro 2013 às 16:35

Fico imaginado que mundo maravilhoso e divino se o amor semente do budismo tivesse crescido em todas as almas humanas. Peço a Deus que ainda tenhamos tempo de encontrar novamente este caminho criado há tanto tempo e está ainda valendo para chegar à fonte da luz que nos criou. Vamos cada um de nós ler bem este texto e contribuir com a formação de um mundo melhor. Obrigado quem permitiu chegar até nós.

Comentário de Creusa Torres em 20 novembro 2013 às 14:06

Maravilhoso!!!

Obrigada!!!

Com carinho.

Comentário de Henrique em 20 novembro 2013 às 13:31

muito bom !

Comentário de Neli Lopes da Silva em 24 junho 2013 às 21:52

OBRIGADA POR ME PROPORCIONAR A LEITURA DESSA MENSAGEM! ELA NOS LEMBRA DE COMO DEVEMOS SER... MARAVILHOSA!

© 2021   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!