Meu criador é muito sábio e surpreendente, pois esse cara que vejo refletido no espelho, que mede 1 metro e 85 centímetros, que pesa quase 100 quilos, me fez acreditar, durante muitos e muitos anos, que ele era eu. Mas, para minha surpresa, descobri que esse não sou eu!
     Eu, o eu principal, o verdadeiro eu, sou aquele que conduz o eu grandalhão ao banheiro, ao espelho, que pensa e ordena o que o eu casca vai fazer, qual será seu próximo movimento.
     Eu sou aquele que julga o que é certo ou errado, sou aquele que vez por outra se desarmoniza com o bonitão que me conduz. Ele às vezes quer uma coisa e até concordo, mas depois compreendo que o oposto é o melhor, outras vezes cedo às pressões desse camarada que, por vezes, insiste e persiste em errar.
     O eu falso sente frio, fome, calor, dor, sono...
     O verdadeiro sente saudade, medo, alegria, tristeza, arrependimento e uma dor diferente da dor que o outro sente, é uma dor muito mais aguda.
     A simbiose é perfeita, um depende do outro. O verdadeiro depende do falso, pois o falso possui algumas limitações, algumas fraquezas que são necessárias para o engrandecimento do autêntico.
     Eu, o verdadeiro, sou o que estou redigindo esta página, mas o outro está dificultando minha capacidade de raciocinar e de enxergar, os olhos desse brutamonte fracote já estão pregando. É! Não vai dar para terminar, vou ter que colaborar, afinal eu preciso de suas mãos para redigir o texto, mas ele está muito cansado.
     Como eu dependo dele, tenho que colaborar e, aproveitando que ele vai dormir, vou dar umas voltas por aí, quem sabe até o Alasca ou Cazaquistão, mas sempre atento com meu camarada, que ainda vai levantar de madrugada para urinar.

                                                                                                                                                   Dualize-se.

 

Texto extraído do livro "Perspicácia - O aprendiz e a vida"

Marco Antonio Rodrigues.

Facebook.com/perspicacia.livro

Exibições: 85

Responder esta

Respostas a este tópico

Eu e eu..porquê Alasca ou Cazaquistão? Não és falso contigo mesmo, se o fosse naõ haveria simbiose. São dois elementos a amadurecer, a caminharem juntos com o intuito de crescer, se aprimorar e levar consigo essa bagagem, aliás, única bagagem que poderemos levar dentro da alma....conhecimento sobre a verdade que nos liberta a cada assimilação.

Continuarei a ler, falta muito a terminar....também meu corpo pede descanso....descanso reparador, então, peço a outra minha metade que dê umas voltas por aí em algum posto de socorro, ou quem sabe me levem a passear...durma tranquilo com seu EU eu.

Muito interessante !!!!

Alasca ou Cazaquistão ??

Ontem ou Hoje ??

E se fosse Alasca "e" Cazaquistão ???? Ontem "e" hoje ?? Eu  "e" Eu ????

O Eu superior e o EU inferior....

Essas ideais também estão aqui em Espirit Book, pelo amigo Evaldo Berwig em Filosofia  Esotérica.

Busquem....

Beijocas!!

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!