Lembra-te da caridade da palavra, a fim de que possas praticar o Amor que o MESTRE exemplificou.

 As guerrilhas da língua, há séculos, exterminam mais vidas na Terra, que todos os conflitos internacionais.

 É pelos sinais escuros da língua que levantamos os monstros da calúnia e as feras da discórdia nas furnas de treva a que se acolhem...

 É por ela que multiplicamos os lagartos da inveja e os vermes da maledicência...

Através dela, espalhamos os tóxicos letais da indisciplina e da desordem e é ainda, por intermédio da espada verbalística, que provocamos as grandes hecatombes do sentimento invariavelmente expressas nos crimes passionais que envenenam o noticiário comum. 

Aprendamos a praticar a sublime caridade oculta que somente a língua pode realizar.

 A pergunta inoportuna contida a tempo, a observação ingrata que emudece a propósito, a frase amiga com que podemos soerguer os irmãos transviados, a desistência da queixa, a renúncia às discussões estéreis e o abandono de apontamentos irrefletidos, são expressões dessa bondade que a BOCA pode estender sem que os outros percebam.

Sobretudo, não olvides os tesouros encerrados no silêncio e procura com devoção incorporá-los ao teu modo de ser, a fim de que o teu verbo não se faça sentir fora do tempo.

Quando nosso coração acorda para os ideais superiores do evangelho , a nossa inteligência adquire preciosos serviços de auto - fiscalização.

Conduzamos nossa língua a esse trabalho renovador da personalidade e passaremos a  viver em novo campo de simpatia irradiando o bem e recebendo-o, enriquecendo aos outros e engrandecendo a nós mesmos, em nossa abençoada ascensão para a luz.

 

EMMANUEL

Psicografia: Francisco Cândido Xavier

Exibições: 40

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!