IMPULSIONE O MEDO, LIMITE AS PERDAS E DOMINE O MEDO

Mensagem de Jennifer Hoffman

29 de Julho de 2021

Medo é uma palavra que usamos de muitas maneiras diferentes, como substantivo, verbo, adjetivo e um modificador na maneira como falamos e vivemos. Mas, como você já me ouviu dizer muitas vezes, o medo não é uma coisa.

Não tememos o “medo”, tememos as consequências. E as consequências são muito reais – essas coisas aconteceram conosco, mas não precisam continuar acontecendo conosco e é por isso que aprender a impulsionar o medo é tão importante agora. Podemos usar nossos medos como trampolins para um potencial maior quando aprendemos o valor da resistência e a verdadeira natureza e potencial de nossos medos.

Você já teve medo de algo que simplesmente não consegue explicar? Você se percebe dando desculpas ou fazendo concessões para seus medos automaticamente? Não tem certeza do que estou falando? Aqui está um exemplo – meu medo do frio.

Existe algo que você evita deliberadamente por motivos que não consegue explicar? Você evita chegar perto da água porque tem medo de se afogar? Aqui está uma forma um tanto engraçada, mas verdadeira como isso se manifesta – história de mãe e inundações repentinas

Aqui está outra maneira de manifestar o medo – como raiva que você não pode explicar ou controlar. Algo o “desencadeia” e o leva a “contornar” de maneiras que às vezes podem embaraçá-lo ou fazer com que se pergunte: como você poderia reagir dessa forma? Tenho alguns exemplos disso com meus clientes.

Então, o que está acontecendo aqui? Por que os medos são tão importantes se todos nos dizem que são limitadores, que precisamos superá-los, ignorá-los, fingir que não existem, torná-los responsabilidade do ego, liberá-los e seguir em frente de qualquer maneira?

Os medos representam consequências do passado, quer nos lembremos deles ou não. Medos são como nos alertamos sobre situações perigosas que estão por vir, que colocam nosso bem-estar em risco.

Os medos nos lembram que precisamos ser cautelosos, reconsiderar, reorganizar, reformular uma situação ou recuar.

Os medos não são ruins quando usados ​​como uma alavanca para nos tirar da dor e do sofrimento. Mas entendemos mal, subestimamos e usamos mal nossos medos, de modo que eles se tornam nossas influências controladoras, em vez de um trampolim em nosso caminho.

Existem dois tipos de medos – aqueles dos quais temos consciência e os medos mais profundos, sombrios, densos e ocultos dos quais desconhecemos completamente, mas que na verdade têm mais poder sobre nós.

Você se lembra da minha história sobre meu medo do frio? É algo que estou sempre ciente e faço concessões, mesmo no calor do verão. Nunca fico sem casaco ou um agasalho. Quem sabe, eu poderia ficar presa em uma tempestade de neve horrível no meio de julho. Eu não me escondo dos meus medos, não diminuo sua importância ou os minimizo, então carrego um suéter comigo ou no meu carro.

Os medos de que temos consciência são conhecidos por nós por causa de algo que aconteceu nesta vida. Por exemplo, temos medo de insetos rastejantes como aranhas – é um medo natural. Também temos medo de estradas geladas, se alguma vez tivermos um acidente. Ou de nos queimarmos com algo quente, se já nos aconteceu isso antes.

Tememos ser magoados em um relacionamento se alguém nos traiu, rejeitou ou nos abandonou. Tememos não ser amados se as pessoas que queríamos que nos amassem não o fizeram (dependendo de como definimos o amor).

Estes são medos experienciais. E quanto aos outros medos profundos e sombrios? Estes são medos energéticos – aqueles que nos deixaram sua marca de trauma de energia, um lembrete duradouro de ações que levam a consequências terríveis, sérias, de mudança de vida ou de finalização.

Você tem medo de se destacar na multidão? Poderia ser algo que uma vez nos aconteceu, cujos ecos de energia ainda ressoam em nosso campo de energia?

Você já hesitou antes de dizer a sua verdade, por mais injusta ou injustamente que tenha sido tratado? Isso poderia ser um eco energético de retaliação?

Você sente que está sendo tratado injustamente por outras pessoas e não sabe por quê? Isto é um eco energético de perseguição?

Estes medos por si só nos deixam com medo, confusos e hesitantes, porque pensamos que devemos simplesmente ‘superar isso’ e temos vergonha de nossos medos. Vamos lhes dar um pouco mais de respeito do que isso.

Precisamos respeitar nossos medos porque eles representam espaços de energia que precisam de mais tempo, atenção e cuidado. Quando ignoramos, nos escondemos ou nos envergonhamos por eles, eles simplesmente se tornam mais poderosos e criam raízes mais profundas, mais longas e mais fortes.

Sempre que tentamos uma transformação – quer o façamos voluntariamente ou sejamos forçados a isso, nossos medos vêm à tona. Os medos mais óbvios surgem primeiro – medo de estar sozinho, seguro, protegido e de mudanças na vida.

Os medos mais profundos vêm a seguir – abandono, traição, perseguição, retaliação, vergonha pelo que aconteceu, sentimento de culpa por decepcionar os outros… Mas estes são os medos que nos prendem, que nos impedem de ganhar a confiança de que precisamos para avançar com ousadia para um novo potencial e um novo futuro.

Então, há as consequências, que é o que realmente tememos. Não tememos o “medo”, o medo não é uma coisa. Sim, nós o usamos para descrever muitos tipos de estados físicos, mentais e emocionais, mas não é uma coisa. Se você disser a alguém ‘estou com medo’, ele perguntará ‘do que você tem medo’? O que tememos são consequências, as coisas que acontecem quando o que inspira nossos medos se torna parte de nossa realidade.

Portanto, temos que aprender a impulsionar os nossos medos, a limitarmos as perdas (ou o que pensamos que são perdas) e a domarmos o trauma de nossos medos para que não os deixemos conduzir nossas vidas como fazem se não lhes dermos o cuidado, atenção e respeito que eles merecem.

Como podemos impulsionar os nossos medos? Nós observamos o que estamos resistindo e percebemos que há uma lição na resistência. Então podemos começar a fazer perguntas importantes como:

Estou pronto para isso agora?

Isso é algo que eu realmente quero fazer?

Estou fazendo isso por mim ou por outra pessoa?

Existe outra opção para mim?

Do que eu realmente tenho medo?

Vemos a perda quando nos sentimos rejeitados ou abandonados ou quando não estamos obtendo o que queremos de alguém. Mas paramos no medo e não exploramos as consequências. Nossa palavra mais importante nestas situações é “porque”. Adicionar porque à declaração de “estou com medo” permite explorar as consequências, honrar nossa resistência e decidir sobre nossos próximos passos.

Caso contrário, as perdas nos lançam em um abismo de ciclos de medo, estagnação e procrastinação. Por que procrastinamos? A procrastinação não é sinal de preguiça ou falta de motivação. Nós procrastinamos porque há consequências para nossas ações que nossos medos escondem.

Transformar o trauma é apenas isso, transformar o trauma em uma nova possibilidade de potencial, em vez de uma rotatória de medo e consequências. Lembro-me da minha primeira vez dirigindo em uma rotatória. Eu perdia minha saída e tinha que dar a volta novamente.

Era uma estrada movimentada em Paris e para tornar as coisas mais complicadas, os carros continuavam entrando na rotatória e me cortando no momento em que eu tentava entrar na pista para sair. A única maneira de consegui-lo, após a 4ª volta, foi apertar incessantemente a buzina e seguir em frente até chegar à pista que precisava.

O trauma é real e exige respeito, mas não exige nossa devoção absoluta e, em algum ponto, precisamos parar de nos permitir ser domesticados e submissos por nosso trauma. Eu sei que esta é uma parte difícil da jornada da ascensão e eu trabalhei com muitos clientes através de traumas profundos e fiz meu próprio trabalho do trauma. Exige compromisso, determinação e capacidade de superar os medos e consequências e seguir em frente. Mas isto pode ser feito.

O medo existe para nos lembrar de que “algo aconteceu” uma vez. O medo nos mantém no passado para nos manter seguros e protegidos, seguros em nossa zona de conforto. O medo nos impede de usar a proteção e segurança como seu argumento e muitas vezes concordamos porque a alternativa de permanecer dentro das limitações e limites de nosso medo é enfrentar a terrível incerteza das consequências que já sabemos que existem.

O motivo do seu medo pode não ser conhecido, mas você está bem familiarizado com as consequências. Eles são revelados quando você diz “Estou com medo porque….” Isso é o que nos retém e o que devemos impulsionar, limitar e transformar para seguir em frente.

Mas embora nossos medos sejam reais e as consequências possam acontecer novamente, existem outras opções e são essas que nos libertarão do medo e nos permitirão impulsionar o nosso medo em uma nova realidade com novos potenciais e empoderamento.

Mas primeiro temos que dar aos nossos medos o respeito e a atenção que eles merecem. Não precisamos nos envergonhar porque temos medo ou permitir que outros usem nosso medo para nos manipular emocionalmente com culpa.

Podemos usar o poder sobre nossos medos para limitar as perdas e então transformar o trauma. Nunca estaremos “livres do medo”, o medo é um importante sinal de alerta que precisamos em nossas vidas, mas podemos limitar seu papel e controle em nossas vidas e usar o medo como uma ferramenta em vez de sermos manipulados por ele.

Quando dominamos nossos medos, somos energeticamente íntegros e energeticamente soberanos e usamos nossos medos com sabedoria e mestria, sabendo que o medo nos lembra que nem todo caminho é nosso para seguir e precisamos nos engajar em autoconsciência e autocuidado, usando nossa energia para nosso bem supremo e rejeitar as coisas que não estão alinhadas com a nossa intenção, congruência energética, missão da alma e propósito de vida.

Aquilo a que resistimos representa uma transformação para a qual não estamos preparados. Honre a resistência permitindo que seus medos ocultos venham à tona. Todos nós temos dois tipos de medos – os que conhecemos e os muito mais profundos que não sabemos que existem, mas são eles que comandam o espetáculo.

É apenas dando a esses medos mais profundos uma chance de surgirem que descobrimos o que realmente está nos retendo. E a única maneira deles crescerem é nos estendermos além de nossa zona de conforto, para darmos um salto maior para um novo potencial do que pensamos estar prontos.

As consequências emocionais e energéticas são seus medos mais profundos subindo à superfície para lembrá-lo das terríveis consequências potenciais de suas ações. Isso é o que você precisa saber para alcançar a verdadeira liberdade e a libertação da escravidão do passado para os novos horizontes de alegria.

Ilumine estes medos para que você possa dar uma boa olhada neles. Não podemos transformar o que não podemos ver e não podemos mudar o que não entendemos.

Compartilhe com Ética mantendo todos os créditos
Formatação – DE CORAÇÃO A CORAÇÃO
http://www.decoracaoacoracao.blog.br/
http://stelalecocq.blogspot.com
https://lecocq.wordpress.com

Exibições: 56

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

© 2021   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!