INTERCORRÊNCIAS MEDIÚNICAS E REGRESSIVAS

Maria Júlia Prieto Peres

Revista de Espiritismo nr. 31 - Abril/JunhoOutubro 1996

Os estados alterados de consciência podem surgir por diversos motivos. Entre eles, consideremos os anímicos e os mediúnicos.

No INTVP (Instituto Nacional de Terapia de Vivências Passadas) a regressão de memória é aplicada somente com objectivos terapêuticos, por profissionais qualificados dentro da indicação de cada patologia.

Regressão de memória é o processo pelo qual o paciente traz lembranças traumáticas passadas de sua vida, para serem vivenciadas nas sessões terapêuticas, com imenso conteúdo emocional. Trabalha-se com traumas, porque são estes que desencadeiam desajustes psíquicos (somatomórficos), orgânicos e de relacionamento interpessoal. Estes traumas do passado podem estar situados em algum episódio da vida actual (idade adulta, adolescência, infância, nascimento, vida intra-uterina) ou de supostas vidas anteriores, como também no período intervidas. Após uma vivência intensa, como grande libertação activa de emoções, o paciente compreende a causa do passado que está a trazer-lhe o problema actual. Então, ele trabalha consigo mesmo, sob a orientação de um terapeuta experiente, na sua reformulação de modelo de vida, libertando-se dos padrões de comportamento desajustados a que estava vinculado, trazendo-lhe as dificuldades actuais.

Em nossa experiência, desde 1980, com mais de 6.000 regressões, a prática da terapêutica regressiva através da técnica Peres, por nós elaborada, tem tido resultados muito positivos, com estatísticas significativas (70% de remissão total de sintomas, 25% de remissão parcial e 5% nula), desde que respeitadas as suas indicações, limitações e contra-indicações.

Apesar de algumas controvérsias sobre o assunto, provenientes da desinformação, radicalismos e personalismos de pensadores agnósticos nesta área, a aceitação ou rejeição dos factos não lhe altera a essência e a validade. Os princípios que fundamentam esta terapia são eminentemente lógicos e têm sido exaustivamente pesquisados e confirmados por inúmeros investigadores qualificados, em diversos países.

As sessões de TRVP — Terapia Regressiva a Vivências Passadas — são de duração mínima de duas horas, e cada tratamento leva em média de 10 a 20 sessões. O paciente permanece consciente durante todo o processo regressivo, em estado de relaxamento, onde diminui a sua frequência cerebral e ele se torna mais receptivo a essa actividade.

Este trabalho não tem vínculos religiosos, nem com práticas místicas de qualquer espécie, adivinhatórias, etc.. É uma abordagem terapêutica, e como tal, exercida somente por médicos e psicólogos especializados, nos cursos ministrados pelo INTVP (Instituto Nacional de Terapia de Vivências Passadas), que exercem o seu trabalho a nível de consultório, com o máximo respeito ao cliente e às normas éticas e morais.

Intercorrências mediúnicas nas sessões de regressão feita esta rápida introdução, vamos focar o assunto das eventuais intercorrências mediúnicas nas sessões de regressão.

Na nossa experiência pessoal, com a técnica Peres, actualmente não ocorrem fenómenos mediúnicos durante a sessão regressiva. Isto porque, na primeira sessão, o terapeuta trata de verificar se há ou não indicação de que o paciente se submeta à regressão. Se houver indicação, ele explica-lhe como ocorre o processo regressivo, se não houver indicação o cliente é encaminhado para outra especialidade médica ou psicológica, que o terapeuta considere indicada. Após esta primeira sessão são feitas cerca de três sessões de anamnese, que constam de uma ficha clínica muito minuciosa, onde são levantados os dados do paciente, desde a sua vida intra-uterina até ao momento actual.

A partir da quinta sessão é que as regressões são iniciadas.

Na primeira sessão, onde é explicado ao paciente o trabalho regressivo a que ele se vai submeter, o terapeuta deixa-lhe bem claro que este processo é um tratamento psicoterapêutico no qual não se incluem manifestações mediúnicas. Se o cliente tiver faculdades mediúnicas educadas, ele não se permite exercer ali as suas manifestações. Se o cliente não tem o domínio das suas actividades mediúnicas ele é autocontrolado pela orientação que recebeu do terapeuta e introjectou, bloqueando o exercício de sua mediunidade durante a sessão terapêutica. Em casos de processos obsessivos, dentro da técnica Peres, contra-indica-se fazer a regressão. Então, o paciente é encaminhado a um centro espírita de nossa confiança, que conheça o nosso trabalho e cujo trabalho nós conhecemos, para que ele se submeta ao tratamento desobsessivo, pois só o centro espírita (e não o consultório médico) tem a estrutura espiritual adequada para o tratamento de desobsessão.

Há terapeutas que adoptam outras técnicas, que admitem a manifestação mediúnica durante a terapia regressiva. São muito conhecidos os trabalhos dos doutores Brian Weiss, Edith Fiore, E. Baldwin e outros, que frequentemente têm seus pacientes incorporados durante a sessão de regressão. Entretanto, a nosso ver, é no centro espírita que há a estrutura espiritual que requer o trabalho desobsessivo no Brasil, e a própria espiritualidade não está a qualquer momento à disponibilidade para que esses casos sejam tratados a nível de consultório. Nós já recebemos pacientes que passaram por terapeutas menos avisados ou por pseudoterapeutas, que mesclam a sessão regressiva com manifestações mediúnicas, e que tiveram seus problemas agravados.

Nos anos 80, quando tínhamos menos prática e não adoptávamos ainda esta norma, tivemos três casos de incorporação mediúnica durante a regressão. Como tínhamos prática, desde a infância, de trabalhar com processos mediúnicos, fizemos as respectivas doutrinações, afastando as entidades, e devolvemos ao paciente os honorários das consultas médicas, pois neste caso não utilizámos os nossos conhecimentos profissionais, e sim os nossos conhecimentos doutrinários, e, por doutrinação, a nosso ver, não se recebem honorários. Mesmo afastando as entidades perturbadoras, isto é absolutamente insuficiente, pois o cliente portador de mediunidade não adestrada fica com uma "porta aberta" para que volte a mesma ou outra interferência mediúnica, em local não adequado.

Eventuais intercorrências regressivas em sessões mediúnicas Allan Kardec dá duas definições para MÉDIUM:

1ª, no capítulo XIV de "O Livro dos Médiuns": «todo aquele que sente, num grau qualquer a influência dos espíritos, é, por esse facto, médium».

2ª, no capítulo XXXII de "O Livro dos Médiuns": «Médium é a pessoa que pode servir de intermediária entre os espíritos e os homens».

Também em "O Livro dos Médiuns", item 159, Kardec diz ao referir-se aos médiuns: «assim só se qualificam aqueles em quem a faculdade mediúnica se mostra bem caracterizada e se traduz por efeitos patentes de certa intensidade».

A. Aksakof, em "Animismo e Espiritismo", classifica como PERSONISMO, os fenómenos tidos por comunicação mediúnica, mas que são apenas um fenómeno psicológico interior, um problema de personalidade. Recordações de vidas anteriores, inclusive com regressão de memória, podem ser classificadas como personismo, segundo ele.

Também Aksakof adoptou a nomenclatura de ANIMISMO, que define manifestações significativas em que o médium pode estar na dependência de sua própria alma; aqui podem aparecer recordações de vidas passadas, fenómenos de bicorporeidade, certas psicofonias e psicografias, etc.

Ernesto Bozzano, em "Animismo e Espiritismo" diz: «o que um espírito desencarnado pode realizar, também deve podê-lo um espírito encarnado». É um estado em que opera o espírito do médium e não o do desencarnado.

Feitas estas rápidas considerações, podemos dizer que temos observado frequentes fenómenos de animismo em sessões mediúnicas, onde o médium apenas aflora reminiscências de suas próprias vidas anteriores, trazendo conteúdos regressivos, e não os conteúdos mediúnicos manifestados por uma entidade espiritual.

Aí vemos então, intercorrências regressivas em sessões mediúnicas.

Na obra "Nos Domínios da Mediunidade", de André Luiz, psicografada por Francisco Cândido Xavier, capítulo 22, há um autêntico processo de animismo. A médium supõe incorporar uma personalidade diferente, quando apenas exterioriza o mundo interior de si mesma. É doutrinada normalmente pelo dirigente da sessão, como se fosse uma entidade incorporada.

No livro "O Exilado", da editora Correio Fraterno do ABC, Hermínio C. Miranda conta a história de frei Jerónimo, quando ele doutrinava, numa sessão mediúnica, essa entidade pertencente a uma organização espiritual mantida por sacerdotes desencarnados, de vários níveis hierárquicos.

Surge então uma regressão em que a entidade vivencia certos episódios de vidas passadas, onde são encontradas as causas dos sofrimentos de frei Jerónimo. Nessa mesma obra, Hermínio C. Miranda refere-se a outras situações de espíritos desencarnados que são submetidos à regressão de memória para ajudar o seu equilíbrio.

Casos semelhantes estão relatados no livro psicografado por Yvone Pereira, "Memórias de um Suicida", de Camilo Castelo Branco (espírito).

Enquanto a regressão de memória em sessões espíritas está apenas na esfera do animismo, o problema não é tão grave.

Os riscos tornam-se mais evidentes, geralmente com agravamento de sintomas e desencadeamento de outros processos psicopatológicos até então reprimidos, quando no centro espírita surgem situações como regressões de memória aplicadas por pessoas despreparadas, fazendo uso indevido desta técnica, cometendo abusos absurdos que vão desde a exploração da credulidade, através de sensacionalismo e práticas enganosas, até a activação de núcleos neuróticos, provocando inclusive agravamento de sintomas; regressões aplicadas por pessoas desinformadas do embasamento, indicações e contra-indicações desta terapia, que, como tal, deve ser aplicada somente em consultórios de psicólogos e médicos muito bem treinados nesta abordagem; "regressões" aplicadas por médiuns ou frequentadores de algumas casas espíritas, comunicando informações "captadas dos espíritos sob supostas vidas passadas", alimentando curiosidades fantasiosas de seus frequentadores, ou levando-os a desequilíbrios de natureza diversa. A TRVP é vivencial e não informativa nem interpretativa; "regressões" praticadas para satisfazer curiosidades fúteis e proposta como "fórmula mágica" para solução geral de problemas; regressões aplicadas colectivamente, nas quais algumas pessoas deixam emergir uma experiência traumática, que sem o auxílio e a orientação de um terapeuta experiente pode ser prejudicial ao cliente.

Referências bibliográficas: Aksakof, Animismo e Espiritismo - Ed. best-seller - SP, 1990. Andrea, Jorge - Visão Espírita das Distonias Mentais - Ed. FEB, 1990. Bastos, Demétrio D. - Médium - Quem é, Quem não é - Instituto Maria, MG, 1991. Bozzano, Ernesto - Animismo ou Espiritismo - Ed FEB - RJ - 1950. Fiore, Edith - Você já viveu Antes - ED. Record, SP, 1991. Possessão Espiritual - Ed. Pensamento, SP, 1992. Franco, Divaldo - Loucura e Obsessão - Ed. FEB, RJ, 1989. Kardec, Allan - O Livro dos Espíritos - Ed. FEB, RJ, 1960. Miranda, Hermínio C. - O Exilado - Ed. Corr. Frat. ABC, SP, 1991. A Memória e o Tempo - Ed. Arte e Cultura, RJ, 1992. Condomínio Espiritual - Ed. FE - SP, 1993. Pereira, Yvonne A. - Memórias de um Suicida - Ed. FEB. Rizzini, Carlos T. - Evolução para o Terceiro Milénio - Ed. Edicel, SP, 1985. Tavares, Clóvis - Amor e Sabedoria de Emmanuel - IDE, SP, 1987. Xavier, F.C. - Nos Domínios da Mediunidade - Ed. FEB, RJ, 1977.

 Maria Júlia Prieto Peres é Médica.

Exibições: 73

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de Nilza Garcia em 1 dezembro 2013 às 15:39

Amiga....estou aqui....pode me escrever.

Meu e-mail:

nylgamy@gmail.com

PAZ E LUZ!!!

Comentário de BIA JARDIM em 30 novembro 2013 às 13:04

OBRIGADA PRECISO AJUDA

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!