1 - É comum ouvir-se nos meios religiosos (no meio espírita também) a afirmativa de que Deus atende nossos pedidos (orações) de acordo com a nossa fé e, se acreditarmos na existência Dele.

  2 - Não é menos comum ouvir-se, também, que Deus só atende aqueles que têem merecimento.

Questão nº 1: É preciso ter fé e crer na existência de Deus para ser atendido?

Questão nº 2 : Deus só atende quem tenha merecimento, (crédito)?

Exibições: 671

Responder esta

Respostas a este tópico

Estou ainda meio enferrujado, mas aos poucos o conhecimento virá à tona! Obrigado por me convidar à troca de idéias. Fique com DEUS. irmão!

Não te preocupes. O conhecimento é como o futebol: Não se desaprende, nem se esquece.

Abração.

QUESTÃO 1: As mais sublimes verdades nascem com dúvida. Antes de tudo é preciso perder tudo aquilo que nos faz bastante falta para somente podermos saber o valor deles(as). Para se encontrar a Deus é necessário, em primeira instância, 'perdê-lo'. O próprio meio material no qual vivemos será suficinete para nos remeter a uma falta, um vazio demasiado irresistível que nos conduza á busca dessa verdade: valores e virtudes inerentes à qualidade divina. Nesse momento percebemos o quanto carenciamos de Deus. E é aí que passamos a desenvolver a 'fé' nele.

QUESTÃO 2: O merecimento das bênçãos divinas só vem de encontro àqueles(as) que já passaram pelo estágio da 'negação de Deus' e por isso estão submetidos à provações e 'crucificações' oriundas de nossas próprias faltas. Somente quando conseguimos provar, através de nossos atos cotidianos, que merecemos resgatar de volta o 'dom' da ´fé, é que fazemos jus, por mérito individual, ao atendimento de nossos pedidos feitos ao criador.

Em suma, sempre irá prevalecer as máximas contidas na lei divina de ação e reação.

Abraço.

Oi Paulo Dantas M. Fº.  É um privilégio tê-lo aqui conosco participando deste estudo.

Entendi, desta forma,  a sua colocação referente a questão nº 1: Seria necessáro sentirmos a falta (perda)da presença Divina, para então buscarmos Deus. E nessa busca pelo Divino, desenvolveríamos a nossa fé. Correto?

De fato, Paulo em determinadas circunstâncias (momentos de grandes dores, perdas ou angústias), quando todos os recursos disponíveis não correspondem aos nossos anseios, lembramo-nos então de Deus. Com fé ou sem fé, não tendo mais a quem recorrer, apelamos para o Divino. E, verdade seja dita: o Divino não deixa de atender-nos. Felizmente!

Com referência a questão nº 2, tomo a liberdade de sugerir à você ler as respostas da Claudie Lopes e da Marta Valéria. O pensamento delas, expressa também o meu pensamento. Gosto muito da comparação do amor da mãe e do pai, (embora em grau bem menor), como um referencial do amor de Deus.

No mais, querido amigo, um grande abraço e muito grato em nome de todos, pela sua participação.

em resposta a primeira pergunta creio que Deus atenderá nossos pedidos de acordo com as condições prestabelecidas que fizemos com ele antes de virmos, pois bem antes de nascermos já tínhamos uma história, ou várias histórias que vivemos e não conseguimos talvez concluí-la. Portanto, se não for para desviar dos planos antes combinado tudo bem, mas não pela questão se acreditamos ou não na sua existencia, agora assim... se não acreditamos na sua existencia como poderemos pedir-lhe algo?

na segunda questão creio que o que nos está predestinado não pode ser negociado para acontecer agora, nosso merecimento depende do nosso esforço aqui em aceitarmos o nosso trabalho karmico, somos merecedres daquilo que fazemos, das nossas ações, pois fazemos parte do universo e nossa responsabilidade é grande por tudo que fazemos a nós mesmos e às outras pessoas, pois o que nós fizermos a nós terá consequências a terceiros. Nosso merecimento depende de nós mesmos de acordo com a nossa ação para conosco e com o próximo.

----Bom dia

----É muito bom termos temas que façam questionarmo muitas situações.

----Pode crer que à primeira pergunta a resposta é sim. Eu embora acredite em Deus a minha fé andou um bocado abalada até à bem pouco tempo ,parecia que vivia e revivia situações deixando-me perdido e sem nada conseguir , só problemas atras de problemas.

----Voltei ao meu canto e comecei a questionar Deus sob o que me estava a contecendo até que como milagre algo no meu interior fez com que visse com estava errado .

----Tudo começou como que a reconstruir à minha frente e a nitidez de novo sobrevoou o meu caminho sentindo-me muito melhor.

----Tal como disse a Eliene Ferreira durante a madrugada no main room que eu estive assistindo e lendo "não podemos deixar de ter Fé porque as outras coisas passam" eu achei essa frase fascinante, tão pequena frase com todas as respostas para a Religião respondidas .

----Continuação de bom dia até uma próxima oportunidade.

Oi Cleide Miquelina A. Gomes.   De fato, antes de reencarnarmos, ocorre por de parte de nossos Orientadores Espirituais uma programação referente a nossa futura reencanação. Porém, esse programa objetiva os acontecimentos maiores de nossa existênca; dentro dessa programação, temos o livre-arbitrio para alterar para melhor ou para pior muitos eventos pessoais e até mesmo coletivos. Vejamos o que diz o Livro  dos Espíritos na pergunta 859a:  Pergunta: " Há fatos que devem ocorrer forçosamente e que a vontade dos espíritos não pode mudar?

Resposta: "Sim, mas tu quando no estado de Espírito, viste e pressentiste ao fazer tua escolha, Não acredites, porém, que tudo o que  acontece esteja escrito, como de diz (...) 

Ainda em Livro dos Espíritos pergunta nº 860. " Pode o homem, por sua vontade e pelos seus atos, evitar acontecimentos que deveriam realizar-se e vice-versa?

Resposta: "Pode, desde que o desvio aparente possa caber na oredem geral da vida que escolheu"(...)

Leon Denis,  no Livro "O Problema do ser do destino e da dor", afirma: Na realidade, nada há de fatal e, qualquer que seja o peso das reponsabilidades em que se tenha incorrido, pode-se sempre atenuar, modificar a sorte com obras de dedicação, de bondade, de caridade, (...)"

Emmanuel, no livro O Consolador, considera: " (...) cumpre-nos reconhecer que o próprio homem, à medida que se torna responsável, organiza o determinismo de sua existência, agravando-o ou amenizando-lhe os rigores (...)"

Tendo em vista estes esclarecimentos de Espíritos superiores, eu, particularmente, acredito que Deus pode atender nossos pedidos independentemente do programa pré-estabelecido. Ou seja: Poderá atender-nos de acordo com as eventuais circunstâncias da vida de cada um de nós. Sempre, objetivando as nossas REAIS NECESSIDADES.

Concordo, em parte,  Cleide, de que a justiça divina atende de acordo com o merecimento de cada um. Concordo parcialmente, porque se cada um fosse receber exatamente igual ao seu merecimento, o sol não poderia nascer para todos e a  chuva deveria chover, somente na lavoura dos bons.

Que me dizes, querida amiga?

Um grande abraço e muito grato por sua colaboração, a qual levou-nos a boas reflexões.

Amigo Armando Mamuel.  Em O Evangelho Segundo o Espiritismo, no cap. XXV "Buscai e achareis", há uma citação interessante. Jesus teria afirmado: "Pedi, e dar-se vos-á, buscai e achareis; batei e abrir-se vos-á. Porque todo o que pede, recebe, e o que busca, acha; e a quem bate, abrir-se-á. Ou qual de vós, por ventura, é o homem que, se seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra (...)"

Interessante, Armando,o fato de Jesus não dizer que o filho precisa ter fé no pai, para receber o pão, e nem o pai exige do filho que este tenha fé para ser atendido; também não cita se o filho tem merecimento ou não.

Allan Kardec, no item nº5 desse capitulo, esclarece: "Segundo a compreensão moral, essas palavras de Jesus significam  o seguinte: Pedi a luz que deve clarear o vosso caminho, e ela vos será dada, pedi a força para resistir ao mal, e a tereis, pedi a assistência dos Bons Espíritos, e eles virão ajudar-vos (...)"

Observe, Armando que você diz: "voltei ao meu canto e comecei a questionar Deus sobre o que estava a contecendo". Nesse ponto, creio que você demonstrou fé vacilante em Deus, ou muito pouca. E mesmo assim foi atendido. É você quem afirma, novamente: "Tudo começou a reconstruir à minha frente e a nitidez sobrevoou o meu caminho sentindo-me muito melhor".

Eu penso, amigo Armando que Deus é Infinitamente Bom e Justo. Mas com relação ao merecimento, muitas vezes a Bondade Divina, atende-nos mesmo sem merecermos, esperando que no futuro venhamos ser merecedores de fato e de direito.

Um abração, querido amigo, muita PAZ e FÉ em Deus.

Sabe Adão achei muito interessante o Tema e as duas questões.Bem, aprendi quando criança através da minha mãe que já fez a sua passagem, que deveríamos aprender a ter fé em Deus, pois quando estavamos a orar , havia junto a nós um anjo do Senhor que escutava nossas preces e as levava em suas mãos á Deus e os nossos pedidos seriam alcançados. Por outro lado, ela também nos ensinou que deveríamos ser merecedores das graças do Pai Supremo através das nossas atitudes para com o próximo e das ações que praticamos no dia a dia pois através delas poderíamos crescer ou diminuir aos olhos Dele. Na realidade acho que Deus é amor e não nos deixaria orfãos apenas por não termos merecimentos, pois somos humanos e cheios de falhas. E, Ele já sabia de tudo isto. Então lembro uma passagem bíblica que diz: Se tivermos fé do tamanho de um grão de mostarda, poderemos até transpor uma montanha de um lado ao outro. E aí meu amigo e Irmão, o que dizer mais, no momento falta-me palavras. Muita Paz e muita luz.

Oi Laudicéa.

Quanta sabedoria nos ensinos da tua mãezinha!   Ah !... se todas as mães tivessem o mesmo saber e igual cuidado com os filhinhos.

 Laudicéa, tu disseste:"Na realidade acho que Deus é amor e não nos deixaria órfãos apenas por não termos merecimento, pois somos humanos e cheios de falhas".   Eu também penso assim, querida amiga. Se tu estiveres errada, estarei também.

Um grande abraço. Muito agradecido pela participação e principalmente pela lembrança de nossas saudosas mães.

Adão, não acredito que Deus, ser supremo, inteligência infinita, possa deixar de lado os pedidos de seus filhos no âmago do desespero, porém acho que, sempre temos um filho(a) no qual nos afeiçoamos mais do que os outros, não que não amemos todos da mesma forma, mas temos aquela simpatia inexplicável, com um ou com outro filho(a).

Acredito sim que Deus nos resgata de todas as formas, mas se cremos com maior intensidade nos ensinamentos que ele nos propõe, maior será a chance de sermos atendidos.

Já estamos cansados de ver, pessoas que são ruins aqui na terra, procedimentos incorretos, conseguem se dar bem em questões financeiras, normalmente são privilegiados na sociedade a maioria das coisas que pedem eles conseguem, porque será?E por sinal, bosn questionamentos os seus.

Abraços,

Flávio José.

Oi amigo Flavio José  Nós colocamos esse questionamento, exatamente porque muitas pessoas, até mesmo no meio espírita acreditam que Deus só atende seus pedidos se tiverem merecimento. É verdade que devemos procurar ser merecedores, não resta dúvida! Acreditamos, porém, que se o pedido  for para o atendimento de um NECESSIDADE REAL, Deus não deixará de atender seus filhos.

A Questão nº 864 de O Livro dos Espíritos responde o assunto sobre algumas pessoas que aparentemente conseguem tudo. Vejamos a pergunta: "Se há pessoas para as quais a sorte é contrária, outras parecem favorecidas por ela, pois tudo lhes sai bem, a que se deve isso?

Resposta:" Em geral, porque sabem orientar-se melhor. Mas isso pode ser, um gênero de prova: o sucesso as embriaga, elas se fiam no seu destino e frequentemente vão pagar mais tarde esse sucesso com revézes cruéis, que poderiam ser evitados com um pouco de prudência".

Um grande abraço, amigão. Muito grato pela sua colaboração.

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!