Narra antiga lenda que um rabi,

religioso dedicado,

vivia muito feliz com sua família.

Esposa admirável e dois filhos queridos.


Certa vez, por imperativos da religião,

o rabi empreendeu longa viagem ausentando-se do lar por vários dias.

No período em que estava ausente,

um grave acidente provocou a morte dos dois filhos amados.

A mãezinha sentiu o coração dilacerado de dor.

No entanto, por ser uma mulher forte,

sustentada pela fé e pela confiança em Deus,

suportou o choque com bravura.

Todavia, uma preocupação lhe vinha à mente:

como dar ao esposo a triste notícia?

Sabendo-o portador de insuficiência cardíaca,

temia que não suportasse tamanha comoção.

Lembrou-se de fazer uma prece.

Rogou a Deus auxílio para resolver a difícil questão.

Alguns dias depois, num final de tarde, o rabi retornou ao lar.

Abraçou longamente a esposa e perguntou pelos filhos...

Ela pediu para que não se preocupasse.

Que tomasse o seu banho, e logo depois ela lhe falaria dos moços.

Alguns minutos depois estavam ambos sentados à mesa.

Ela lhe perguntou sobre a viagem,

e logo ele perguntou novamente pelos filhos.


A esposa, numa atitude um tanto embaraçada,

respondeu ao marido: deixe os filhos.

Primeiro quero que me ajude a resolver um problema que considero grave.


O marido, já um pouco preocupado perguntou: o que aconteceu?

Notei você abatida! Fale!

Resolveremos juntos, com a ajuda de Deus.


- Enquanto você esteve ausente, um amigo nosso visitou-me

e deixou duas jóias de valor incalculável, para que as guardasse.

São jóias muito preciosas! Jamais vi algo tão belo!


- O problema é esse!

Ele vem buscá-las e eu não estou disposta a devolvê-las,

pois já me afeiçoei a elas.

O que você me diz?


- Ora mulher! Não estou entendendo o seu comportamento!

Você nunca cultivou vaidades!... Por que isso agora?


- É que nunca havia visto jóias assim!

São maravilhosas!


- Podem até ser, mas não lhe pertencem!

Terá que devolvê-las.


- Mas eu não consigo aceitar a ideia de perdê-las!


E o rabi respondeu com firmeza:

ninguém perde o que não possui.

Retê-las equivaleria a roubo!


- Vamos devolvê-las, eu a ajudarei.

Faremos isso juntos, hoje mesmo.


- Pois bem, meu querido, seja feita a sua vontade.

O tesouro será devolvido.

Na verdade isso já foi feito.


- As jóias preciosas eram nossos filhos.


- Deus os confiou à nossa guarda,

e durante a sua viagem veio buscá-los.

Eles se foram.


O rabi compreendeu a mensagem.

Abraçou a esposa, e juntos derramaram grossas lágrimas.

Sem revolta nem desespero.

Os filhos são jóias preciosas que o Criador nos confia

a fim de que as ajudemos a burilar-se.


Não percamos a oportunidade de enfeitá-las de virtudes.

Assim, quando tivermos que devolvê-las a Deus,

que possam estar ainda mais belas e mais valiosas.

(autor desconhecido)

Exibições: 1014

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de Ataliba Oliveira Torres em 28 novembro 2013 às 10:37

Linda mensagem. Obrigado Senhor.

Comentário de gildabernardino em 4 outubro 2013 às 16:36

A vida é feita de partidas e chegadas, de idas e vindas.

Comentário de Denizar Ventura Regis em 1 outubro 2013 às 21:21

Cara Andrea Espínola, sei que é difícil avaliar a dor de alguém sem ter passado pela mesma experiência, mas na condição de Espíritas, nós sabemos que a dor que passamos no presente, é fruto de desacertos no passado, mormente noutras vidas... Certo seria orar resignadamente a DEUS, desabafando: Senhor, perdoa-me pela dor que causei a outrem no passado, e que agora resgato para cumprimento da Lei de "Causa e Efeito"... E seguir a vida, trabalhando e amando, como o fez Maria - mãe de Jesus, que inconsolável viu seu Filho expirar na Cruz da Ignomínia, mas compreendendo asseverou: Senhor, eis aqui tua Serva!

Muita Paz!

Comentário de José Siqueira Souza em 30 setembro 2013 às 19:05

Vamos devolvê-las, eu a ajudarei.Faremos isso juntos, hoje mesmo. Pois bem, meu querido, seja feita a sua vontade. O tesouro será devolvido... Que assim seja, amém... Muito linda essa mensagem... Beijos de alma...<3

Comentário de Denizar Ventura Regis em 30 setembro 2013 às 17:54

Cara leitora Lena Jorge, o que você disse é uma realidade, mas dia virá que saberemos aceitar uma situação desta como: um remédio sem dor..............

Comentário de Bárbara Maria em 30 setembro 2013 às 14:24

Texto maravilhoso!! Uma verdade absoluta que muitas vezes teimamos em não compreender... Obrigada.

Comentário de Edilson Oliveira em 30 setembro 2013 às 11:14

Linda mensagem, grande reflexão... O tema remete exatamente a prática da fé, pois a teoria é muito comovedora, mas na prática é difícil aceitar a "devolução". Muita paz.

Comentário de sandra maria simonin de miranda em 30 setembro 2013 às 1:24

Excelente postagem.

Obrigada

Comentário de marilu salete xavier bernardes em 30 setembro 2013 às 1:01

ACEITAMOS PERDER TUDO NESTA VIDA, MENOS OS NOSSOS FILHOS. COLOCAMOS NA MENTE QUE ,DEUS ,NOS DEU,MAS SEMPRE ESPERAMOS DE ALGUMA FORMA NÃO PERDE-LOS,E ACHAMOS QUE ,O CERTO É IRMOS ANTES  DELES PARA A PÁTRIA ESPIRITUAL,E, QUANDO ISSO NÃO ACONTECE,A REVOLTA,E A DOR É ETERNA E SEM FIM,AÍ QUE ENTRA O PREPARO,A FÉ, A FORÇA QUE DEVEMOS DESENVOLVER ATRAVÉS DOS ESTUDOS .MINHA MISSÃO ,SEI QUE ESTOU CUMPRINDO E VOU DEVOLVÊ-LAS COM A BAGAGEM DE CONHECIMENTOS MUITO GRANDE.LINDO TEMA, OBRIGADA. MARILU.

Comentário de Arlete B.D. Fernandes em 30 setembro 2013 às 0:24

Muito belo!

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!