- Carta Psicografada do menino João Hélio (menino de 06 anos arrastado em um veículo por assaltantes em 07 de fevereiro de 2007, no Rio de Janeiro).

"Nasci na Gália no ano de 22 AC e desencarnei na Líbia no ano 20 da era Cristã.

Fui oficial da Legião dos Leões que estava na Líbia, Núbia.

Como governador de Al Katrim, me comprazia atrelar na minha biga, que era puxada por dois cavalos velozes, crianças, homens, mulheres, novos e velhos, eram arrastados através da estrada seca e pedregosa daquela região da África.

Os corpos se despedaçavam e eu era exaltado pelos meus pares...

Morri em combate com tropas egípcias e me deparei em uma região profunda, talvez uma caverna.

Muitos gritos aterradores me esperavam.

Fui levado a um estado de total animalidade por 1.500 anos quando servos de Maria me resgataram.

Sendo levado para outro plano, fui aos poucos tendo meu espírito reajustado, minha mente normalizada e meus pensamentos corrigidos.

E compreendi os horrores que cometi.

Que tristeza Deus!

Por 300 anos permaneci em preparo para reencarnação e pedi a graça de receber para desencarne o mesmo destino dado por mim a outros.

No ano de 2001 após busca incessante por quem me recebesse como filho, um casal tiranizado por mim aceitou.

Reencarnei.

Agora em comoção generalizada, como irmão Joãozinho, desencarnei... e agradeço ao Pai ter me atendido dando destino igual ao que dei às minhas vítimas.

Estou em paz, estou na luz.

Resgatei um pouco do meu passado, outros momentos virão.

Confio em Deus."

 

Titus Aelius (João Hélio).

***

Médium Henrique Leite

Publicado originalmente pelo irmão Carlos Magno

 

 

(a) Ronaldo Costa (O ARREBOL ESPÍRITA)

Exibições: 3211

Responder esta

Respostas a este tópico

boa   noite   amigo   tudo   tem    uma   causa    obrigada   por   partilhar     beijo   de   carinho    a   voçe

Como é fantástica a justiça de Deus , a lei da reencarnação e caminho que nos leva a depuração de nossos erros....

Quem somos nós para compreender a justiça divina? Não se esqueça que quem foi vítima numa ocasião, já fez suas vítimas noutra; não se esqueça que até Jesus (Espírito Perfeito) viveu, sofreu e morreu, pelo bem geral.

Mas ninguém melhor que os próprios pais para que lhe dê uma resposta mais substancial:

https://www.facebook.com/video.php?v=583468915130515&fref=nf



Iran Damasceno Pinheiro disse:

Independentemente de ser espírita ou não, vem a razão tocar minha dúvida: Antes de tudo estou com a Cláudia Leister quanto a questão das provas e ou expiações dos envolvidos que, para mim, também fica sem sentido, entretanto qual a comprovação de uma mensagem como essa, ser do Espírito "João Hélio"? Com todo o respeito, porém a dúvida fica, pois do contrário estaria diante da continuidade da fé cega. Abraços fraternais.

Supondo que a comunicação espiritual seja verdadeira (não por ter sido ditada por este ou aquele espírito e recebida por este ou aquele médium, mas, por conter uma narrativa lógica), nunca devemos menosprezar que a bondade, a justiça e a misericórdia de Deus tem por princípio o respeito ao livre arbítrio de seus filhos. A decisão do espírito endividado foi tomada (reencarnar nas condições difíceis que pediu), o casal que o recebeu como filho tomou como resolução auxiliar o algoz, (louvável e muito corajosa atitude de caridade). Para que tudo isso se concretize,  há um preço a pagar, como tudo na vida. Conforme Rochefoucaut:  " a suprema sabedoria é saber o preço de tudo", sem esquecer que os componentes: serviço, doação, altruísmo e amor estão todos presentes neste caso.

Cláudia Leister disse:

Agradeço o compartilhamento, mas não posso entender que bem uma morte dessas poderia ter feito a qualquer uma das pessoas envolvidas no caso. O casal que foi "tiranizado" pelo oficial, volta a sofrer de forma cruel com a morte de seu filho?Não seria muito mais útil, nobre, solidário e bom que o espírito escolhesse uma prova em que ajudasse de forma missionária àqueles que prejudicou noutra vida? Não se pode resgatar o mal com o bem? O que aconteceu se assemelha a um filme de terror, que foi produzido como graça de Deus a um espírito devedor? A ser esse o caminho para o reajuste espiritual, continuaremos a sofrer e vivenciar tragédias através dos séculos, ao invés de nos purificarmos por meio de serviço, doação, altruísmo e amor. 


  Prezada Cláudia: avaliar motivos e valores envolvidos na decisão de vida de um espírito,  de reencarnar pela primeira vez  após atrocidades que ele próprio assume que cometeu há 2000 anos,  é bem arriscado e temerário. Você saberia dizer como foi o sofrimento dele naqueles 1500 anos antes do seu resgate das regiões de trevas pela Legião dos Servos de Maria? E após o resgate, como foi sua vida espiritual nesses últimos 500 anos? Supondo que a narrativa dessa vivência (de 2000 anos) no plano espiritual preencha o conteúdo de 20 livros de 300 páginas cada um  ( um livro para cada cem anos - digamos), teríamos algo como 6.000 páginas de narrativa. Conhecendo tudo isso, talvez seja possível termos uma ideia mais aproximada do por que da sua decisão. Recomendaria a v. a leitura do livro "Céu e Inferno" de Kardec, para melhor  entendimento deste caso.
Cláudia Leister disse:

Sendo a comunicação espiritual verdadeira ou não (e note aqui que eu não sou uma descrente do espiristismo, ou sequer admitiria a segunda hipótese), concordo plenamente com o raciocínio tecido em relação ao fato de que os atributos de Deus citados respeitam o livre arbítrio. E é exatamente sobre a decisão do espírito diretamente envolvido, que teci meus comentários. Não estou julgando uma pessoa, mas uma ação, e o faço, naturalmente, com todas as dificuldades que tenho em relação à visão e compreensão, ainda que pequenas, do que seja a vida. Questiono - e faço uso do meu raciocínio, exatamente como é postulado pela doutrina - uma morte nas circunstâncias em que essa aconteceu, como de resto qualquer tragédia que tenha sido premeditada a fim de resgatar culpas, como o melhor caminho para fazê-lo. Acredito muito mais nas ações positivas que venham a compensar erros que cometemos no passado. E chamo de ações positivas (por falta de melhor palavra no momento) aquelas que se valham de situações de "serviço, doação, altruísmo e amor" em que não sejam necessárias tragédias e atos maldosos de terceiros para que um resgate de culpas se faça. Parece-me muito mais humano e divino (e aqui me refiro ao valor semântico, consagrado pelo uso, dessas palavras) a construção de novos caminhos de vida a partir de vivências que se relacionem muito mais a um mundo que estamos a construir e que desejamos - com solidariedade e justiça, inclusive terrena. 

lendo os comentários ficou uma duvida atroz que é a seguinte:

e qual seria a *missão* de quem dirigia o carro ? Se ele se conscientizou de suas barbaridades e optou por

ser arrastado ; ao mesmo tempo não passou seu erro para quem dirigia o carro ?

então , se todos estamos expiando problemas já vividos ; temos que não punir ninguem pois desconhecemos as causas das pessoas cometerem crimes.

Valeu Nizomar... O assunto é  mais complexo do que parece à primeira vista.... Os acontecimentos, em geral, são como pontas de um iceberg.  Enxergamos apenas a parte visível... O bloco grande e pesado está submerso,  invisível para quem olha a superfície, como nós,comuns mortais....

Boa noite a todos!

Sempre que me defronto com narrativas deste tipo, lembro que o estudo do carma é complexo, envolvendo o conhecimento de leis metafísicas. Toda ação comporta energia e essa energia tem massa própria no campo mental e emocional,  que tende a se materializar no devido tempo.  

Por isso, é sempre muito difícil estabelecer regras absolutas, pois as variantes são quase infinitas. De modo que, muitas vezes, Espíritos com planos específicos para resgate cármico em uma determinada experiência têm que aguardar longamente pela oportunidade de reencarnar.

Esta situação não implica necessariamente em armar, por exemplo, a mão de um assassino ou de um doidivanas qualquer para se transformarem em agentes executores do carma, o que implicaria num determinismo absurdo, com derrogação da lei do livre-arbítrio.

Estabelecida esta premissa, os agentes surgem pela evolução natural das forças que operam o aparecimento das circunstâncias, derivadas da cadeia energética espiritual, assim como os cupins latentes aparecem na polpa da madeira envelhecida. Tanto os cupins como os maus espíritos são, em essência, agentes da natureza. Mas, sendo a madeira de lei, os cupins não irrompem e, sendo a egrégora grupal boa, os maus espíritos também não podem agir.   

O que importa num resgate cármico não é a pena de talião, expressa na frase 'olho por olho, dente por dente', mas o quantum energético envolvido na ação cármica que pode representar uma aquisição de consciência e, por consequência, a remoção do efeito do carma negativo.

Alguns carmas não podem ser esgotados exclusivamente com o trabalho no bem, como algumas pessoas de boa índole pensam, pois nem todos os indivíduos estão qualificados para agir desta forma. Ninguém pode doar o que não tem. Por outro lado, uma ação de reparação cármica, para produzir efeito positivo, precisa ser assimilada perfeitamente pelo subconsciente, de modo a agregar-se à personalidade.

Ante a inexorabilidade da Lei, Jesus afirmou que era necessário vir o escândalo (Mateus, 18:7), embora a responsabilidade dos agentes não fosse descartada. Os agentes agem conforme a energia negativa latente na psicosfera.  

Em 415 d. C., em Alexandria, Egito, uma sábia mulher (Hipatia, filósofa, matemática e astrônoma), foi torturada na rua por cristãos enfurecidos açulados por um bispo fanático, sendo deixada para morrer sangrando, semi despida, no átrio de uma igreja local.

Como este carma coletivo se manifestou? Seis séculos e meio depois, a turba estava reencarnada na Armênia, onde os turcos seldjúcidas exerceram contra ela as mais terríveis barbaridades.

Os seldjúcidas, porém, não foram incumbidos de uma "missão". Agiram em função do ódio religioso e da influência da egrégora negativa da população, mas não por determinismo cármico retaliatório, que seria a negação do livre-arbítrio.

O que chama atenção na história de Titus Livius (João Hélio) é o longo tempo consumido nas trevas e mais os 300 anos de preparação no plano astral. Teria o Espírito condição de evoluir astralmente? Bastaria uma única encarnação com tenra idade para equilibrar o seu carma? O xis da questão está na capacidade de poder evoluir no plano Astral. Os 1.500 anos nas trevas não são uma indicação de que tenha se arrependido logo, mas de endurecimento espiritual, pois do contrário teria sido logo amparado.

Carrascos nazistas arrependidos têm reencarnado em dramáticas situações, utilizando corajosamente o buril da Dor para esculpir uma nova mentalidade. A Dor e o sofrimento são vida para a consciência do homem.

Outrossim, apesar das crueldades cometidas no Império Romano, haviam leis. Tanto que nos deixou o magnífico legado do Direito Romano. Não consigo assimilar um governador arrastando corpos com sua biga.    

Que o Espírito do João Hélio fique em paz!

Cláudia, boa noite!

Quem questiona com sinceridade produz frutos de esclarecimento. Devo dizer-lhe que nenhuma tragédia é 'premeditada' para resgate. O estudo da lei do carmo é muito complexo, a partir mesmo do ponto que ela só existe para a evolução humana, não se aplicando a outras linhas de evolução do sistema solar. Resgatar o mal com o bem só é possivel a partir de um certo nível quântico de energia consciencial, pois ninguém pode doar o que não tem.

Portanto, é preciso progredir mais um pouco para 'trocar-se de dívida' ou qualquer esforço será anulado pelo egoismo. As tragédias acontecem porque toda ação humana comporta energia, possuindo nível de energia quântica variável, que permanece no organismo da natureza, ligado ao subconciente do agente causador, e tende a manifesta-ser com o devido tempo no plano físico.

Quando energias de mesmo potencial descem para a esfera física, formam cumulus energéticos que reunem, por magnetismo, os agentes causadores da interatividade energética, casos em que se dão, por exemplo, os carmas coletivos. A mesma lei rege o carma indidivual. Portanto, nada é programado e cada um colhe o que planta.

Algumas vezes os Espíritos que não conseguem evitar essas provas, desenvolvem longos trabalhos de preparação psicológica para o que chamamos de 'resgate', que não é outra coisa que a própria dinâmica da natureza em ação buscando o equilíbrio energético.

Fraterno abraço. 

 

Cláudia Leister disse:

Sendo a comunicação espiritual verdadeira ou não (e note aqui que eu não sou uma descrente do espiristismo, ou sequer admitiria a segunda hipótese), concordo plenamente com o raciocínio tecido em relação ao fato de que os atributos de Deus citados respeitam o livre arbítrio. E é exatamente sobre a decisão do espírito diretamente envolvido, que teci meus comentários. Não estou julgando uma pessoa, mas uma ação, e o faço, naturalmente, com todas as dificuldades que tenho em relação à visão e compreensão, ainda que pequenas, do que seja a vida. Questiono - e faço uso do meu raciocínio, exatamente como é postulado pela doutrina - uma morte nas circunstâncias em que essa aconteceu, como de resto qualquer tragédia que tenha sido premeditada a fim de resgatar culpas, como o melhor caminho para fazê-lo. Acredito muito mais nas ações positivas que venham a compensar erros que cometemos no passado. E chamo de ações positivas (por falta de melhor palavra no momento) aquelas que se valham de situações de "serviço, doação, altruísmo e amor" em que não sejam necessárias tragédias e atos maldosos de terceiros para que um resgate de culpas se faça. Parece-me muito mais humano e divino (e aqui me refiro ao valor semântico, consagrado pelo uso, dessas palavras) a construção de novos caminhos de vida a partir de vivências que se relacionem muito mais a um mundo que estamos a construir e que desejamos - com solidariedade e justiça, inclusive terrena. 

CONFORME ALGUNS POSTARAM, PODEMOS SANAR N/ DÚVIDAS ESTUDANDO AS OBRAS ESPÍRITAS E PRINCIPALMENTE O PENTATEUCO. SENDO ASSIM, DEVEMOS SUBMETER O “O Q EU ACHO” OU O “O Q EU PENSO É Q” À 1 CONJUNTO DE PESQUISAS Q PODERÃO CULMINAR EM RESPOSTAS JÁ EXISTENTES, ÀS VEZES, HÁ MUITO TEMPO. ESTARÍAMOS CUMPRINDO A RECOMENDAÇÃO DO “CONSOLADOR PROMETIDO”: “””AMAR, HEIS O 1.O MANDAMENTO, INSTRUIR-SE, HEIS O 2.O”””. COMO VEMOS, O CONSOLADOR (O ESPIRITISMO) NOS AFIRMA Q INSTRUIR-SE É O 2.O MANDAMENTO + IMPORTANTE. MAS NÃO É O Q VEMOS. NÓS, COMO SERES INVOLUTOS, NÃO GOSTAMOS DE LER. PROLIFERAM NAS REDES SOCIAS MENSAGENS C/ MUITAS IMAGENS/FIGURAS C/ POUCAS PALAVRAS ENXERTADAS. O ESPIRIT BOOK É EXCEÇÃO, C/ VASTAS POSTAGENS E RESPOSTAS. COSTUMO DIZER P/ NÓS ESPÍRITAS MESMOS Q NÃO PODEMOS ACHAR Q MUITO SABEMOS, Q ENTENDEMOS MUITO DE ESPIRITISMO. 1.O PQ ESTE FOI CODIFICADO HÁ 150 ANOS ATRÁS, PORTANTO, O Q SABEMOS DE ESPIRITISMO É ESFORÇO INTELECTUAL DESSA REENCARNAÇÃO MESMO. PODERÍAMOS TER CONHECIDO O ESPIRITISMO HÁ 130 ANOS, DESENCARNADO E REENCARNADO AGORA E ESTAR CONHECENDO O ESPIRITISMO PELA 2.A VEZ??? DIFICILMENTE. SEGUNDO ESTUDOS DO INSÍGNE ERNESTO BOZZANO, O ESPÍRITO FICA NA ERRATICIDADE DE 200 À 300 ANOS ANTES DE REENCARNAR. REENCARNAR APÓS POUCO TEMPO DE DESENCARNE, DIGAMOS 10, 20 OU 30 ANOS, É SÓ P/ REENCARNAÇÕES MISSIONÁRIAS, COMO A DO CHICO P.EX. OU EM CARÁTER DE EXCEÇÃO SEGUNDO OS DESÍGNIOS DIVINOS, CUJOS TRABALHADORES DO PLANO ESPIRITUAL SÃO EXECUTORES (VIDE OBRA DE ANDRÉ LUIZ “OS MISSIONÁRIOS DA LUZ” NO CAPÍTULO DA REENCARNAÇÃO DE SIGESMUNDO). ESTAS SERIAM MINHAS 1.AS CONSIDERAÇÕES. COMO 2.A, COSTUMO DIZER NO GE Q FREQUENTO Q HOJE, NUM UNIVERSO DE APROXIMADAMENTE 8.400 OBRAS ESPÍRITAS; COMO NA BIBLIOTECA DO REFERIDO GE HÁ 840 DELAS; PORTANTO, SE FOSSE LIDO 1 LIVRO  AO MÊS, OU SEJA, 12 AO ANO, GASTARÍAMOS 840 : 12 = 70 ANOS (1 REENCARNAÇÃO) P/ LER OS 840 LIVROS DA BIBLIOTECA Q CORRESPONDEM À 10% DA LITERATURA ESPÍRITA (N.OS ARREDONDADOS APROXIMADOS P/ EFEITO DE CÁLCULO) E ENTENDERÍAMOS 10% DE ESPIRITISMO. E AGORA FICA A PERGUNTA: - QUEM DE NÓS LÊ 1 LIVRO AO MÊS???

FEITAS ESTAS REFLEXÕES, LEMBRO-ME D TER LIDO NUM LIVRO ESPÍRITA, DA FEB, O PQ DE ALGUNS ESPÍRITOS ESCOLHEREM RESGATE VIA PENA DE TALIÃO (A LEI DO OLHO POR OLHO DENTE POR DENTE ESTABELECIDA POR MOISÉS E REVOGADA POR JESUS). O ESPÍRITO É QUEM ESCOLHE (SALVO AS REENCARNAÇÕES COMPULSÓRIAS) UTILIZANDO SEU LIVRE-ARBÍTRIO, CONFORME BEM COLOCADO PELO SR. NIZOMAR. ASSIM SENDO O ESPÍRITO EM PREPARO PARA REENCARNE PODERÁ ESCOLHER RESGATE VIA PENA DE TALIÃO OU PRATICANDO O BEM ATRAVÉS DE 1 MEDIUNIDADE AFINADA P.EX. ONDE VALERÁ A AFIRMAÇÃO DE Q “1 COLHER DE AMOR VALE POR 1 CAMINHÃO DE DOR” DE ACORDO C/ A BONDADE E MISERICÓRDIA DO N/ SEMPITERNO. MAS, PQ MUITOS ESPÍRITOS, MUITOS MESMO, NÃO ESCOLHEM RESGATE VIA PRÁTICA DA CARIDADE E PREFEREM SOFRER O Q INFLINGIRAM EM OUTREM EM OUTRAS REENCARNARÇÕES??? DE ACORDO C/ AS RESPOSTAS DOS ESPÍRITOS SUPERIORES, ESTA POSSIBILIDADE É ATÉ OFERECIDA A TAIS ESPÍRITOS, MAS OS MESMOS, DIZEM SENTIR 1 REMORSO DE TAL MAGNITUDE, ATINGINDO O CHACRA GENÉSICO, Q DIZEM, SÓ SE SENTIRÃO EM PAZ, PASSANDO PELOS MESMOS SOFRIMENTOS Q PROVOCARAM EM OUTROS. É SIM O LIVRE-ARBÍTRIO SE MANISFESTANDO MARAVILHOSAMENTE. ISSO CONSIDERANDO AS VARIÁVEIS DITAS POR NIZOMAR, COMO VIBRAÇÕES PRESENTES EM MUITOS LUGARES Q SÃO ATRAÍDAS 2.O O PRINCÍPIO “O IGUAL ATRAI O IGUAL”, EXPLICANDO PQ HÁ OS EXECUTORES DAS PENAS; AS CONDIÇÕES EVOLUTIVAS DO ESPÍRITO EM QUESTÃO E MUTAS OUTRAS. MUITA PAZ PARA TODOS. ABRAÇOS FRATERNAIS. LEAODRHO.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!