UMA DUVIDA ME ATORMENTA, AOS QUE TEM DESENVOLVIDO O DOM, AO OPERAR A CURA, NÃO SE ESTA INTERFERINDO NA LEI DO  CARMA. JÁ QUE  PESSOA SOFRE PARA REPARAR ALGUM ERRO DO PASSADO? E AGINDO ASSIM,INTERFERINDO NA LEI NÃO ATRAI MALES PARA SI?

Exibições: 1886

Responder esta

Respostas a este tópico

Não,se vc chegou até a cura o seu carma já está cumprido.

Na minha opinião a pessoa que supostamente está recebendo a cura só a terá se tiver o merecimento pela providência Divina sendo uma pessoa praticante do bem e da caridade e aquela que tem o dom da cura só receberá bencãos pois está fazendo caridade aos necessitados .

Vejam, a resposta do Ivon é maravilhosa.

Além de esclarecer bem a questão do DOM e MERECIMENTO, nos esclarece sobre ca Fraternidade, a Caridade e o Amor.

PARABÉNS  IVON e parabéns pra nós que pudemos receber essas dádivas. Abraços.

Francisco:

Entendo o seguinte:

Se a cura ocorre é por intermédio de Deus, através do instrumento que é o médium curador, no caso.

Somente e unicamente há cura de uma doença por AQUELE que é a suprema inteligência, bondade e misericórdia - DEUS.

Se há perdão de faltas ou mérito do paciente, a cura existe e não interfere na lei de causa e efeito, pois esta pode ser atenuada.

Obrigada.

olha, eu acredito que Deus socorre as criaturas através das próprias criaturas... então, se aquela pessoa tem merecimento, a cura irá se operar, pq esta é a vontade de Deus. ou seja, acredito que aquela pessoa através da qual se operou a cura foi colocada na vida do doente por Deus, pq já era chegado o momento de cessarem as suas dores. Pq a dor serve para depurar equívocos passados, e também para restringir certos comportamentos para que a pessoa que muito se comprometeu em alguma área nao venha a falir novamente. Então, por ex, nascer com uma deficiência física, entre tantas outras coisas, pode significar que a pessoa precisa passar por essa expiação por conta de enganos praticados em outras vidas, ou ainda que ele precisa dessa limitação para nao se comprometer ainda mais.

Tanto é verdade que Jesus não curou todos que se aproximaram Dele; pela grandeza de seu Espírito, ele tinha condições de "ler", no perispírito da pessoa, as implicações que uma cura geraria. Se um cego, por ex, se aproximasse Dele, e Ele constatasse que aquela pessoa já tinha cumprido o objetivo de sua cegueira, aprendendo com ela a ser humilde, fraterno, então ela não precisava mais sofrer, já tinha merecimento para se livrar da doença, e por isso, era curado. Mas se Jesus verificasse que, uma vez curado, aquele Espírito, pela sua imaturidade, ia usar do corpo sao para se comprometer em outras áreas, então ainda não era chegado o momento da libertação para aquela pessoa, pq ela ainda tinha lições a aprender com aquela doença.

A caridade é algo que deve ser praticado em todas as oportunidades que tivermos! Por isso, a frase "interferir na lei do carma" nao se aplica! Se um irmao tem fome ao seu lado, vc vai negar-lhe o pão, justificando-se que esse é o seu carma? E o seu dever fraternal de caridade? Quem garante que é chegado para aquele irmao o momento de cessar sua fome, e vc é que está servindo de instrumento de Deus para que isso se opere?

Dei exemplos bem genéricos, nao sei se consegui transmitir o que penso! 

O beneplácito da cura não se pode chamar de benefício, e sim de merecimento... Isto posto significa dizer que o doente curado, já estava curado, antes mesmo da cura ter se manifestada.

Não,

       não existe dom mais maravilhoso, do que acalentar um semelhante seu!

       DEUS, disse, que não quer ver seus filhos sofrendo!

utilizando o principio ..NÃO CAIRA UMA FOLHA DE UMA ARVORE SE NÃO FOR DESIGNIO DIVINO...me atrevo a julgar que aos que tem o DOM DA CURA..não estarão impondo a si males de outros..mas na verdade resgatando dividas passadas ..o prazer de auxilio ao proximo seja que qual maneira for , sempre nos trara o bem estar intimo..e se nos ocorre auxiliar desta ou de outras formas estaremos a cumprir o que nos propomos antes de retornar a vida material

Boa Ivon.

Adorei.

att

Pedro Povoas

Bela e clara. Amei

Francisco, Amigos do Espirit book,

A questão do esforço deve ser considerada na busca em melhorar e corrigir os erros. A própria dor e o sofrimento resultantes fazem parte do processo de purificação e crescimento espiritual. Sendo o carma uma lei, “o que se planta, se colhe”, independentemente de uma ajuda, ou uma melhora em qualquer plano, a lei do carma está cumprindo o seu papel.

 

Trago o trecho de um texto que explica sobre os diversos tipos de cura:

 

“Helena P. Blavatsky viveu no século 19, mas o seu pensamento parece estar mais atual do que nunca no século 21. E ela tem algo a dizer sobre este tema.  Ela chama atenção para o fato de que a diferença entre a magia altruísta e a magia egoísta está, sobretudo, na meta, na motivação e na ética. O objetivo determina os meios.  Eis a advertência feita por H.P.B. no ano de 1890:

 

“À medida que a preparação para o novo ciclo avança e os pioneiros da nova sub-raça aparecem no continente americano, os poderes psíquicos e ocultos latentes no homem começam a germinar e a crescer. Disso surge o rápido crescimento de movimentos tais como Ciência Cristã, Cura Mental, Cura Metafísica, Cura Espiritual, e assim por diante. Todos estes movimentos representam apenas diferentes aspectos do exercício destes crescentes poderes  − que até agora não foram compreendidos, e portanto são com muita frequência mal usados, sem que haja qualquer conhecimento. Entendam, de uma vez por todas, que não há nada ‘espiritual’ ou ‘divino’ em qualquer uma destas manifestações. As curas realizadas por elas se devem simplesmente ao exercício inconsciente de poder oculto nos planos inferiores da natureza − normalmente no plano do prana ou corrente vital. As teorias contraditórias de todas estas escolas estão baseadas em uma  metafísica mal compreendida e mal aplicada, e frequentemente em falácias lógicas grotescamente absurdas.” [1]

 

Indico também o texto Carma, Castigo ou Aprendizado?” no Espiritbook, que inicia assim: A ideia de que a lei do carma “pune” e “dá recompensas” individuais é simbólica. Como todo símbolo, ela não deve ser vista de modo mecânico. A visão fatalista do carma apenas atrapalha a evolução. Para compreender a lei do equilíbrio e da justiça, é preciso perceber de que modo ela funciona.  Ela  se desdobra através de uma onda dinâmica e complexa de acontecimentos e inter-relações, no contexto amplo da vida.  [2]

[1] As Medicinas Alternativas – CCA - http://www.filosofiaesoterica.com/ler.php?id=732#.UE-W0o1lTgw

[2]  http://www.espiritbook.com.br/profiles/blogs/carma-castigo-ou-apren...

Abs, Evaldo

   lindo, foi mto bom q tenhas feito essa pergunta. Sempre que ajudamos alguém é como se subíssemos um degrau (ou mais) na nossa limpeza espiritual. Quem tem o dom da ''cura'' precisa tb saber como se limpar após ter curado alguém. mas ñ, o ser humano ao ''limpar/curar'' alguém, ñ está a interferir (ou a ''afundar-se mais'') quanto ao seu karma. Está sim, a acelarar-se no caminho para ser/ficar puro -não se fica totalmente puro dum momento para o outro. o Homem ao ajudar um outro ser, ''encurtou'' a sua própeia purificação.

Responder à discussão

RSS

© 2022   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!