Eu e os espíritos: Quando eu era criança eu via coisas...

Olá !

Achei bacana esta comunidade, resolvi participar. Tenho várias histórias que aconteceram comigo, resolvi contar pra vocês, pode ser que alguém aí tenha um caso parecido...

Então. A primeira história se passa em meados de 1981, quando eu tinha uns 5 anos de idade. Meus pais moravam numa casa grande, que deve ter sido uma vila anteriormente, pois tinha no quintal uma fileira de quartinhos, todos vazios.

Eu tinha irmãos por parte de mãe, filhos de outro pai, todos mais velhos, que até moravam lá, mas eu quase não via, viviam brincando na rua com os amigos.

Minha compania era a babá, uma senhora muito velhinha, e um cachorro pastor alemão que cresceu junto comigo.

Eu passava os dias no quintal com o cachorro, vendo tv, ou subindo nas árvores do quintal. Não me lembro de ir pra escola, acho que ainda não ia nessa idade. Me acostumei a ser assim, sozinha e de poucas palavras.

Foi então que eu comecei a ver um menino, do meu tamanho, que passava as tardes comigo brincando no quintal. A babá fazia pouco caso, ou dizia algo como "olha essa menina maluca falando sozinha"... Eu nem ligava, podiam me xingar, mas pelo menos eu tinha alguém com quem brincar.

Os anos foram passando, eu continuava a conversar com o garoto. Eu passei a ver luzes em volta de algumas pessoas, parecia uma aura brilhando em tons dourados.

Um belo dia, estava eu brincando no único quartinho do quintal, que usavam para guardar ferramentas. Tinha uma estante de madeira grande, cheia de coisas nas prateleiras, martelos, peças, lixadeiras, muita tralha. A babá estava com a cadeira na porta desse quarto, meia que dormindo, enquanto eu estava ali na porta brincando sozinha.

No meio da brincadeira, eu cismei que queria um martelo. Resolvi entrar no quarto, e escalar a estante pra pegar o martelo que estava lá no alto. Fui subindo, e quando eu estiquei o braço pra pegar a porta do martelo que era o que eu conseguia ver, uma voz grossa e assustadora ecoou pelo quarto gritando "LAAAARGA ISSOOO ! ".

Eu me assustei, caí lá embaixo, e a babá acordou assustada com o grito da voz, que ela também ouviu. A velhinha arregalou os olhos e saiu correndo apavorada gritando pra dentro de casa chamando todo mundo, dizendo que tinha um homem no quarto da bagunça!

Eu comecei a procurar o tal homem no quarto, atrás do armário, embaixo, em cima. Não achei ninguém. Aí chegaram as pessoas que estavam em casa, foram também procurar o tal homem, aí olharam pra mim e perguntaram: o que você estava fazendo aqui dentro? Eu falei - queria pegar o martelo ali - apontando. Aí que os adultos ficaram surpresos, e disseram que se eu puxasse o martelo, ia cair em cima de mim uma lixadeira muito pesada que tinha em cima, e eu ia me machucar seriamente.

A partir daquele dia, eles continuaram a me chamar de maluca, mas ficaram pensando que talvez eu realmente ficasse falando com alguém...

Depois o garoto disse pra mim que era ele que tinha feito a voz, que fez assim pra eu me assustar, porque senão eu ia me machucar sério naquela hora.

Uma vez eu perguntei pra ele se ele morava ali. Ele me disse que morreu enquanto criança na casa, e estava ali preso, não podia ir embora dali. Nem questionei, criança não se aprofunda muito nas perguntas, né.

O tempo foi passando, até que uns anos depois, o garoto disse pra mim assim "quando voce fizer 7 anos você não vai mais me ver". Eu perguntei porque, ele disse que depois eu saberia. Também não questionei, fiquei bastante chateada, mas não tinha noção que ia perder o amigo.

Um dia, descobri que venderam a casa, faltando um mês pro meu aniversário, e nos mudamos dali. Chegando na casa nova, passou uma semana, foi quando eu me dei conta, do que o garoto tinha me dito tinha acontecido. Ia ser meu aniversário, e ele não estava mais aparecendo pra mim. Nossa eu chamei muito, fiquei tão triste, mas ele não vinha.

Resolvi ir na piscina do condominio, era um dia nublado, meio frio, não tinha ninguém lá. O guardião estava em algum lugar lá no outro prédio...Pulei o portãozinho da piscina que estava trancado, e me sentei em frente à piscina. Sozinha, pensando que o garoto tinha me abandonado mesmo.
De repente ele apareceu ali pra mim, sentou do meu lado, e me explicou:

"Olha, eu não posso mais brincar com voce, estou preso à casa, preciso ficar lá. Pare de me chamar, eu não virei mais aqui....". Nisso, vem descendo a rampa do outro lado o guardião da piscina. E ecoa uma voz grossa assustadora "VAI EMBOOOORA". Gente, o guardião arregalou os olhos e saiu correndo pelo mesmo caminho que veio, subiu a rampa correndo e sumiu!! Eu olhei pro garoto, ele deu uma risada, eu ri, mas fiquei com pena do guardião. Então o garoto continuou "disse que eu precisava ficar sem ele naquele momento, e que dessa vez ele não viria mais, nunca mais". Eu chorei, mas entendi, que era preciso, sabe-se lá por qual motivo.

Então, depois desse dia, o guardião passou a me tratar sempre meio ressabiado, e eu nunca mais vi o garoto. Já tive vontade de voltar à casa que existe até hoje, mas penso que não me deixariam entrar...Ou a historia deixaria os moradores assustados..

Essa é a primeira história. Depois conto mais.


Exibições: 1857

Responder esta

Respostas a este tópico

Gostei das suas histórias, agradeço em compartilhar com a gente aqui, são muito interssantes. MUITA PAZ E LUZ.

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!