Espiritismo e Bíblia

            Impressiona-me a preocupação de alguns autores e articulistas espíritas em buscar, invariavelmente, os fundamentos de todas as questões e interpretações espíritas na Bíblia judaico-cristã. Passam a ideia de que, se não for explicado biblicamente, o espiritismo carece de fundamentos e de credibilidade.

            Reconheço que essa pode ter sido, em alguma medida, a preocupação de Allan Kardec na árdua tarefa de fazer, no Ocidente, a transição das ideias relativas ao espírito do universo da crença para o da razão. Em medida ainda maior, foi a preocupação de pioneiros do espiritismo brasileiro, como Luis Olimpio Teles de Menezes, Bezerra de Menezes e outros católicos fervorosos que, de repente, se viram tocados pelas ideias espíritas, a elas aderindo, sem, no entanto, abdicarem da fé cristã, coisa tida como de apostasia e de execrável ateísmo, naqueles tempos.  

            Terreno neutro

            Está mais que na hora de romper com o atavismo fideísta e nos libertarmos dessa tutela cerceadora. Em tempos onde viceja um espiritualismo pluralista, livre-pensador, cada vez mais desvinculado dos dogmas e das implicações religiosas, o espiritismo encontra amplos horizontes para se firmar como o “terreno neutro”, proposto por Kardec, onde as crenças cedem lugar à razão e onde algumas vertentes de uma ciência emergente se encaminham para o abono das propostas espíritas. É hora de aprofundar a ideia de que espiritualidade e religião são coisas diferentes. Enquanto aquela, no mundo contemporâneo, se firma como valor filosófico compartilhado por todos quantos reconhecem a primazia da consciência/espírito sobre a matéria, a religião se apresenta como intérprete de um mundo sobrenatural, capaz de derrogar, com prodígios e milagres, a lei divina ou natural. Dessa prerrogativa que lhes garante poder e fortuna, aqui, e a custódia da chave das portas do céu e do inferno, no além, as religiões não abdicam. Isso as afasta da genuína e natural espiritualidade.

            Reencarnação e cristianismo

A generosa ideia da reencarnação é incompatível com o cristianismo. Essa é a tese que levo ao XXI Congresso Espírita Pan-Americano, em Santos.

 Ao estruturá-lo, dando-lhe a feição sedimentada nestes seus 2.000 anos de história, Paulo de Tarso blindou o cristianismo contra qualquer especulação reencarnacionista: “o homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo”. (Epístola aos Hebreus). A ideia central e inderrogável do cristianismo é a da salvação pela graça. Todo o arcabouço cristão sustenta-se no mito da queda do homem pelo pecado original e consequente necessidade de um redentor que lhe devolva, por misericórdia, e em troca da crença e da adoração, o estado de graça e a beatitude eterna. Qualquer visão de Deus, de homem e de mundo que se oponha a isso deixa de ser cristã. A reencarnação opõe-se frontalmente aos principais fundamentos bíblicos.

              O cristianismo primitivo

               Dizer que o espiritismo é a revivescência do cristianismo primitivo também não procede. É a negação de seu caráter moderno e progressista. A História do pensamento anda para frente e não para trás. Os primeiros cristãos, por mais generosos e solidários que fossem, tinham uma visão pobre e equivocada acerca do destino do homem e do mundo. Acreditavam no fim dos tempos, a acontecer, logo ali adiante, na geração seguinte. Só eles seriam salvos. Todos os que não fossem batizados e cressem em Jesus Cristo estariam irremediavelmente condenados. Isso também é bíblico. E cristão. Bem diferente da mensagem humanista de um certo Jesus de Nazaré que não fundou qualquer religião e nunca foi cristão.

(Coluna do mês de setembro, publicada pelos jornais Opinião, do Centro Cultural Espírita de Porto Alegre, e Abertura, do Instituto Cultural ´Kardecista de Santos)

Exibições: 2083

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de Nilzelí Aparecida Nery Mancini em 21 setembro 2012 às 19:21

São tantos os comentários... que não terei tempo para todos, mas gostaria de registrar minha forma de ver a questão: Kardec, de forma muito competente, uniu alguns ensinos dos Espíritos com os ensinos de Jesus Cristo, uma vez que este foi apontado por aqueles como o maior modelo de perfeição que a Terra conheceu. E Kardec soube dar a esses últimos ensinos uma interpretação ética e moral tão clara, que não dá para comparar com qualquer religião.

O Espiritismo - doutrina filosófica, com consequências morais - não se assemelha em nada com as outras religiões, mas traz em seus conceitos algo que todas buscam: como chegar à perfeição - maior ânsia do homem - à imagem e semelhança de seu criador. 

Cristianismo, a meu ver, não é religião. É também uma doutrina filosófica, não escrita por seu maior mestre, que, ao longo da história deu origem a algumas religiões e foi adotada por outras! 

Comentário de josé amaral filho em 13 setembro 2012 às 14:52

Vejam só, o mundo atual oferece oportunidade ímpar para o desevolvimento humano, no entanto continuamos com o talvez, que sabe.... sabemos que a verdade não chega para todos por um único motivo: não quero tomar parte nessa história, não gosto de falar de morte, etc. é assim que muitos veêm a verdade da criação e o desenvolvimento do universos. O que posso acrescentar é que a maioria dos relatos no velho testamento, vem de uma geração muito antes da mesopotâmia, e o novo com todos os ensinamento do Cristo acompanha as mesma cartilha dos antigos, a doutrina espírita vei dar a razão para os menos esclarecidos, mas até mesmo os espíritas tem medo de conhecer a verdade. Não podemos deixar a codificação baseada em apenas em três livros! precisamos estudar toda a codificação e seus complementos que são muitos ricos em verdade e razão. A semente foi espalhada pelo planeta, e não pertence a um só, é universal, Vamos estudar e compartilha , com humildade e sabedoria, nossos irmão maiores estão nos ajudando a ensinar o que não aprendemos por omissão. QUE O DIVINO MESTRE NOS AMPARE E NOS ACOLHA EM SUAS MORADAS.

Comentário de jose fernandes de siqueira em 9 setembro 2012 às 17:32

Discordo.Quando aos 18 de juventude conheci o Kardecismo havia muita patrulha e vigilancia no setor das comunhões externas aos limites da Codificação. Diversos chefes de centros de mesa aqui em Belo Horizonte e até dentro da União Espirita Mineira advertiam que espírita real é só com "Chico e Kardec " ! Isso em 1958.Hoje acho dificil segurar uma pessoa no curral ou na exígua guarita do fanatismo ou radicalismo.JF.

Comentário de Emerson Danda em 5 setembro 2012 às 12:56

Não sou filósofo profissional, tampouco, conhecedor de filosofia. Mas li alguma coisa do movimento existencialista, principalmente Sartre e Camus,  e gostaria de deixar escrito um texto que marcou a minha vida e me chamou para a responsabilidade por ela:

"o homem está condenado a ser livre. A grande problemática para nós consiste, no que fazer com essa liberdade."

Em outras palavras, poucos se libertam das "armadilhas" de colocar no ombro de "alguém", seja sobrenatural ou material, o cuidar da nossa própria vida e evolução.

Comentário de Albérico Lima Barreto Filho em 5 setembro 2012 às 9:48

Agora falando sobre ser religião ou não, a doutrina espírita, apenas um comentário breve: Religião (do latim religare, significando religação com o divino [1]) é um conjunto de sistemas culturais e de crenças, além de visões de mundo, que estabelece os símbolos que relacionam a humanidade com a espiritualidade e seu próprios valores morais - Está aí, Kardec quando disse que o espiritismo não era uma religião, ele quis dizer, uma religião constituída da mesma forma que as religiões tradicionais com dogmas e Hierarquias e Cleros. Mas ao momento que nos liga ao Criador Divino é uma forma de Religião, pois como diz o termo Religare, nos liga ao Divino. Abraço Fraterno  

Comentário de Albérico Lima Barreto Filho em 5 setembro 2012 às 9:41

Querido  Milton Rubens Medran Moreira, Sei que ser Cristão é uma sequencia, a partir do momento que seguimos Cristo, Você fala de Jesus de Nazaré, certo? Quem foi o espirito encarnado que alcançou a consciência Crística? Jesus. Por isso a definição Cristo. Consciência crística nada mais é que o entendimento mair sobre a vontade do criador, mair consciência já existente no Planeta. Ser cristão é seguir Jesus independente de ser Católico, evangélico, Ecumênico, espírita e Etc. O SR está confundindo alguma coisa. Nenhum espírita se denomina exclusivo no cristianismo, mas sim acredita na teoria espirita cristã, ou seja: Quando Falamos de Reencarnação, usamos algumas passagens de Jesus para o convencimento desta teoria que para mim é fato. Então seguimos os ensinamentos de quem? Jesus. Quem foi Jesus? O Cristo encarnado, a consciência Pura deste Planeta. Se vc quiser seguir outro Jesus poderá seguir qualquer um, mas ser cristão é seguir jesus de Nazaré, o Cristo. Eu não sigo Kardec, apenas concordo com a teoria Codificada por ele. Sou Cristão, pois Sigo o Cristo Jesus. Gostaria de saber qual a diferença entre Jesus de Nazaré e o Cristo? E só para lembrá-lo, O primeiro nome de Barrabás também era Jesus. Não sigo qualquer Jesus, mas o mesmo em que a doutrina espirita tem com inspiração o Cristo Jesus, se ele era nazareno, essênio ou de qualquer outra cultura isso pouco me importa. Abraço Fraterno      

Comentário de marcelo petrini zacaroni em 5 setembro 2012 às 9:12

Muito bom Milton esclarecimento, nosso proposito é evoluir sem crenças e sim conhecimento, fora dogmas porque nunca melhoraram o ser humano, veio o espiritismo mostrar isto, que temos que nos abster no nosso espirito, evolução espiritual, para um ganho moral em nossa consciencia.

Comentário de Simone Armond em 5 setembro 2012 às 9:02

Veja respeito todas as igrejas ..nao as desmereço e  percebo  como sendo a busca  do homem  daquilo que esta em si  mesmo pois  creio e amo aquele que me conduz ...e que esta em mim ...em  vc em todos nos .....

Comentário de ॐ ツLlena -Terapia da Alma ॐ ツ em 5 setembro 2012 às 9:01

Simone Armond ... só posso aplaudir de pé seu comentário...

Tenha uma lindíssimo dia...

abraço)

Comentário de Simone Armond em 5 setembro 2012 às 8:59

Aaahh  nao vejo JESUS CRISTO  participando  e sendo exclusivo dessa ou daquela igreja ..ou religiao .ele é de todos ....ele é o DEUS CONOSCO ...que nos ensina atemporalmente  todas as coisas ..Mas com certeza é o alicerce de toda a palavra ..pois nao so pregou mas exemplificou com sua vida ...Quem nesse mundo fez ressucitar mortos  ..ou curar cegos ( no sentido literal e nao literal da palavra ......pois a pior cegueira é aquela que nao queremos  abrir nossas mentes para enxergar ...( o olho é a lampada de todo o corpo) )...Igrejas , templos , instituições , comunidades , tudo é humano ..num proposito de auxilio  mas que muitas vezes  se perdem , devido a nossa imperfeição ....Vejo todos como irmaos ..como gotas do mesmo oceano ....tendo em si a mesma essencia ....Pode a gota do mar deixar de ser mar mesmo sendo uma gota , mesmo  na sua pequenez. Espiritas , Cristãos , evangelicos , ateistas , judeus , ortodoxos , todosssssss tem a mesma essencia .....mas é tolice dar importancia a igreja , instituições ou qualquer denominaçao que seja ....em nome daquilo que se crê....A fé esta em nos ...dentro de nos .....porque DEUS É CONOSCO  com todos nós !

© 2022   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!