Nenhum texto alternativo automático disponível.

Na Terra que se desdobra, um homem caminha por uma estrada.

Tomando-se hoje em relação à ontem, a única diferença é que ele se sente um pouco mais leve.

Todavia, não tão leve a ponto de planar na atmosfera algo rarefeita.

Com ele, os mesmos pensamentos e as mesmas emoções.

Além do que sabia instantes atrás, ele pouco consegue saber a respeito de si, e continua a precisar de um nome para se identificar.

A sua condição racial, econômica, sexual e religiosa, não o privilegia em absolutamente nada.

O que o salvaguarda é a consciência tranquila.

Experimenta, porém, certa dificuldade, para, seja na Terra ou no Mais Além, conceber outra vida diversa daquela que sempre teve.

Não lhe parece que entre uma vida e outra, possa haver diferença marcante.

Terra firme sob os pés, céu aberto sobre a cabeça, a Natureza em torno...

Noite e dia, Sol e estrelas!

Olhando para si, tudo lhe parece normal – estará vivenciando um sonho, ou será a realidade?!

Ainda não consegue falar sem articular as palavras...

Tem fome e sede.

O esforço que despende na caminhada lhe ocasiona relativo cansaço.

Onde estarão os seus amigos?...

Ah, sim, ei-los que, aos poucos, vão chegando para saudá-lo.

Porém, a muitos desses amigos ele não tinha oportunidade de ver a longo tempo...

Tem a impressão de que muitas faces se sobrepõem, ou, então, que alguns rejuvenesceram, e que outros envelheceram!

Para ele, o Futuro parece ter chegado, e o Presente ficou no Passado.

Sensações estranhas lhe dão a certeza de que ali, naquela Terra, precisa reaprender quase tudo.

O berço lhe será um túmulo, ou o túmulo lhe será um berço?!

Para ele, é muito difícil dizer exatamente.

Saudade! Mas, em qualquer parte do Universo, a saudade é um sentimento comum a todos os seres, que, em nome do amor, sempre pulsa com a mesma intensidade, em todos os corações.

Sem ponto de referência, ninguém sabe de que lado da margem do rio ele possa estar. Você saberia?!

Além de fome e sede, com o tempo, experimenta desejos, tão humanos e tão divinos quanto os dos homens e os dos anjos.

De repente, integra-se tão completamente ao novo ambiente em que se encontra, que a vida, que, de início, lhe parecia ter sofrido uma interrupção, prossegue com naturalidade.

Olha para cima e vê o Infinito...

Quanto ainda a este homem, que é o espírito desencarnado, ainda compete caminhar, na Terra que se desdobra, para, enfim, transcender a si mesmo?!...

Medium: CARLOS A.BACCELLI
Espírito: INÁCIO FERREIRA

Exibições: 39

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

© 2021   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!