É um direito da raça humana buscar os prazeres sadios que nos enriquecem, que nos confortam, e que não degradam o espírito, a mente e o corpo, de maneira que nosso esforço para obtê-los não seja maior do que o seu desfrute. Entretanto, muitas vezes nos perdemos nessa busca...Por quê? Quando a busca pelo prazer se transforma em algo negativo?

Exibições: 716

Responder esta

Respostas a este tópico

Me lembrei de uma palestra sobre "tentação" que vem ajudar a explicar essa questão. Foi dito (e concordo) que quase toda tentação acontece sobre algo que é um Direito legítimo do Ser Humano, porém a pessoa tentada escolhe a forma errada, a hora errada, a intensidade errada ou a pessoa errada para exercer esse direito, causando assim o que se chama "pecado"; atitudes em desacordo com as Leis Divinas. Por isso acho que os meios que se usa para buscar o prazer ou a finalidade deste, é o que pode definir se isso é positivo ou negativo.

Existem várias abordagens para esta questão, e vc, Alexandre, escolheu uma delas. De modo geral, concordo com vc. 

Todos nós temos o direito de procurar a alegria. Mas curtir a alegria não significa que é correto/saudável, ir a uma festa e encher a cara até cair bêbado; isto não é ser alegre, é ser inconsequente...

Pegando seu gancho, pensemos em alguns pecados clássicos. A gula, por exemplo. Não é normal comer e gostar de comer coisas gostosas??? O errado está na maneira como o fazemos. Se comer desbragadamente, irá trazer consequencias diversas que resultarão em males...Vc vai pagar por isso por ser pecado??? Não, hoje sabemos que arcamos com as consequências que advém de nossos atos...O errado não é fazer, mas o excesso, o desequilíbrio...

"A semeadura é facultativa, mas a colheita é obrigatória."...

Um abração, e obrigado!!

Oi Clô  :))

Penso eu que a busca pelo prazer deixa de ser sadia quando toma características de ''fissura'', tipicas de viciados. Mesmo que a questão que oferece prazer em si não faça mal e seja feita de forma segura, o jeito...a forma como aquela mente se relaciona com a necessidade e que dirá se é saudável ou não.

Até que ponto o individuo vai para ter o prazer desejado?

Ele passa por cima de tudo e todos, sem se importar com mais nada?

Mede consequências?

Entendo também que a busca pelo prazer é um direito mas não se encaixa em uma obrigação. Muitas pessoas entendem que devemos obrigatoriamente buscar o prazer incessantemente. Penso que isso é um costume enraizado de muitos e muitos tempos atras. 

Por vezes vemos pessoas com inúmeros motivos a sua volta para sentir, degustar, deglutir um prazer mas devido a busca por mais e mais, tornam-se ''viciados'' e muitas vezes saem atrás de alguma coisa que nem sabem direito o que é. E começam a topar qualquer ''parada'' em nome do prazer, quando muitas vezes os motivos estão perto de nós e são simples.

Acho que o prazer pode otimizar a vida se bem procurado e usado. Como pode levar ao desequilíbrio.

Bjs Querida!

Acho que o prazer é positivo quando gera equilíbrio, harmonia, bem-estar, paz interior. Torna-se negativo quando gera ansiedade, obsessão, frustração. 

Concordo com o Alexandre Hercos que o problema está na forma, na intensidade em que abusamos do prazer ferindo as Leis Divinas. Principalmente se na busca do mesmo ferimos a proposta do Mestre Jesus de fazermos ao nosso próximo aquilo que desejamos para nós mesmos.

Muito obrigado, meu lindo! Na verdade, essa busca desenfreada pelo prazer mascara uma profunda insatisfação com a própria vida, um sentido de inadequação, um grande sentimento de baixa estima...E aí, buscar viver de emoção em emoção é o que motiva a vida...Mas isso porque fugimos de olhar para dentro de nós...è mais dolorido, mais trabalhoso, mas é mais verdadeiro, e com o tempo, somos capazes de vir a entender o que realmente nos faz sentir felizes, e o que é ilusão...

Mas como despende tempo e coragem, apelamos para os prazeres imediatos...e nunca nos satisfaz...

Ser feliz, é cultivar coisas que nos tragam um retorno construtivo, que nos leve cada vez mais para frente...é curtir a alegria das pequenas coisas da vida, coma lama em paz...

E, para isso, a busca começa pelo trabalho de autoconhecimento...

Meu bem, grata por seu carinho. Bjocas mil nesse seu coraçãozinho!!

Raymundo, meu camarada!!

òtima essa colocação: "Acho que o prazer é positivo quando gera equilíbrio, harmonia, bem-estar, paz interior. Torna-se negativo quando gera ansiedade, obsessão, frustração. "

Como disse Paulo “Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém”. (I Cor. 6,12).

Penso em Buda, quando fala do caminho do meio. Se vc esticar muito uma corda de violão, ela acabará arrebentando; por outro lado, se a deixar muito frouxa, não conseguirá tirar som dela. Para que funcione  satisfatoriamente, deve ser ajustada na medida certa, nem mais nem menos...

E aí temos o prazer. Se buscarmos coisas que nos fazem bem, de maneira sadia, cultivando o sentimento bom em nossos corações, estaremos contribuindo para nosso bem estar e daqueles que estão à nossa volta...Se nos entregarmos a essa busca desmedidamente, em vez de cultivarmos o prazer, seremos escravos dele. ..

Devemos ter em mente que aquilo que nos aproveita, deve também ser bom para nosso próximo, sempre que possível...Quando se é verdadeiramnete feliz, o instinto natural é o de compartilhar esse sentimento, e não aprisioná-lo só para nós...

Um abração, amigo!!

Boa noite, bastante oportuna tua questão.

Quando eu era criança em Santa Maria interior do Rio Grande do SUL, prazer era brincar com meus primos na fazenda de meu avô, almoçar junto nos domingos, assistir aos capítulos de mais uma novela de Janete Clair, primeiro dia de aula, o uniforme novo, as histórias do Sitio do Pica Pau Amarelo....

Hoje todos os maiores prazeres estão transitórios, ganha-se tudo a toda hora, compra-se tudo com facilidade, natal virou comércio, nossas crianças já perderam a alegria dessas festas que esperavamos o ano inteiro para chegar, o consumismo acabou com os poucos e simples prazeres, hoje vivemos uma sofreguidão de novas compras, tudo rápido e fugaz.

Prazer propriamente dito, eleva os sentidos, traz um suspiro profundo de bem estar, se guarda na alma, como uma jóia de muito valor.

È a alegria de reencontrar um grande amigo, achar nos guardados a primeira revistinha que ganhamos da Monica, o primeiro LP  de vinil, o cheiro gostoso de nossa mãe, coisas não palpavéis, que inebriam os sentidos, mas que talvez não tenham significado para os outros, passear de mãos dadas, relembrar da primeira musica que escutou junto com seu amor, as unicas coisa que se leva para a outra vida, as suaves lembraças.

Se me pedissem para enumerar prazeres, seriam coisas desse tipo, do tipo que não se compra.

Sempre que tenho um dia muito agradavel em familia, ou mesmo sozinha lendo um bom texto e escutando uma musica, penso:

Esse é um bom dia para morrer.

E gostaria de sair dessa vida assim, num momento prazeroso, levando muitas boas lembranças desses pequenos prazeres da vida, para a outra vida.

Que na mais das verdades é tudo que temos, não entendo o prazer das drogas do alcolismo, das loucuras de hoje, nossos jovens tem tudo isso e estão deprimidos, sem rumo, hipnotizados pela midia,será prazer?

Talvez não saibam o real significado da palavra, minha geração foi privilegiada, todos com mais de 40 o foram, se brincava na rua, tomavamos banho de chuva,eramos criança na hora de ser crianças, e jovens na hora de ser jovens, e aceitamos a fase adulta,porque vivemos os prazeres da infancia.

Hoje infancia é videogame, notebook, msn aos 6 anos??? facebook...

Cade o mundo real ? só o virtual impera, não sou contra a tecnologia, mas contra a troca do mundo real pelo imaginário.

tento viver desses pequenos prazeres até hoje, um bom vinho ao fim de tarde, e senão tiver pode ser o velho Tang, tomado acompanhado de quem se ama, não tem preço.

E vamos levando de poucos mais preciosos momentos tão simples mas grandiosos e Carpe Dien, está frase representa os prazeres do singelo, e doce prazer de estar vivo.

E qual seria as sugestões dos amigos para que se consiga dominar os impulsos que desequilibram o prazer? Para uma pessoa com esse desequilíbrio, como agir?

Amada Clô, continuamos estudando......rsrsrsrsrsrsr!!!! Valeu!

Galera papo muito bacana, mas vou focar na pergunta de Alexandre Hercos....

Amigo, penso que para dominar os impulsos, primeiramente temos que encará-los. E estamos vivendo numa atual sociedade que justamente busca o contrário, que é o de "entorpecer" os impulsos e mascará-los. Esse entorpecimento se dá por diversas formas: remédios, bebidas,drogas, novelas, religião e etc...

Queremos uma sociedade perfeita, com homens perfeitos. E na perfeição "não há" lugar para impulsos e desequilíbrios. Então amigo, chegamos na máxima dualidade social: ou sentimos prazer ou seremos perfeitos.

Só que os dois caminhos estão tortos. Nesta linha de pensamento, o prazer é buscado fora de si mesmo e a perfeição também, tudo de fora pra dentro. 

No núcleo desta construção surgirá um ser humano perdido, inseguro e eternamente insatisfeito.

Deixo pra você, como sugestão,  uma dica do médium que trabalha com a Ermance Dufaux:


"Educação emocional é a habilidade de manter lucidez sobre o que sentimos. Isso só é possível quando se busca resposta para três perguntas: Como se chama o que estou sentindo? Para que estou sentindo essa emoção? O que farei a partir da mensagem que essa emoção quer me passar?"
Beijocas em todos!

belo enfoque. Concordo com você. Toda mudança deve ser de dentro para fora. 

Obrigada, Martoca!!! Continuamos na luta companheira...rsrs

Quando vi a sua pergunta, Alexandre, fiquei pensando como ela "batia" em mim...Vi a resposta (magistral) da Martinha, e concordo plenamente com ela. Mas vou te colocar o que me veio com sua pergunta. Prazer, a meu ver, é tudo que te traz satisfação (que pode ser saudável, ou doentia). Para começarmos a trabalhar em nós, os impulsos que distorcem o prazer, devemos nos propor a um sério trabalho de auto conhecimento, e durante esse processo, vamos descobrindo (como diz a Martinha), o que me leva a ter esses ou aqueles sentimentos "tortos"...Paralelamente, vamos fazendo um trabalho de (re)educação emocional e psicológica, e vamos começando o difícil processo de nos valorizar e amar, verdadeiramente...

Acredito que, fazendo assim, teremos segurança suficiente para fazermos as escolhas mais adequadas para o nosso bem estar...

Um abração!!

Mara, muito legal!! Realmente, são prazeres que nossos filhos não conhecem...Mas será que isso significa que eles tambem não podem descobrir coisas que lhes tragam bem estar??

Penso que se estou em paz comigo mesmo, se me sinto a vontade para experimentar sem medo dos fracassos, posso fazer e descobrir mil e uma coisas que me tragam prazer...E aí, até mesmo lendo um livro, como vc disse, estarei satisfeita...

Se não estiver em paz, se não estiver bem, fico buscando "fora de mim" coisas que me tragam a paz, na ãnsia de mudar aquilo que estou sentindo...E muitas vezes, nessas ocasiões, que nos deixamos arrastar pelos falsos prazeres, que não nos trazem verdadeira alegria, apenas uma satisfação ilusória e momentânea...

Um abração!!

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!