Sem dúvida um filho nunca deveria morrer antes dos pais, pois tal fato causa uma grande tristeza. Muitos pais inclusive dizem que Deus deveria tê-los levado ao invés do filho.

            Mas para quem não está convicto do que realmente está oculto nos desígnios de Deus, fica difícil aceitar alguns acontecimentos na vida, como por exemplo, a partida de um filho, principalmente em tenra idade.

            As mortes prematuras normalmente são para os pais e para aquelas pessoas mais chegadas uma provação nesta vida. Algo que se faz necessário passarem por questões que estão atreladas ao comportamento dos envolvidos, lembrando que esta vida que estamos vivendo relaciona-se com anteriores e por isso muitos que tem crença diferente de nós, não entendem muito bem o que estamos resgatando ou sendo provados.

            Por outro lado, a criança que está desencarnando tão jovem veio com objetivo de cumprir apenas um pequeno período que faltava ao espírito que ela é, não tendo, portanto, motivos que demonstrasse ter praticado qualquer ato equivocado nesta existência.

            Quantos pais pela sua incompetência e às vezes até irresponsabilidade deixam de amparar seus filhos, abandonando-os a própria sorte, pelos motivos mais diversos, inclusive pelo uso de drogas, ou simplesmente porque se apaixonaram por outra pessoa. Estes pais certamente numa nova existência deverão ser responsabilizados pela Lei Divina e muitas ocasiões lhe são colocados nos lares esses inocentes que tem necessidade de cumprirem pequeno prazo na Terra como mencionei, para que sentindo a angústia da perda, passe o espírito que habita em tal corpo expiar com dor a maldade cometida numa vida pretérita.

            Todos nós estamos na Terra para expiar ou passar por provas que se relacionam com vidas passadas. Certamente hoje somos já melhores do que no passado, mas continuamos sendo provados e espiando faltas.

            O espírito que habita em uma criança que morre em tenra idade retorna ao plano espiritual e recomeça uma nova existência, pois que aquele período curto que ficou na carne, serviu-lhe como experiência e evolução.

            Mas a infância não é um estado total de inocência, pois vemos crianças possuir ruim tendência e até demonstram comportamentos maldosos, que devem ser orientadas com o rigor necessário para que a conduta de tendência à maldade seja coibida no tempo possível.

            Também devemos considerar que o espirito que habita uma criança pode muitas vezes ser mais antigo do que o dos pais. Isto é comum acontecer, pois vemos todos os dias filhos que tem uma aptidão e habilidade no trato com a vida já nos primeiros anos de infância, maior do que o dos pais com o longo tempo vivido.

            Devemos procurar entender nas separações que pensamos prematuras entre pais e filhos, os motivos que ensejam o término do convívio, pois só assim os corações dos pais se consolarão um pouco de ver um filho retornar à pátria espiritual antes.     

Exibições: 205

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de Nilton C. Moreira em 29 janeiro 2019 às 2:18

Agradecido Josete, tanto pela leitura como pelo comentário.

Comentário de Josete Maria de Miranda Leite em 28 janeiro 2019 às 19:18

Boa noite, Nilton!!

Belissimo texto.

Amei!!

Gratidão!!

Josete  Leite

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!