AMIGOS ESPIRITAS

 

TENHO DUVIDAS DE COMO AGIR,QUANDO PERDEMOS UM ENTE QUERIDO,COMO DEVEMOS AGIR?NÃO DEVEMOS NUNCA MAIS LEMBRAR DELE?HOJE UM AMIGO QUE PERDEU SEU FILHO HÁ ALGUNS ANOS ATRÁS,PERGUNTAVA E DIZIA QUE SE ELE ESTIVESSE AQUI CONOSCO,ESTARIA COMPLETANDO 30 ANOS,E QUE ELE TINHA MUITAS SAUDADES,E QUE ALGUNS HAVIAM DITO,QUE ELE O DEIXASSE EM PAZ E NÃO FALASSE MAIS O NOME DO MENINO.

E EU TIVE UM IMPETO E RESPONDI,QUE ELE PODERIA SIM LEMBRAR DO GAROTO,E QUE ELE DEVERIA REZAR,POIS REZAR NUNCA É DEMAIS.E QUE ELE FIZESSE O QUE O CORAÇÃO E A INTUIÇÃO DELE MANDASSE.

NÃO SEI SE FIZ CERTO?

POR ISSO MINHA PERGUNTA,MAS ENTENDO QUE NA TERRA ELE FOI ESCOLHIDO PARA SER PAI DELE,E PORTANTO PARA MIM É NORMAL QUE SE SINTA SAUDADES.

NÃO PEDINDO A PRESENÇA DELE,E PEDINDO PARA ELE RESOLVER PROBLEMAS,ACHO QUE PODEMOS LEMBRAR DOS NOSSOS AMIGOS JÁ FALECIDOS.

MAS GOSTARIA DE UMA EXPLICAÇÃO MAIS DETALHADA.

OBRIGADO

MARA

Exibições: 1809

Responder esta

Respostas a este tópico

MENSAGEM 03 PARA MARA REGINA MINIOLI:

 

PERDA DE PESSOAS AMADAS/MORTES PREMATURAS

 

               Quando a morte acontece nas nossas famílias, levando, sem restrições, os mais moços antes dos mais velhos, (ou os mais velhos antes dos mais novos), costumamos dizer: Deus não é justo, pois:

  • § sacrifica um que está forte e tem grande futuro e conserva os que já viveram longos anos cheios de decepções;
  • § leva os que são  úteis e deixa os que para nada mais servem;
  • § despedaça o coração de uma mãe, privando-a da inocente criatura que era toda a sua alegria.

            É nesse ponto que precisamos elevarmo-nos acima do  terra-a-terra da vida, para compreendermos que:

ü  o bem, muitas vezes, está onde julgamos ver o mal;

ü  a sábia previdência divina, está onde pensamos estar a cega fatalidade do destino.

              Por que havemos de avaliar a justiça divina pela nossa? Podemos supor que Deus fique sempre, por mero capricho, a nos infligir penas cruéis? Nada se faz sem um fim inteligente e, seja o que for que aconteça, tudo tem a sua razão de ser. Se vigiássemos melhor todas as dores que nos acontecem, nelas encontraríamos sempre a RAZÃO DIVINA, RAZÃO REGENERADORA, e os nossos miseráveis interesses se tornariam de tão secundária consideração, que os atiraríamos para último plano. Devemos crer: a morte é preferível, numa vida de poucos anos, a esses vergonhosos desregramentos que:

desonram famílias respeitáveis,

dilaceram corações de mães e fazem que antes do tempo embranqueçam os cabelos dos pais.

            Freqüentemente, a morte prematura é um grande benefício que Deus concede aquele que se vai e que assim se preserva das misérias da vida ou das seduções que talvez lhe acarretassem a perda. Não é vítima da fatalidade aquele que morre na flor dos anos: é que Deus julga não convir que ele permaneça por mais tempo na terra.

            É uma horrenda desgraça, dizemos, vermos cortado o fio de uma vida tão cheia de esperanças! Mas, de que esperanças falamos? Das da terra, onde o liberto poderia brilhar, abrir caminho e enriquecer? Sempre temos essa visão estreita, incapaz de elevar-se acima da matéria. Sabemos qual teria sido a sorte dessa vida, ao nosso parecer tão cheia de esperanças? Quem nos garante que ela não seria saturada de amarguras? Desdenhamos então das esperanças da vida futura, ao ponto de a preferirmos as da vida efêmera que arrastamos na terra? Supomos então que mais vale uma posição elevada entre os homens, do que entre os Espíritos bem-aventurados? Pois, saibamos: “aquele que partiu concluiu a sua tarefa e nós, que ficamos, talvez não tenhamos principiado a nossa”.

            Em vez de nos queixarmos, regozijemo-nos quando praz a Deus retirar deste vale de misérias um de seus filhos. Não será egoísmo desejarmos que aqui ele (a) continuasse para sofrer conosco? Ah! Essa dor se concebe naquele que carece de fé, que vê na morte uma separação eterna. Nós, porém, sabemos que a alma vive melhor quando desembaraçada do seu invólucro corpóreo.

            Familiares, sabei que vossos bem-amados estão perto de vós, sim, estão muito perto:

  • seus corpos fluídicos vos envolvem;
  • seus pensamentos vos protegem.
  • A lembrança que deles guardais os transporta de alegria, mas também as vossas dores desarrazoadas os afligem, porque denotam falta de fé e exprimem revolta contra a vontade de Deus.

            Nós que estamos sempre a tentar compreender a vida espiritual, devemos vigiar as pulsações do nosso coração a chamar esses entes bem-amados e, se pedirmos a Deus que os abençoe, em nós sentiremos fortes consolações, dessas que secam as lágrimas; sentiremos aspirações grandiosas que nos mostrarão o porvir que o SOBERANO SENHOR nos prometeu.

                                                                                                 (E.S.E. – com adaptações).

 

Com abraços fraternais.        LEAODRHO

 

acho que o pior é quando voce sabe que a pessoa esta doente e não ficara muito tempo com a gente do que esta lembrando de uma pessoa que ja faleceu, por isso eu acho que é bom lembrarmos sim dos falecidos e pedir a Deus que tenha ele em um bom lugar 

Entendo que : Ser espiritualista não significa sermos incensíveis. Então acho certo sentir saudades de um ente querido nosso. Isso não significa que estamos chamando ele . Ora se alguém perde um ente querido, perdeu alguém que fez parte da sua vida nesta encarnação, viveu e conviveu com você, é justo que se sinta falta e lembre-se vez por outra daquele ser. O que não não devemos é chamar para perto,tentar traze-lo a todo custo, realizar pedidos. Pois ninguém sabe onde e como aquele ser encontra-se. Creio que fazer preces nos alimenta a alma em relação a saudade e ajuda de alguma maneira nosso ente querido. É assim que sinto. Muita paz e muita luz.

perdi meu filho,a /6anos ;mesmo crendo que vou me encontrar com ele dinovo,mesmo sonhando;

com ele e ele me dizendo para nao chorar porque ele esta bem

ainda assimsofro guando pesso nele.Porisso, procuro nao lembrar dele para eu náo sofer.

ecomum,pois somos humano,e estamos do lado decá.não lembrar dele não quer dizer que deixei de ama-lo mas como ele mesmo diz para eu não sofer mais.

"Nascer e morrer são pontos de inflexão de um ampla senóide biológica que denominamos VIDA. Vida, sempre vida, ora na dimensão Física, ora na dimensão Espiritual".  (Dr. Hernani G. de Andrade: Livro "Morte, renascimento, evolução:;uma biologia transcedental"

"Nascer, morrer, renascer ainda; progredir sempre: tal é a lei". (Allan Kardec)

Grande abraço à todos e viva a VIDA !!!

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!