A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, céu, nuvem e atividades ao ar livre"Não, o coração que amou de fato jamais esquece. Mas, continua amando até o fim. Como o girassol volta para o seu Deus, quando ele se põe, o mesmo olhar que lhe dirigiu quando ele nasceu ", 

(Thomas Moore )

***

Uma das maiores dores que podem atingir a um coração na Terra é a separação de pessoas que se amam. É humano sofrer com a morte física de alguém. É necessário, no entanto, que não se faça do fim natural a que chega a vida física, um palco de revolta contra Deus. A vida física tem seu início, meio e fim. Término esse que todos sabem que um dia chegará. Por que não se preparar? Não a esperando para qualquer momento, mas se conscientizando de que nada na vida lhes pertence, posto que "são depositários e não proprietários".

Apegam-se às pessoas, tornando-se delas donas, razão pela qual chega a revolta da separação. Como alguém que é meu me pode ser tirado, sem o meu consentimento?

A saudade fará com que suas lágrimas caiam para sempre, diminuindo com o tempo, mas estarão sempre em sua face. Mas, creia, o dia do reencontro chegará. Aguarde com confiança e sem qualquer precipitação. Não chantageie a vida se entregando à autodestruição, isto só o levará a se afastar mais e mais das vibrações de refazimento e reequilíbrio.

Não retenha quem se foi além do necessário para que tenha boas recordações. Desfaça-se dos excessos de correntes que podem aprisionar o seu amor ao seu lado. A vida dele prosseguirá em outras paragens, não mais na que você se encontra. Não o chame para ajudá-lo diante das suas dificuldades de vida. Elas são suas.

Deus não é cruel. Jamais o faria reencontrar ou encontrar um amor para depois o lançar fora de sua vida, eternamente. Seu sofrimento não é o maior do mundo, portanto não agrida a quem quer que seja com a justificativa de que o seu coração está de luto.

Alguém partiu, não faça com que os outros partam também, afastando-se de sua companhia. Ore, pedindo pela paz do que se foi, lembrando-se que ele também sofre a saudade da separação. Mas em suas preces nunca se esqueça de dizer: "Vá adiante amor, aqui ficaremos bem e, quando Deus assim quiser, nós nos veremos..."

Assinado : Carlos Murion
Local: "Centro Espírita Cavaleiros da Luz" - Salvador (BA)

Exibições: 330

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de antonio joaquim gonçalves veloso em 29 agosto 2019 às 23:33

A ÚLTIMA RECORDAÇÃO (de Junior)

 

Estavas com teus amigos, alegre e sorridente

Como sempre sorrias, na piscina da  nossa casa, de praia

Saíste alegre com os colegas e nós ficamos alegres

Tuas últimas palavras foram ditas ao portão, para tua mãe:

Mãe: Diga ao Pai para não se preocupar comigo.

Pois só Deus sabe de cada um de nós. E partiste

Tua mãe e eu fizemos o último churrasco  juntos

Algumas horas depois te velamos na capela

Chorei como jamais havia chorado e pela primeira vez

Vi tua mãe chorar. Ela era a nosssa fortaleza

Mas até ela não aguentou o tombo que a vida lhe deu

Nossa filha foi trazida de Cabo Frio por amigos

Ao ver meu desespero diz: Pai pare de chorar

Ele não ia gostar de  ver lágrimas no seu rosto

Mas ela própria, a pessoa mais corajosa de nosso lar

Não conseguiu se conter vendo seu irmão pálido sem vida

Nossas lágrimas não eram de desespero, mas de saudade

De muita saudade. Seu rosto permanecia alegre e sorridente

De vez em quando acariciava-o como tentando transferir

Para meu amado filho todo o amor que tinha por ele

Passamos a noite em claro, eu não me conformava

Chorava cada vez mais e pensava: Porque ele e não eu?

O dia amanheceu ensolarado, chegava a família e amigos

Às 10 horas carregamo-lo pela rua para o sepultamento

Ao entrar de novo no cemitério, bandos de ben-te-vis

Acompanharam com seu canto de despedida até à campa

Não adiantava as pessoas me consolar, eu não me continha

Chorava  o mais alto que podia, até esvasiar a última gota

De meu coração, e continuo a chorar sempre que o lembro

Ao sepultar Marlene jogou seu último terço na cova

Meu irmão Lino chorando botou  com a pá a primeira terra

Estava tudo encerrado, jazia ali o corpo de meu filho

Mas seu espírito continua até hoje vivo entre nós

Falo dele, escrevo sobre ele mas minha alma está triste

Marlene minha esposa e sua mãe tem sofrimento até maior

Nunca mais foi á nossa casa de Praia que ele amava

Nunca mais enfeitou a casa no Natal, ele sempre ajudava

Evita ir ao cemitério ou falar para alguém sobre ele

Ela era super alegre hoje tenta disfarçar sua tristeza

De um amor sem limite, que se apagou para sempre

Como eu, uma parte dela também morreu para sempre

E assim será, até que a morte nos una novamente

 

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!