Por Jennifer Hoffman

16 de Julho de 2021

Há um fluxo de energia e de resultados que acontece quando estabelecemos o caminho da clareza para obter o conhecimento e a compreensão. Queremos o conhecimento porque é o que nos ajudará a chegar à próxima etapa e a nos desprendermos. Queremos compreensão porque queremos saber por que as coisas acontecem da maneira que acontecem.

Francamente, acredito que é nossa busca por conhecimento e compreensão que é a razão pela qual ficamos presos em primeiro lugar. Nosso desejo de saber por que, sem estarmos dispostos a seguir o caminho da clareza – da verdade – das consequências, sempre será uma porta giratória de cura, com frustração, desapontamento e limitações ou bloqueios que impedem o nosso progresso.

Acho que pedimos clareza sem entender exatamente o que isto implica e o que acontece quando obtemos clareza. Como já escrevi e disse antes, a clareza apenas torna as coisas claras. Não resolve nada. Queremos clareza porque queremos a verdade, queremos saber o que está acontecendo.

Mas isto é verdade? Não, realmente não queremos saber a verdade, queremos saber por que algo está acontecendo conosco, quais são as motivações dos outros, o que há de errado conosco e por que estamos sendo traídos, rejeitados, abandonados ou desrespeitados de alguma forma.

Queremos saber por que os outros parecem conseguir o que querem e nós não.

Queremos saber por que nossa mãe não nos amava (ouço muito isso de clientes) ou amava mais nossa irmã ou irmão.

Queremos saber por que nosso parceiro nos deixou, partiu o nosso coração, traiu-nos ou se aproveitou de nós.

Queremos saber por que nossos entes queridos preferem viver sozinhos em suas trevas, do que estar conosco em nossa luz.

Queremos saber por que nossos sacrifícios não produzem resultados, exceto mais dor e sofrimento.

Queremos saber por que a Fonte permite nosso sofrimento enquanto acreditamos que nos foi prometida uma vida feliz.

Queremos saber por que não estamos felizes enquanto tentamos fazer tudo da maneira certa.

Queremos saber o “por quê” de tudo, porque assim entenderemos nossos desafios e descobriremos como resolvê-los. Isto irá nos desvencilhar e poderemos seguir em frente. E pensamos (e às vezes nos dizem) que clareza é a resposta. Mas isto não é bem a verdade.

Como eu disse, a clareza torna as coisas claras e remove os véus da verdade. Agora vemos o que está à nossa frente e isto nos inspirará a agir. Certo? Não exatamente. Agora ficamos presos, embora tenhamos clareza e saibamos a verdade.

A razão pela qual ficamos presos e continuamos neste caminho é o nosso medo das consequências. Sim, queremos ter clareza e saber a verdade, mas sabemos que dar este passo pode resultar em uma transformação para a qual não pensamos estar preparados.

Clareza e verdade podem mudar as coisas e algumas destas mudanças irão significar uma grande transformação de vida que pode encerrar situações que ainda não estamos prontos para terminar.

Talvez tenhamos muito tempo e energia investidos nelas e estejamos esperando por uma recompensa.

Talvez não queiramos ficar sozinhos ou sentir que falhamos, então vamos dar à pessoa ou situação mais algumas chances de se sair bem da maneira que esperávamos.

Talvez não estejamos prontos para enfrentar o julgamento e as críticas que esperamos dos outros, se formos muito felizes ou muito bem-sucedidos.

Talvez não estejamos prontos para lidar com a culpa por não atender às expectativas ou necessidades dos outros.

Talvez tenhamos medo de ficar envergonhados por nossas ações ou por abandonar aqueles que “precisam” de nós.

Assim, definimos nossa intenção de clareza e, então, vemos a verdade. Mais sucintamente, vemos as coisas como realmente são, sem as ilusões e expectativas, sem os enfeites, a esperança e o pensamento positivo. E… ou paramos, ou seguimos em frente.

Uma de nossas lições mais difíceis é a aceitação – aceitar as pessoas como elas escolhem ser, sem dar desculpas ou vê-las sob uma luz muito mais elevada do que são capazes de manter. Sabemos que elas podem fazer melhor, então vamos apenas manter isso como uma intenção e esperar que elas a cumpram. Sabemos que “elas não queriam dizer isso”, então iremos ignorar e mostrar como somos amorosos, gentis, compassivos e tolerantes.

Mas nós somos os perdedores aqui porque não devemos trabalhar tanto para mudar as pessoas ou para mudar o mundo – veja a definição de aceitação acima.

Em vez disso, precisamos buscar clareza em nosso próprio caminho de cura. Por que estamos sendo tão rigorosos conosco enquanto damos passe livre a todos os outros? Por que nos permitimos sofrer em nome do nosso ‘trabalho da luz’ e apoiamos os sonhos dos outros e não os nossos?

Por que enfrentamos os mesmos desafios em todas as épocas da vida e esperamos que “desta vez” seja diferente?

Temos que olhar para o caminho da cura da clareza – da verdade – as consequências.

Clareza é o que buscamos quando queremos ver além da ilusão, mas, muitas vezes, usamos a clareza para olhar para a ilusão de outra pessoa – a ilusão de por que ela não nos ama, não nos honra e não nos respeita.

Primeiro, temos que estar dispostos a ver além de nossa própria ilusão. O que não estamos dispostos a olhar ou ver em sua verdadeira luz, despojados de nossas expectativas, esperanças e a luz que adicionamos para preencher as lacunas de energia?

A verdade é o subproduto da clareza. O que é revelado com clareza é a verdade – talvez não seja a verdade que queremos ver ou ouvir, mas isso não significa que não seja verdade.

Por exemplo, quando uma cliente me pergunta se seu parceiro é fiel ou se alguém está se aproveitando dele, respondo com sinceridade e, se a resposta for sim, sempre há uma pausa enquanto sua mente entra em dissonância cognitiva. Ela não consegue entender o fato de que alguém que acredita estar comprometido com ela possa ser o seu traidor.

Demora um pouco para integrar a verdade, especialmente em situações onde a verdade é um desintegrador de sua realidade. Eles pediram a verdade que não podiam ver por si próprios ou talvez quisessem a confirmação de uma verdade que sabiam ser verdade, mas era muito doloroso para eles reconhecerem.

Junto com a verdade vêm as consequências. Você me ouviu dizer que não temos medo do “medo”, o medo não é uma coisa. Tememos as consequências.

Por exemplo, não dirijo sem o cinto de segurança porque não quero me machucar em um acidente. Ou não dirijo uma longa distância sem ter certeza de que tenho bastante gasolina no meu carro. Normalmente temos uma ideia das consequências da verdade depois de uma experiência. Então, essas consequências ficam permanentemente gravadas em nossa memória para uso futuro.

Nossa busca por clareza e verdade abre a porta, mas não entramos totalmente nesse portal de clareza / verdade por causa das consequências. Às vezes, nosso medo das consequências nos impede de pedir clareza ou reconhecer a verdade de uma situação. Queremos saber e nossa curiosidade está presente, mas também queremos evitar as consequências, especialmente as dolorosas.

Se um cliente perguntar sobre o status de um relacionamento e a resposta não for o que ele quer ouvir, ele me ligará novamente e fará a mesma pergunta. E ele obtém a mesma resposta. E então a próxima pergunta é ‘por que’ – por que ele não me ama, por que não pode se comprometer, por que não pode ser fiel, por que não pode atender às minhas necessidades?

A resposta ao “por quê” é que não se refere a ele, trata-se de outra pessoa. E de uma coisa eu sei com certeza – todos nos dão o que têm a dar e nada mais. Então, embora você possa pensar que está prejudicando alguém, na verdade você está obtendo o que ele tem de melhor.

O caminho da clareza – verdade – consequências, requer coragem, porque para usar a clareza que obtemos para reconhecer a verdade e para nos desvencilharmos e sermos capazes de seguir em frente, devemos estar dispostos a lidar com as consequências.

Para ser honesta, toda a busca pela alegria depende de nossa capacidade de aceitar as consequências da clareza e da verdade. E, muitas vezes, pedimos clareza e verdade quando queremos apenas uma explicação, um pedido de desculpas ou algum tipo de reconhecimento de nosso valor, geralmente de alguém que já está fazendo o seu melhor, mas não está atendendo às nossas necessidades.

Podemos usar o dom da clareza e da verdade para enfrentar as consequências que tão desesperadamente tentamos evitar e ver que esta é a nossa jornada?

Acredito que abordamos novos potenciais com um desejo real de transformação, mas ficamos presos no portal das consequências. Se pudermos superar nosso medo das consequências, do que acontecerá ou poderá acontecer por causa de nossas novas escolhas, e decidirmos que vamos aceitar as escolhas dos outros e então fazer o que é certo e melhor para nós, dominamos nossa própria integridade e alinhamento e podemos ascender em nossa espiral de ascensão, livres da culpa e vergonha que geralmente acompanha nossas escolhas, livres do medo de que algo que não podemos controlar, acontecerá, e livres da crença de que não teremos sucesso porque os outros não concordam conosco e sem necessidade de equilibrar o cumprimento de nossas intenções com a aprovação, reconhecimento e acordo de qualquer outra pessoa.

Reúna a sua coragem e siga o caminho da clareza – da verdade – das consequências, e quando você usar a clareza para ver a verdade, use-a para conhecer o que está à sua frente, escolha o que pode acompanhá-lo na próxima parte de sua jornada e deixe o resto para trás, então, entre no portal das consequências com a certeza de que você fez as escolhas certas para sua transformação, na congruência de energia da harmonia divina. 

E nada mais importa.

Compartilhe com Ética mantendo todos os créditos
Formatação – DE CORAÇÃO A CORAÇÃO
http://www.decoracaoacoracao.blog.br/
http://stelalecocq.blogspot.com
https://lecocq.wordpress.com

Exibições: 123

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

© 2021   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!