Reflexão sobre a lógica na relação "Reencarnação / Evolução" nos dias atuais ! Tema para Debate

Caros amigos, sabemos, através dos estudos espíritas, mormente pelo Livro dos Espíritos, que o espírito precisa atravessar e vivenciar uma grande quantidade de reencarnações para que se processe, em seu íntimo, toda a evolução necessária para que ele atinja o nível máximo de depuração e iluminação, tornando-se assim, um “espírito de bem-aventurança”.

169. O número das encarnações é o mesmo para todos os Espíritos?
“Não; o que caminha rápido, poupa-se das provas. Todavia, essas encarnações sucessivas são sempre muito numerosas, pois o progresso é quase infinito.”
O Livro dos Espíritos.

...é necessário um tempo imenso, do nosso ponto de vista, para passar da infância espiritual a um desenvolvimento completo, e de que seu progresso se realiza, não numa única esfera, mas passando por mundos diversos. A vida do Espírito se compõe, portanto, de uma série de existências corporais e cada uma delas representa para ele uma oportunidade de progresso.”
Allan Kardec



Encontramos ainda, na mesma fonte, que há a tendência de o espírito se reencarnar no mesmo mundo muitas vezes antes de migrar para um outro mais evoluído e continuar por lá sua caminhada.

Citar
173. A alma, a cada nova existência corporal, passa de um mundo a outro, ou
pode efetuar várias delas no mesmo globo?
“Ela pode tornar a viver várias vezes no mesmo globo, se não se adiantou bastante para passar para um mundo superior.”
a) Assim, podemos reaparecer várias vezes na Terra?
“Certamente.”



Sabemos também que o ato do “evoluir” aqui na Doutrina Espírita significa melhoramento íntimo, significa depurar-se pouco a pouco de suas imperfeições, com consequente aprimoramento moral. Significa, em última instância, uma ampliação da consciência da realidade que o envolve. 
Segundo o Livro dos Espíritos, esse evoluir acontece na medida em que vivenciamos as dificuldades e os desafios com os quais nos deparamos no dia a dia das existências terrestres, no constante processo do acertar e errar, do cair e levantar, numa cadeia de eventos sucessivos. Experimentando o existir na carne, o espírito vai sofrendo as influências desta de todas as formas possíveis e imaginárias, e assim aprimorando e despertando cada vez mais suas potencialidades. 

Até aí ok, mas precisamos considerar o seguinte: numa encarnação o ser humano atravessa um longo período de infância até tornar-se adulto. Sabemos que a infância é uma fase em que o indivíduo não possui seu corpo e intelecto totalmente desenvolvido, a ponto de manifestar todas as características de sua personalidade de forma plena, e que, por isso, não pode responder por si nem pelos seus atos, necessitando sempre da tutela de um adulto. Sabemos que o período da infância vai até a adolescência, algo em torno dos 13 ou 14 anos. Isso falando de uma média global, porque são faixas que variam muito de cultura para cultura. Essa fase da adolescência pode se estender até a idade dos 18, chegando até aos 24 dependendo do caso, para que a pessoa seja então considerada um adulto. 

O Livro dos Espíritos não faz diferenciação do processo evolutivo nas diferentes fases da vida do ser humano, apesar da grande variação da capacidade de manifestação do espírito, considerando todas as características limitantes de cada fase que precede a fase adulta. 

Mas tudo bem, nada impede de fazermos nossas próprias suposições. Podemos considerar que durante toda a infância o espírito apenas passe por momentos de sofrimento físicos e psíquicos, seja por doenças, acidentes, maus tratos, etc, mas que seu espírito não é colocado frente a provas de conotação moral, pois que este ainda não pode se manifestar por completo devido às limitações do corpo infantil. Avançando à fase seguinte, a adolescência, podemos supor que, junto com o sofrimento de ordem corporal, comecem a aparecer, gradualmente, situações que exijam respostas de sua consciência íntima, sendo ele cobrado por isso, frente às diversas situações da vida, pois que nessa fase o espírito já está mais apto a manifestar-se através do corpo. Mas ainda não totalmente.

Diante disso e avançando agora na reflexão, podemos supor que o verdadeiro melhoramento íntimo (depuração das imperfeições, evolução moral) só vai mesmo acontecer da metade da adolescência para frente na caminhada cronológica de uma única encarnação, guardando é claro a grande variabilidade de cada caso.

Agora vamos considerar a seguinte questão: qual foi o tempo de duração de cada uma de nossas vidas passadas até as encarnações atuais aqui na terra? Para isso, precisamos levar em conta a expectativa de vida do ser humano ao longo das eras em que este andou por aqui até os dias atuais.

Eu tenho aqui alguns dados:

Variação da expectativa de vida ao longo do tempo.

As informações a seguir são derivadas da ''Encyclopaedia Britannica, 1961, e representa as estimativas da expectativa de vida da população como um todo. Em muitos casos varia consideravelmente de acordo com classe e gênero. Ela leva em conta a mortalidade infantil, mas não a mortalidade pré-natal (aborto espontâneo ou induzido).


Seres humanos por Época                        Esperança média de vida ao nascer 

Período Paleolítico Superior                                       33
Período Neolítico                                                          20
Idade do Bronze e da Idade do Ferro                        35 +
Grécia clássica                                                             28
Pré-colombianas da América do Norte                     25-30
Califado Islâmico Medieval                                         35 +
Grã-Bretanha Medieval                                                30
Cedo a Grã-Bretanha moderna                                  30-45
Média mundial atual                                                     67,2


Ainda de acordo com http://guiadoestudante.abril.com.br/, em 1900, as pessoas da Europa desenvolvida morriam com 45 anos. Atenção pra esse dado: “pessoas da Europa desenvolvida” ! Ou seja, pessoas providas com as melhores condições de higiene, com acesso à melhor medicina e ciência geral que a época podia oferecer. Dá pra imaginar como seria pelo resto do mundo a fora. Segundo dados mais recentes da ONU (Organização das Nações Unidas), uma pessoa que nasceu em 1950 tinha, em média, 46,5 anos de vida pela frente.

Percebemos com esses números que apenas de um século pra cá (um nada em se considerando toda a existência humana na terra) a expectativa de vida de um encarnado na terra simplesmente dobrou.



Diante desses dados e reflexões, eu cheguei a algumas conclusões que eu achei interessante compartilhar com vocês. Senão vejamos:

  • Apesar de termos tido tantas encarnações no passado, o que nós aproveitamos de cada uma foi realmente muito pouco. Por isso quando paramos pra olhar pra dentro de nós mesmos, tomamos um choque de realidade e percebemos o quanto já encarnamos e o quanto temos ainda a evoluir;

  • Se, por exemplo, pegarmos aquele dado da ONU, um europeu desenvolvido no ano de 1900, que conseguisse viver por toda a sua vida, que morresse de velhice aos 47 anos, só havia tido mesmo por volta de 25, 30 anos para aproveitar sua encarnação, no sentido do melhoramento íntimo propriamente falando. Isso falando em 1900, imagina antes disso;

  • Temos que considerar também aquelas em que morremos ainda quando bebês, que não devem ter sido poucas pois a mortalidade infantil até o início do século passado sempre foi em torno dos 50%;

  • Eu estou com 45 anos de idade, então, esta minha presente encarnação (assim como a da imensa maioria das pessoas agora encarnadas) pode estar sendo a primeira em que eu consigo avançar para além dos 30, 35 anos de vida.   

  • Estamos vivendo uma época inédita, nunca ao longo de toda a história humana na terra o espírito humano aproveitou tanto a experiência de uma única existência na carne. Isso, por si só, pode ser um forte fator que vai favorecer a que a humanidade dê passos cada vez mais largos no sentido da evolução, com menos tempo. Cada espírito aproveitando mais cada tempo de encarnação colaborará não apenas para si próprio, mas para o todo;

  • Enfim, acredito que pode ser um sinal de que o período de regeneração da Terra citado pelo Livro dos Espíritos esteja realmente se aproximando e muito perto, ou no mínimo uma preparação para esse período

Tema livre para debate.

Tags: Reencarnação, de, evolução, expectativa, vida

Exibições: 555

Responder esta

Respostas a este tópico

Boa noite, Sr. Carlos Roberto... Muito obrigado...

Parabens pela escolha do tema, muito oportuno. Vamos estudar, pois o estudo faz parte da evolução tambem.

COMENTÁRIOS

I - Reencarnação e Evolução Nos Dias Atuais

  1. Convenhamos que este assunto não deve ser abordado somente pela ótica espírita, necessitando de mais fontes para sua explanação.
  2. Não é somente o maior tempo de vida na Terra que corrobora para a possibilidade de melhor aproveitamento espiritual, não devendo se deduzir daí que, por viver menos, um Espírito não experimente progresso. Há carmas que se podem extinguir em dias, horas ou mesmo minutos.E há também a possibilidade de evolução em planos supra físicos da Terra.
  3. Então, por menor que seja a permanência de um Espírito no corpo físico, há que se considerar a alquimia espiritual processada no plano energético através da lei do carma, transmutando pela dor e privações de diversas ordens os resultados das ações díspares da vontade divina realizadas pelo homem.
  4. Diremos que, desde a gestação uterina, a Individualidade sofre embates que o seu acervo psíquico identifica como elementos ligados ao processo alquímico de transformação espiritual.
  5. Quando a expectativa de vida humana era baixa no mundo, é razoável admitir-se que, para haver coerência, o nível de exigência cármica estava de acordo com o fator acima, embora não sendo possível fazer programações reencarnatórias mais complexas, contexto em que se reconhece que as classes melhor equipadas economicamente para uma existência mais longa eram as que podiam dispor deste benefício espiritual. O restante da humanidade estava submetido aos efeitos das causas mais imediatas da lei de retorno que governa o mundo.  
  6. Hoje é evidente que, com maior expectativa de vida proporcionada pela melhoria das condições sociais, a humanidade encontra, indubitavelmente, como nunca antes, grande oportunidade para efetuar seu progresso moral, aproveitando melhor o tempo. Acrescente-se: sem os problemas que a longevidade fatalmente traria nos séculos anteriores.
  7. Parece que nos fastos da História, ainda que, seguindo uma linha sentimental, possamos contradizê-lo, os flagelos como guerras, destruições e epidemias letais fizeram e ainda fazem parte do processo de equalização de forças que atuantes na organização social humana. Ou como poder-se-ia alimentar uma grande população sem os benefícios da moderna tecnologia?...
  8. Fora de dúvida que, para os tendentes ao Bem, uma encarnação mais longa pode ser útil, mas, para os mais atrasados moralmente, pode representar um fator de endividamento cármico ainda maior pela delonga no erro e o robustecimento dos defeitos. Desta forma, apesar das aparências algumas vezes contraditórias, tudo em essência parece guardar um equilíbrio providencial.

II - Progresso Fora do Sistema Solar

  1. Embora o Espiritismo afirme que o progresso do Espírito realiza-se em várias esferas e não somente no globo físico, não esclarece de que esferas se tratam, nem suas condições e natureza. A tendência tem sido interpretar esses globos como situados fora do sistema solar, mas, para um estudioso, a questão não se apresenta tão simples assim, necessitando de mais dados.

10. Talvez por não ser aquela época própria, Kardec não tenha entrado aprofundado o assunto, fixando-se no essencial da codificação, ficando para os pósteros a tarefa de pesquisar.

  1. 11.  A Teosofia informa que o nosso esquema planetário é formado por três planetas físicos e quatro fluídicos, dos quais dois de matéria astral e dois de matéria mental, um de cada espécie situados, respectivamente, nos arcos descendente e ascendente do esquema, os quais são percorridos em ciclos de milhões de anos pela humanidade.
  2. 12.  De certa forma não é correto referir-se à humanidade como habitando exclusivamente o plano físico e os Espíritos o 'mundo espiritual'. Observando-se o que foi dito, o mais razoável seria admitir-se que a humanidade dissemina-se por graus de evolução em vários planos de existência e que Espíritos (denominação adotada por Kardec) são as expressões da Mônada nesses planos, no Físico chamadas de homens.
  3. 13.   O grosso da massa humana habita o plano Astral, o que se segue imediatamente ao Físico. No Mental Inferior, encontra-se já um certo número de entidades, cuja evolução destaca-se pelo aprimoramento da inteligência analítica em consonância com os valores morais.

14. O Físico, o Astral e o Mental Inferior são os três planos de experiência do eu inferior. O Mental está recebendo grande impulso com a atenção que vem sendo dada atualmente, em todo o mundo, aos assuntos metafísicos e espirituais.

  1. 15.  Um número muitíssimo menor de entidades, estimado em cerca de 4,5 centésimos da população mundial, povoa o plano Causal, origem e fim do ciclo evolutivo humano. Um número acentuadamente inferior a este habita os chamados 'planos superiores'.   

III - Reencarnação

  1. 16.  A reencarnação é uma lei natural. Sem ela não pode haver expansão de consciência dentro do ciclo humano. Das leituras espíritas depreende-se ser possível conservar o perispírito (corpo astral) até a próxima encarnação, embora a lei geral possibilite ao Espírito percorrer o caminho de volta até o Plano Causal.  
  2. 17.  Neste plano, porém, em razão de sua elevada frequência, somente os Espíritos com bastante evolução dispõem de consciência. Os de pouca evolução, não dispondo dessa condição, permanecem praticamente em estado de dormência mental.
  3. 18.  Além disso, o retorno à matéria física para continuar a evolução a partir deste ponto é mais lento, motivo pelo qual a maioria dos Espíritos no plano Astral ou Mental preferem voltar a partir dos planos em que se encontram,  a fim de não perder tempo.
  4. 19.  Longe do que às se propala, nem todos os Espíritos ao reencarnar gozam do poder de programar suas reencarnações. Um expressivo número reencarna-se de acordo com o plano geral da evolução, não raro sendo surpreendidos no Astral inferior pela atração dos vórtices uterinos.

IV - Sinopse Evolutiva do Sistema Solar

Nosso Sistema Solar contém dez esquemas de evolução, com as seguintes características:

      a)  Júpiter, Saturno e Urano não possuem humanidades próprias, são planetas sintetizadores, isto é, formam com seus satélites sistemas para onde converge a nata do sistema solar.

      b)  Entre os que possuem humanidade própria, o esquema de Vênus é o mais adiantado, com sua humanidade habitando corpos etéricos. De lá vieram, num passado remoto, os chamados 'filhos dos deuses' citados pela Gênese bíblica, os quais casaram com as filhas dos homens. H. P. Blavatsky, fundadora da Sociedade Teosófica, refere-se a eles como 'filhos da névoa ígnea', pois possuíam corpos etéricos que se adensaram na Terra.

      c)  Presume-se que os Espíritos infernais sejam removidos ciclicamente para os globos mais afastados do sistema solar, isto é, os planetas transnetunianos. 

      d)  Três esquemas embrionários, totalmente fluídicos, estão vindo à manifestação, sobre os quais ainda pouco se sabe.

V - Migrações Planetárias

20. Sobre migração para mundos fora do sistema solar, o assunto não me parece definido. Talvez existam fontes fidedignas com mais pormenores fora do Espiritismo.

21. Dentro do sistema solar, porém, onde a energia da vontade do Logos Criador permeia cada átomo de cada plano constitutivo, é perfeitamente compreensível que exista a possibilidade de deslocamento, analogamente como mudar-se para outra região dentro do território do mesmo país.

22. Entretanto, evoluir em mundos fora do sistema solar, sob a influência inevitável da energia de outros Logos, precisa ser melhor estudado.

23. O Espiritismo está erigido como ciência, doutrina e filosofia, não carecendo de fé cega. Pela antropogênese, verifica-se não haver absoluta certeza de que Espíritos oriundos da Terra ou de outros pontos do sistema solar possam evoluir em outros esquemas fora do sistema.

22. Salvo melhor juízo.

 

Rio, 17.08.2014.

 

Muito interessantes suas colocações, Nizomar !

Obrigado pela colaboração.

Destaco essa parte:

"8.  Fora de dúvida que, para os tendentes ao Bem, uma encarnação mais longa pode ser útil, mas, para os mais atrasados moralmente, pode representar um fator de endividamento cármico ainda maior pela delonga no erro e o robustecimento dos defeitos. Desta forma, apesar das aparências algumas vezes contraditórias, tudo em essência parece guardar um equilíbrio providencial."

Não esqueçamos de que uma coisa é expectativa de vida, e a outra é a média da idade da população. A expectativa de vida é baseada em saneamento básico, i.d.h., vários fatores que não condizem com a realidade, servem como embasamento comparativo, caso contrário, ninguém na faixa hoje entre 40 e 50 anos teria conhecido seus próprios avós, pois os mesmos teriam, segundo os dados, vivido apenas até os 45, 50 anos, e isso na europa desenvolvida. Teriam vivido ainda menos aqui no 3º mundo, e muitos de nós conhecemos os nossos avós, e conhecemos na nossa infância e adolescência um número exorbitante de pessoas nascidas nos anos 1900, não é mesmo?

Estou apenas introduzindo mais alguma coisa para ajudar nas reflexões.

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!