(Copiando do blog)

Olá a todas/os,

Depois de eu responder a questão sobre se os animais têm alma, Henrique perguntou-me se as plantas a têm. Escrevi uma resposta que, para variar, ficou longa (é difícil tratar um assunto com profundidade suficiente em poucas linhas). Assim, resolvi colocar minha mensagem no arquivo anexo,

plantas-tem-alma-interrog.doc

Espero que dê certo.

aaaaaaaaaaaaaa, VWS.

Exibições: 1772

Responder esta

Respostas a este tópico

Olá a todas/os,

Nádia e Wellington,

Alma é mais do que vida. Reagir, como fazem as plantas, não é sentir. (Deixem de regar uma planta de interior de uma casa para ver o que acontece -- mas ela não sente sede!!!) POR FAVOR, leiam com atenção minhas postagens de 3/9 e 26/11/12, neste tópico. E critiquem minhas colocações objetivamente, para podermos discutir claramente.

aaaaaaaaaaaa, VWS.

Então como fica a questão do vegetarianismo e veganismo? Por mais voltas que dê à minha cabeça ainda não estou convencida que deixar de comer carne e seus derivados seja um ponto fundamental como defendem os seus apologistas ...

Olá a todas/os,

Alexandra, o vegetarianismo não deve ser uma regra geral. Há pessoas que precisam de carne para se manterem bem encarnadas; se param de comer carne, têm a tendência a "voar", tornam-se sonhadoras e perdem o bom senso. Há outras que não precisam de carne, mas deveriam compensar o vegetarianismo com um intenso trabalho espiritual interior, fortalecendo seu Eu Superior por meio da meditação, para compensar o efeito da carne, que nos liga fortemente a Terra.

Não se deve abraçar o vegetarianismo por uma questão filosófica, religiosa, teórica ou econômica.

Eu sou lacto-vegetariano há 42 anos, desde que descobri que era possível viver sem carne. A razão é que gosto muito dos animais, e ao ver carne não consigo me abstrair do próprio animal.

Costumo dizer que se uma pessoa passa em frente a uma churrascaria e começa a babar, certamente precisa comer carne.

Finalmente, acho ridículo comerem-se imitações vegetais de carne, como carne de soja. (Eu jamais me preocupei com proteínas.) Se uma pessoa necessita do aspecto e do gosto da carne, é por que precisa de carne, ora bolas!

aaaaaaaaaaaaaa, VWS.

CONCORDO OBRIGADA ..

Olá a todas/os,

Em várias das postagens neste tópico eu me referi ao meu texto "Uma introdução antroposófica à constituição humana". Só que foi feito um novo site da Sociedade Antroposófica, do qual fui totalmente excluído, isto é, não tive nele participação alguma. Um das coisas que os implementadores fizeram foi eliminar todo o site anterior, em lugar de deixar todo o material com o mesmo endereço e, à medida que colocassem no novo  site o material antigo, com novos endereços, colocar um desvio automático para a página correspondente no novo site. Com isso, vários de meus artigos desapareceram. Por isso, esse que eu citei eu coloquei em meu próprio site, vejam em 

http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/const1.htm

Por favor, mas por favor mezzzzmo, leiam esse texto, pois nele eu caracterizo o que é entendido por alma na Antroposofia. É algo totalmente diferente do que o membro não físico que dá as manifestações vitais aos seres vivos, e que as plantas têm, pois têm vida. No entanto, segundo a caracterização citada dada à alma, as plantas não a têm.

Vou repetir o que escrevi aqui no EB várias vezes: é absolutamente essencial, do ponto de vista espiritual, que se compreenda a constituição não física do ser humano, bem como a dos animais e plantas. É devido a essa falta de compreensão que se associa alma às plantas. O fato de elas terem vida não implica de modo algum em terem alma. O fato de reagirem a sentimentos humanos não significa que elas têm alma -- como já escrevi, elas reagem à luz mas isso é feito de maneira exclusivamente física, é um fenômeno que não tem nada de não físico. Assim, não é uma simples reação das plantas que deve indicar que elas têm alma. Mas para isso é preciso compreender o que é a alma. Leiam meu texto, por favor. E tragam dúvidas sobre ele, assim podemos discutir objetivamente.

Em particular, é impossivel compreender a reencarnação se não se compreende a constituição espiritual do ser humano; não é nem seu membro não físico responsável pelas funções vitais, nem sua alma que se reencarnam. Por isso plantas e animais NÃO se reencarnam.

aaaaaaaaaaaaa, VWS.

 

 

Bom dia 

Eu gostaria de ter Valdemar W. Setzer mais informações sobre: Porque Deus permite a existência de drogas e álcool? Estou passando muitos problemas com um familiar que esta envolvido com os mesmos e eu queria ter mais informações sobre o assunto para poder ajuda-lo.

Muito abrigado e muita luz!

Eu acho que as plantas tem apenas vida orgânica, elas não pensam. Não possuem sentimento e nem sentem dor. E se caracterizam pela capacidade de fabricar seu próprio alimento.

Abraços

 

Acredito no que posso ver e sentir. Assim, vejo nos seres vivos , animais plantas e outros que todos têm um sistema nervoso interno por onde comandam o corpo. Este comnando é feito por deslocamento de eletrons, e onde existem eletrons em movimento existe em torno deles um campo magnético. Creio que a este campo chamam alma, espirito, ...

 

Olá a todos,

Mônica, os seres divinos que criaram o universo físico e o ser humano criaram também as entidades que representam o Mal, algo contra a evolução normal do universo. Pois se não houvesse o Mal não teríamos caído na matéria e adquirido a possibilidade de sermos livres. Quando o ser humano ainda estava no mundo espiritual (na época da maravilhosa imagem do Paraíso bíblico), ele não podia errar. A imagem bíblica é clara: somente depois de "comerem" o fruto da "árvore do conhecimento do bem e do mal" (Gen 2:17) os seres humanos adquirem autoconsciência (portanto, antes disso não puderam pecar), seus olhos se "abrem"  e notam que estavam "nus" (Gen 3:7) -- uma criança pequena ainda não tem autoconsciência e não nota que está nua. Agora estamos abandonados pelas divindades do Bem, pois se elas não se afastassem não poderíamos ser livres; nesse sentido, Deus  (seja lá que entidade se considere que seja) não pode ser onipotente.

Acontece que, por estarmos abandonados pela divindade, e sermos livres, temos a possibilidade de escolher entre o Bem e o Mal. Só que as entidades do Bem não nos forçam a nada (pois isso iria contra a nossa liberdade, que faz parte essencial de nossa evolução). Mas as o Mal forçam, e como! Para começar, querem acabar com a nossa autoconsciência e livre arbítrio, e as drogas são um maravilhoso instrumento para isso.

Não sou terapeuta, de modo que não posso dar-lhe um conselho do que fazer com seu familiar. Além disso, cada caso é um caso. O que eu poderia dizer é que um dos efeitos das drogas -- e de todos os meios eletrônicos, TV, video game e computador -- é diminuir a força de vontade. Portanto, um tratamento seria desenvolver, ou  mesmo devolver a força de vontade a seu familiar. Mas para isso ele deve primeiro reconhecer que tem um problema e ter um impulso de resolvê-lo. Sem isso, qualquer exercício que eu recomendasse ele não iria fazer.

aaaaaaaaaaaaaa, VWS.

Olá a todas/os,

Graccho, você vê seu pensamento? Não. Você sente seu pensamento? Não. Você observa seu pensamento com o próprio pensamento. Portanto, se você não vê nem sente seu pensamento, pelo que você mesmo disse, você não acredita que pensa!!!

O resto de seu raciocínio, Graccho, é essencialmente materialista. Parte de fenômenos físicos achando que chega ao espírito -- e jamais vai chegar. O caminho espiritual deve ser o contrário: reconhecermos a existência da alma e do espírito e considerarmos que as reações físicas são consequência da atuação anímica ou espiritual. De fato, Graccho, não se pode, do ponto de vista científico, dizer que nossos pensamentos, sensações, sentimentos e impulsos de vontade são gerados pelo nossos sistema nervoso -- simplesmente por que não se sabe como esse último funciona. Não se sabe nem mesmo como e onde está gravada no cérebro uma representação do número 2, como essa aí. Portanto, do ponto de vista científico não materialista podemos fazer a hipótese de que pensar, sentir e querer são atividades não físicas produzidas pela alma, que se utiliza do sistema neuronal para que tenhamos consciência dessas atividades. Nesse sentido, Graccho, o cérebro é como um espelho, que reflete, por exemplo, nossos pensamentos não físicos para nossa consciência. A atividade neurológica é uma consequência, e não a causa.

aaaaaaaaaaaaa, VWS.

Realmente, eu não vejo meu pensamento, mas ele fala comigo todo o tempo. Eu o sinto...o que eu não sinto é o seu, pois so tomo conhecimento do que vocce fala ou escreve. E continuo a ver e sentir pois com isso toda a tecnologia que voce usa foi inventada, alias, eu participei dela quando era Telebras....Uso minha cabeça para coisas uteis não para discutir crenças pois isso é escolha de cada um, que merece respeito.
 
Graccho Maciel disse:

Acredito no que posso ver e sentir. Assim, vejo nos seres vivos , animais plantas e outros que todos têm um sistema nervoso interno por onde comandam o corpo. Este comnando é feito por deslocamento de eletrons, e onde existem eletrons em movimento existe em torno deles um campo magnético. Creio que a este campo chamam alma, espirito, ...

 

Anexos

Olá a todas/os

Graccho, você diz que sente o pensamento. Pois bem, em português temos um problema: "sentir" refere-se tanto a ter sensações quando a ter sentimentos. Em inglês há dois verbos distintos: to sense e to feel, respectivamente. Em alemão, empfinden e füllen. Se você come uma banana verde, você tem a sensação do gosto da banana. Depois disso, você tem um sentimento: gostar ou não da sensação da banana verde (eu não gosto...). Sentimentos mais básicos são simpatia e antipatia. Eu tenho antipatia por banana verde. E mais básicos ainda são atração e repulsa (eu tenho repulsa por banana verde).

Levando em conta essas caracterizações do sentir, não se pode dizer que se sente o pensamento; não temos a sensação dele, nem temos o sentimento dele. Nós observamos o pensamento, com o próprio pensar. O pensar é a única atividade no universo em que o objeto da ação (o pensamento) confunde-se com a própria ação (o pensar).

Finalmente, se pela sua frase "Uso minha cabeça para coisas uteis não para discutir crenças" você quis implicar que essa discussão é inútil e eu tenho crenças, gostaria de esclarecer o seguinte. 1. Compreender com clareza o que é o pensar, o sentir e o querer (vontade que se expressa em ações) é algo que considero absolutamente fundamental para se compreender o que é o ser humano. Eles ocorrem normalmente em conjunto (se eu penso em banana verde, logo sinto a sensação que tenho ao morder uma, e tenho o sentimento de repulsa). Mas são atividades diferentes da alma. E com isso caracteriza-se um pouco do que se pode entender por alma, o que também é fundamental. 2. Eu não tenho crenças; não acredito em nada (para os matemáticos: a única coisa em que acredito é que não acredito em nada, he he he!). O que tenho é hipóteses de trabalho, sempre sujeitas a comprovação experimental e a verificação da coerência. Pois a hipótese de que o cérebro não gera o pensamento, o sentimento e a vontade é baseada em inúmeras evidências e, repito o que escrevi na postagem anterior, não contradiz em abosluto os fatos científicos conhecidos. Contradiz, isso sim, julgamentos científicos, por exemplo de quase todos, senão todos, os neurocientistas que, por serem materialistas, não conseguem fazer a hipótese de que temos algo não físico que gera aquelas atividades mentais, usando o cérebro para que tenhamos consciência delas. A hipótese de que não é o cérebro que gera as funções mentais é outro ponto fundamental para se compreender espiritualmente o ser humano.

aaaaaaaaaaaa, VWS.

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!