Qual o verdadeiro sentido da Caridade para o Espiritismo?

De acordo com o LE, três itens representam aspectos diferentes da Caridade, e em conjunto sintetizam o ensinamento dos Espíritos Superiores sobre seu sentido:"benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas" (questão 886 de 'O Livro dos Espíritos'). Como entendemos cada um desses itens em nosso íntimo?

Tags: Caridade, espiritismo

Exibições: 565

Responder esta

Respostas a este tópico

Para mim, o perdão principia pela compreensão daquilo que motivou a ofensa do outro, e o entendimento do porquê a atitude do outro nos magoou. Se partirmos para o auto-conhecimento, entenderemos nossas próprias dificuldades, que entram em ressonância com o desequilíbrio do outro. Nos entendendo, damos um passo para nos libertarmos da mágoa, e aí começarmos o processo de perdão daquele que nos magoou.

To,o como exemplo Jesus (tudo bem que é um parãmetro muuuuito alto), mas nada o atingia, pois além de sercompletamente equilibrado e viver em harmonia interior, tb tinha profunda compreensão das deficiências alheias, e sabia que todos estavam num processo de aprendizado. (assim como não nos magoamos quando uma criancinha diz que vc é chata, ou feia. Ela só responde às suas insatisfações de acordo com o grau de maturidade que possui).

Mas agradeço muito sua "singela oponião" rsrsrs. É uma excelente oportunidade de auto-reflexão. Bjocas...

Partindo da premissa, postulada pelo Espiritismo, de que "FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO", concluímos que a CARIDADE é o meio que nos conduzirá até nossa emancipação espiritual, libertando-nos do apego material, do egoísmo latente, e nos aproximando da confraternização universal, onde o tema ético "um por todos, e todos por um" será praticado nos quatro cantos do planeta. Assim, a CARIDADE - no seu sentido mais amplo, significa doação de si para com os outros, não importando as diferenças que existam entre os seres; importando apenas o BEM que se possa fazer, seja material ou moral.

Acho importante desenvolver o sentido de cada uma das palavras envolvidas (as quais não fazem parte do nosso cotidiano):

Benevolência - (benevolentis) que quer bem.

Indulgência - (indulgens) disposto a perdoar, clemente. César Reis, em palestra. cita uma relação desta com o latim 'dulce', no sentido de adoçar-se, mas não achei na web esta relação.

Perdão - (Perdonare) onde 'Per' tem sentido de 'plenitude' e 'grau máximo' (per.feito) ou ainda 'através de' (per.furar), em junção com 'doar', fomando a doação plena, máxima e completa. Aparece assim como superlativo de doação (http://www.hottopos.com/notand1/antropologia_e_formas_quotidiana.htm).

Ou seja, Caridade é querer bem a todos, clemência e plena doação perante ofensas.

No meu ver (idéias minhas):

- No querer bem a todos está contida a caridade ativa, a ação social.

- Na clemência está a nossa melhor disposição perante nossa comunidade.

- Na plena doação está nossa melhor postura diante do nosso grupo íntimo e em questões pessoais e profundas. 

Mas são apenas ponderações para tentar desenvolver a idéia.

Excelente tema.

Beijos ....

Bem Inácio, você já matou a charada quando disse acima que as palavras não fazem parte do nosso cotidiano...  rsrsrsrs .....e não fazem mesmo .....rsrsrsrs! Por isso o recadinho dos Espíritos Amigos.

O cotidiano "pede" compreensão, a convivência "pede" compreensão e o doar-se é compreender a si mesmo e ao outro. Tarefa muiitttooo difícil ainda pra nós.

Lembra amigos....misericórdia no ver, ouvir e falar  ....benevolência, indulgência e perdão ...!

Bjokas

Numa das minhas palestras sobre caridade eu perguntei ao publico: se ao saírmos daqui da seara, ainda na calçada, um ladrão levar nossa bolsa com documentos, celular, cartões de banco, dinheiro, etc e sair correndo pela rua desesperadamente e um carro atropelá-lo, o que diríamos? E a plateia respondeu: bem feito!! Estamos terminando uma palestra sobre Amor ao Proximo. Assim ainda estamos muito longe da benevolencia, da indulgencia e do perdão. Mas chegaremos lá. Abraços a todos. Mario Souza

Saindo um pouco do foco espírita sobre o tema CARIDADE, poderíamos citar o Apóstolo Paulo, que definiu com perfeição o conceito:

"Ainda quando eu falasse todas as línguas dos homens e a língua dos próprios anjos, se eu não tiver CARIDADE, serei como o bronze que soa e um címbalo que retine; ainda quando tivesse o dom da profecia, que penetrasse todos os mistérios, e tivesse perfeita ciência de todas as coisas; ainda quando tivesse a fé possivel, até o ponto de transportar montanhas se não tiver CARIDADE, nada sou..."(São Paulo, 1ª epist.aos cor., cap.XIII)

 

BIP, BIP, BIP ... :"Benevolência para com todos, Indulgência para as imperfeições dos outros, Perdão das ofensas" (O Livro dos Espíritos, questão 886). Uma boa técnica para superar momentos difíceis de impaciência e sermos caridosos é repetir silenciosamente e inúmeras vezes: BIP, BIP,BIP,BIP, BIP (lembrando sempre, claro, do significado de cada letra)..

Oi Mário,

Nesse ponto do escândalo é que o César Reis, na palestra que eu vi dele, faz uma observação de profunda sabedoria.

A situação que vc descreveu do assalto cai na falta de indulgência. Ele definiu a indulgência como a necessidade de se adoçar, de tratarmos a vida com doçura.

Por que?  

Porque não iremos conseguir exercitar a indulgência na hora que alguém nos assalta se não tivermos nos 'adoçado' ao longo de todas as horas de nossa vida.

Na hora que alguém te esbarra com o carrinho do mercado (e isso dóóói ) e a gente abre um sorriso e diz: 'Tudo bem, não foi nada!". Na hora que a gente está no trânsito e alguém se enfia na nossa frente e depois pede passagem, a gente abre o sorriso e diz: "Pode ir, sem problemas". Na hora que a gente vai passar na porta e alguém se joga na frente da gente, a gente dá um passo atrás, abre o sorriso e diz "Por favor, vc primeiro!".

Depois de ANOS de esforço nessas pequenas doçuras, finalmente seremos assaltados na saída do centro, abriremos um sorriso, diremos 'Graças ao alto ninguém se feriu' e pediremos a Deus pelo ladrão, pois sabemos que estamos nos quitando com a lei (sem nenhum ferimento!!) enquanto ele, pobrezinho, iniciou um novo débito. Melhor ser vítima do que algoz, diz-nos o Chico.

Sem este exercicio de doçura na eternidade, não vejo como alcançar a caridade pela indulgência.

César Reis é palestrante espírita e, acho que permanece sendo, presidente do Lar Fabiano de Cristo.

Uma pessoa maravilhosa.

Adorei sua observação.

Um abração.

É verdade, amor... Essa frase do Chico me causa um profundo impacto..."melhor ser vítima do que algoz..."

Cala fundo em minha alma, talvez pelas "lembranças inconscientes" de todas as vezes que fui o algoz...mas tb nesse ponto tempo de ser caridosos conosco, e não esquecermos de usarmos da indulgência para entender que quando maltratamos alguém é por que ainda não éramos conscientes. Hoje, como bem disse, estamos no treinamento (ainda podemos tropeçar, mas já temos um ideal mais elevado, e tentamos nos pautar por ele).

Obrigado pelas colaborações, amigos!

Galera, essa questão da doçura...........pega pesado...........

Atualmente, nós temos uma sociedade "doente", de variadas formas.  Cito aqui o agravamento de casos como o Diabetes, as Doenças Hepáticas e algumas variáveis de Câncer, que se estabelecem em nosso corpo físico por uma grande condensação energética por causa do rancor, da raiva, da mágoa e pela falta de doçura com a vida.

Penso que os Espíritos Amigos nos deixaram essa DICA de comportamento e exercícios, por que sabiam do nosso "calcanhar de Aquiles". Precisamos exercitar MUIIITTTTOOO.....

Gostei da sugestão da palestra do César Reis....muito coerente.

Abração.

 

Pois é, Martinha, Ramatis fala bem sobre essa questão de "energias mal digeridas"  em vários de seus livros, nos advertindo que os sentimentos e emoções em desequilíbrio podem causar danos em nosso corpo físico, e tb em nosso corpo perispiritual...

"Os espíritos veteranos, no entanto, podem avaliar com facilidade e exatidão a

etiologia mórbida dos doentes, assim como identificar pelos resíduos ou marcas enfermiças,

no perispírito, até o distúrbio mental ou emotivo que lhes deu origem, tal como o ódio, a

raiva, a inveja, a cupidez ou o orgulho." (Mediunidade de Cura - Ramatis).

POr isso que o Vigiai e Orai, como prevenção e a Caridade (como medida curativa- pessoal e p/ o próximo), são a melhor terapêutica para nos libertarmos de nossos débitos pregressos, e evitar futuros.

Bjocas! 

É Clô ....Ramatis  também é o CARA ..........gosto dele de montão..... rsrsrs!

E esse livro é dez!

BJKS!

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!