POR QUE AS DOENÇAS ESTÃO ACABANDO COM TANTAS VIDAS?


POR QUE AS DOENÇAS ESTÃO ACABANDO COM TANTAS VIDAS?

Será que as doenças estão mesmo acabando com as vidas? Vamos refletir mais profundamente sobre isso, meus irmãos… e largar de uma vez por todas esse vício de ver tudo sobre o prisma do ser humano, da materialidade das coisas… Todos que tem um mínimo de estudo espiritual e religioso, sabem que a vida é eterna. Todas as tradições e religiões falam a mesma coisa. Esse é um dos poucos princípios comuns, que todas as religiões e tradições espirituais concordam.

Assim sendo, como pode uma doença acabar com a vida, se o espírito sobrevive a morte? Nós não somos espírito? Não somos almas imortais? Como pode uma doença orgânica afetar nossa existência espiritual? Não existe morte… a morte nada mais é do que a perda do corpo físico… A doença está onde? A doença não está no corpo? E nós por acaso somos o corpo? Não… nós não somos o corpo… se não somos o corpo, como pode o câncer ou qualquer outra doença nos afetar?

Vamos refletir sobre isso meus irmãos…Isso serve para qualquer doença letal e para qualquer situação de morte. As pessoas continuam insistindo nessa ideia de que a morte é algo ruim, negativo e que devemos evitar a morte a todo custo. Isso não tem sentido… a morte no plano material é um nascimento no plano espiritual… é um nascimento maravilhoso, que abre um novo universo para nossa existência imortal. A morte é como estar submerso, nosso ar estar acabando… e subimos a superfície e recuperamos a ar, sentindo um imenso alívio. Sim, a morte é um grande alívio, pois ela é totalmente libertadora (com exceção das pessoas que cometem suicídio)

Por isso, vamos passar a ver a vida sob o prisma do infinito… e abrir mão dessa visão limitada, que só nos faz sofrer.

Mas então quem tem uma doença não deve lutar pela sua vida?

Primeiro de tudo: o que significa lutar para viver? Fazer vários tratamentos médicos? Isso seria lutar pela vida? Mas vamos refletir… qual seria o sentido de lutar pela vida se a vida é eterna? Como podemos lutar por algo que nunca vai deixar de existir? Se o espírito é imortal, qual o sentido de lutar contra a morte?

Se o espírito é eterno e continua vivendo sempre, num eterno recomeço, porque manter o corpo físico seria lutar para viver? Sim, o que as pessoas chamam de lutar contra a morte nada mais é do que lutar pela preservação do corpo físico. E para que lutar pela preservação do corpo material? Para continuar aqui na Terra… e para que continuar aqui na Terra? Por que aqui na matéria é melhor do que o plano espiritual? Será mesmo que aqui é melhor? Que evidências temos disso? Muitos contatos espirituais nos asseguram de que a vida fora do matéria é muito mais feliz do que a vida no mundo, pois no plano espiritual estamos mais próximos de nossa essência e estamos ausentes da batalha da vida cotidiana, onde quase todos os conflitos estão relacionados justamente com a preservação do corpo físico. A maioria das coisas que fazemos é mergulhar em preocupações relacionadas a manutenção do corpo material.

Dentro dessa visão, certo seria então lutar para manter o corpo físico, mas será que nós podemos lutar para manter o corpo físico? Quando chega nossa hora, vamos embora de qualquer jeito, lutando ou não. Sim, é preciso valorizar a encarnação, pois ela é uma oportunidade de adiantamento do espírito, apenas isso. No entanto, essa ideia de “Lutar para viver” ainda conserva a noção de que a morte é algo ruim, ou de que não há nada após a morte. Por que a morte é algo ruim? Se nós não somos esse corpo e esse corpo é apenas uma vestimenta temporária, qual o sentido de perder nossa paz nessa luta pela continuidade no corpo? Nosso corpo material é vestimenta passageira, é apenas um envoltório, como uma roupa que usamos. Quando você tira sua camisa, por acaso você deixa de viver? Quem precisa se preocupar, sofrer, se desesperar, apenas porque uma camisa foi rasgada e não poderá mais ser usada? Por que tanto sofrimento pela roupa que vestimos se a roupa não somos nós?

Com isso não estamos dizendo, obviamente, que as pessoas não devem se tratar. O tratamento é uma decisão pessoal, acreditamos que as pessoas devem fazer os tratamentos médicos, quando elas quiserem fazer. Há pessoas que escolhem não realizar, por exemplo, uma quimioterapia quando estão com câncer e há aquelas que escolhem realizar. Respeitamos a ambos. Há aquelas também que não dispõem dos recursos financeiros para esse e outros tratamentos de outras enfermidades, pois alguns tratamentos são caros e nem sempre são cobertos pela saúde pública. Estamos apenas alertando a todos para o sofrimento que representa, não o tratamento em si, mas uma insistência nessa “luta pela vida”, que significa ficar se preocupando, se desesperando, angustiado, aterrorizado, num combate interior tentando evitar a morte, praticamente destruindo nosso emocional acreditando que devemos continuar encarnados a todo custo, numa verdadeira “guerra” pela vida onde nos desgastamos, sofremos e que, no final das contas, não depende de nós continuar no corpo material ou não. O que desejamos mostrar para as pessoas é que o sofrimento decorrente da “luta pela vida” é sem sentido. Ninguém precisa sofrer pela possibilidade da morte, pois a morte, simplesmente, não existe.

Por favor meus amigos… vamos acordar desse sono… Não podemos mais continuar insistindo nesses valores do velho mundo. É preciso acordar… pois um novo mundo está surgindo… uma nova consciência anseia por nascer. Essa nova consciência será um bálsamo de infinita paz em nossa vida. Não negligencie mais sua essência.

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Exibições: 12

Responder esta

Respostas a este tópico

Verificamos que sua fé é muito grande. E que, obviamente, os conhecimentos que você deve ter adquirido em suas inumeráveis existências lhe garantem a certeza da eternidade da vida, conferindo-lhe serenidade. Não é assim, porém, com todo mundo. A maioria dos nossos semelhantes encarnados ainda estão aferrados às sensações que a vida material lhes proporciona. Entendo que isto seja normal, embora os excessos sejam prejudiciais.

Muito judiciosos os seus comentários, mas, para que sejam entendidos do ponto de vista ocultista, como transparece em seu texto, necessitam de experiência iniciática. Que só vem com o tempo. A maioria das encarnações ainda estão sujeitas ao automatismo cármico, que leva o ser humano a encarnar sem outro propósito que não o forte desejo pelas sensações da matéria. Nesse contexto, o medo da morte lhes é inato e os leva a lutarem para permanecer o quanto possam nos círculos somáticos. Faz parte da evolução.

Algumas encarnações resultam de laboriosas programações desenvolvidas no plano Astral, as quais são assistidas por entidades de elevados conhecimentos. A grande maioria, entretanto, como dissemos, não se encaixa nesse contexto. O pavor dessa transição chamada 'morte' enfraquece e quase desaparece completamente nos seres de grande envergadura espiritual, como, também, nos estudantes ocultistas que se encaixam no perfil espiritual demonstrado por você..

Na realidade, no Universo, não existe morte, só há vida, reciclagem, mudança de forma, evolução. O que é essência permanece, é indestrutível. Morte, se podemos aplicar tal termo ao processo, é a atrofia de espírito, o endurecimento da mente e do coração, o distanciamento vibratório do plano de Deus, que podemos classificar com acerto como a 'morte pior', pois a morte do corpo físico, seguindo o curso natural das coisas, nada mais é que a transição da Consciência para uma outra dimensão do Universo.

Concluindo, até onde me foi dado compreender, considrando a grande importância de uma encarnação para a evolução espiritual, tenho dúvidas sobre a justificativa da prática da eutanasia e absoluta certeza do acerto da luta pela manutenção da vida no corpo físico.  

/ 0 \

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!