Perdi minha cachorrinha no sábado, depois de 16 anos juntas...tiveram que sacrifica la, e isso mecheu mto comigo, estive com ela os dois dias e uma noite em que ela adoeceu e nao sai de perto dela um minuto se quer...ela ja estava cega e surda, era uma poodle micro...acho que é normal essa tristeza gigante, esse vazio, queria ser evoluida espiritualmente pra entender a lei da vida, mas sou mto apegada, sem querer, mesmo sabendo que isso nao é nada bom... é difícil ver sofrer um ser tao indefeso e tao puro quanto nossos bichinhos de estimacao, tenho medo de me prejudicar espiritualmente com esse sofrimento todo e ela tbm, gostaria de saber mais sobre os cachorros...se alguém poder me indicar um texto...algo pra confortar, por favor...me ajudaria muito!

Exibições: 140

Responder esta

Respostas a este tópico

Perdi minha cachorrinha poodle também, mas foi mais tragico, um cachorro grande atacou ela, não teve jeito de salva-la faz um anos já, mas e difícil de esquecer mesmo, chorei que nem criança, nem quando minha irmã desencarnou eu chorei, estranho essa relação com os animais, dizem que eles ficam um bom tempo do nosso lado depois que desencarnam, quem sabe um dia encontraremos eles todos em algum lugar, nossos irmãos e nossos queridos bichos de estimação. abraços

É incrivel como a convivência com os animais nos humaniza, por mais paradoxo que seja...

Que sorte você ter vivido com sua amiguinha por 16 anos.  Para ela é como se tivesse vivido mais de cento e vinte anos!

Os animais nos ensinam muito. Principalmente sobre o desapego.  São grandes amigos, mas duram tão pouco!

Lembro-me que quando perdi minha cadela amigona, cada vez que eu pensava nela eu era invadido por uma sensação de amor enorme.  Depois passou.  Acho que ela reencarnou.  

Buda ensina que o mundo é feito por coisas transitórias e do apego às coisas transitórias vem o sofrimento.  Já sofremos até por antecipação, pois sabemos que vamos perder nosso objeto de apego.  Nossos irmãos caninos nos ensinam a amar sem se apegar.  

Somos todos almas imortais, que convivemos várias vezes juntos, ao longo de muitas pequenas existências finitas dentro da eternidade.

Acredito que nossos animais também compartilham seus destinos conosco, em diversas existências.  É uma questão de magnetismo.  E não há força maior do que o amor (amor, eu não disse apego).  Essa força deve trazê-los de volta para perto de nós, talvez mais de uma vez numa mesma encarnação de seu antigo dono.   

O contato dos animais com os seres humanos também ajuda na evolução deles.  Veja como eles se esforçam para nos entender e nos agradar...   

Para entender um pouco mais sobre o que você chamou de lei da vida, leia em A Gênese, de Allan Kardec, no capítulo III que fala sobre a evolução dos animais.

Força companheira!   O final da vida de todo o ser é estranho mesmo...  Uma vez ouvi que a vida é como um livro, em que o primeiro capítulo é muito difícil e o mocinho morre no capítulo final.   Então tudo o que importa fica entre o segundo e o penúltimo capítulo.  Lembre-se de sua amiguinha nestes capítulos, e veja como foi mutuamente bom para vocês duas terem convivido.   Não tenha vergonha de chorar por seus amigos animais, mas sem desespero.  Lembre-se dela com alegria de ter tido a sorte dela ter te acompanhado por tantos anos.  E não tenha medo de amar outro cãozinho da mesma maneira que amou sua cadelinha.  E quem sabe ainda não perceberá num futuro mascote um brilho familiar no olhar?

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!