Além de obsessões, existem outros males vindos do mundo espiritual?

 

Olá meus amigos e irmãos,

 

Gostaria de saber se alguém pode me falar um pouco de outras formas onde a espiritualidade pode agir negativamente sobre encarnados, além dos conhecidos obsessores.

 

Abraços a todos

Exibições: 216

Responder esta

Respostas a este tópico

Oi Fabio, beleza !!!!!

 

 

Já parou para analisar o que você pensa ? O que você sente ?

Amigo, isso fica registrado e acumulado numa força energética chamada egrégora (que alimenta você e você alimenta ela) e, essa energia, volta pra você sem precisar de "obsessores"....

Alguns "antagonistas" (desencarnados ou não)  se utilizam da força mental  que nós mesmos produzimos para impregnações de diversas classes.

 

Abraços.

Na minha opinião, Deus não criou o mal em nada. O mal é uma consequência da má utilização do livre-arbítrio, só possuído pelos espíritos. Portanto, a unica influência negativa do universo só pode vir ou deles ou de nós mesmos.

Olá Marta,

Grato pela informação! Não tinha ouvido sobre egrégora. Me parece interessante! Você pode me passar uma fonte confiavel para que eu possa saber mais?

Que tipo de impregnações/classes vc fala?

Larvas, chips?

 

Abraço :)

Olá Victor,

 

Sim, concordo com você. Mas vem deles ou de nos mesmos como? Qual o mecanismo, a ferramenta? Qual a arquitetura? o funcionamento do mal mesmo!!

 

abraço

Fabinho,

 

As impregnações, podem ser larvas, chips, obsessão (de todas as classes), paralisias mentais, simbioses, vampirismos e etc...

O que o Victor falou é de extrema coerência. A energia universal é virgem, quem dá a direção somos nós.

O mal não vem de fora. Não é o mundo que é mal....é o somatório de nossas atitudes, pensamentos e sentimentos (do passado e de agora) que gera uma energia, e esta, volta pra nós. As pessoas (encarnadas ou não) são os instrumentos criadores dessa energia.

A ignorância diante da lei de retorno, e o processo mental preso no egoísmo faz com que as nossas atitudes fiquem centradas no nosso umbigo. Nesse sentido, começamos a "criar" o negativo pra nós mesmos e para a coletividade. No dia em que as nossas intenções íntimas saírem do "eu" e agirem no "nós" (faça aos outros o que queres pra ti), esse ciclo vicioso se rompe.

Se observarmos os processos de obsessão, o elo que nos prende a estes companheiros estão justamente na corrente energética que criamos para nós mesmos ao longo de muitas vidas. Para haver a 

"conexão" das mazelas, tem que haver um "plug" em nós. Pense nisso.

 

Se você quiser, eu tenho lá na minha página, uma postagem sobre Forma Pensamento. Lá tem um texto explicativo bem bacaninha que foi trazido pelo amigo Evaldo da Teosofia Esotérica (aqui mesmo do 

Espirit) segue um pedaço:

 

"EGRÉGORA provém do gregoegrêgorein: velar, vigiar, e a origem do termo é a mesma de "gregário" (do latim gregariu: que faz parte da grei, congregação, sociedade, conjunto de pessoas). No plano metafísico usa-se esse termo para designar um grupo vibracional, um campo de energia sutil em que se congregam forças, pensamentos ou vibrações com um determinado fim ou direcionamento espiritual. Segundo a ciência, as artes e a filosofia, nós vivemos no mundo das formas, e tudo o que nós percebemos pelos nossos cinco sentidos tem forma. Já os sentidos superiores: mental abstrato, intuitivo e consciência plena, também têm formas, cores e sons próprios. Egrégora é a somatória de energias mentais, criadas por grupos ou agrupamentos, que se concentram em virtude da potência vibratória; designa a força gerada pelo somatório de energias físicas, emocionais e mentais de duas ou mais pessoas, quando se reúnem com identidade de crenças, propósitos ou devoções, para qualquer finalidade. Todos os agrupamentos humanos possuem suas Egrégoras características: todas as empresas, clubes, religiões, famílias, instituições, escolas, partidos, etc., possuem Egrégoras formadas pelas energias psíquicas de seus freqüentadores. Papus, em seu “Traité élémentaire de Science Occulte” diz tratar-se de "imagens astrais geradas por uma coletividade". Locais sagrados como Aparecida, Lourdes e Fátima, têm Egrégoras poderosíssimas, formados pela fé e mentalizações dos devotos, que acumulam as energias psíquicas dos fiéis. Todos nós estamos envolvidos a todo instante com inúmeras Egrégoras de todos os tamanhos (de uma maneira análoga a um rádio que está envolvido por inúmeras freqüências ao mesmo tempo); podemos fazer uma analogia a este mar de Egrégoras com o que Jung chamou de“Inconsciente Coletivo”. Isso significa dizer que qualquer aglomerado humano, seja um pequeno grupo de pessoas, uma cidade ou mesmo um país tem sua Egrégora, sua Alma Coletiva. Trata-se, pois, da energia resultante da união ou da soma de várias energias individuais formada pelo afluxo dos desejos e aspirações dos membros daquele grupo, gerando “esferas” (concentrações) de energia comum, que se agrupam e se "arranjam" em uma Egrégora. Por conseguinte, quando nos reunimos em busca de uma meta comum, desenvolvemos uma consciência coletiva em decorrência dos pensamentos conscientes individuais unificados em um pensamento harmônico com a mente universal, estabelecendo estado de inconsciente coletivo que é infinitamente maior do que nossos pensamentos individuais. Numa visão mais ampla e contemporânea a Egrégora leva em conta o conjunto de hábitos e crenças estabelecidas através de valores, normas, atitudes e expectativas compartilhadas por todos os membros de um grupo."

 

Alguns outros amigos aqui do Espirit, já postaram temas semelhantes. Dê uma "futucada"...rsrsrsrs!

 

Abração!

Olá, Fábio!

 

Então, como engenheiro químico e cientista, estou de acordo com hipótese das vibrações. A lei de ação e reação é a mais válida do universo. Vibrações ruins atraem vibrações ruins e o mesmo ocorre com as boas. Acredito que hipóteses além disso vão para um universo muito imaginativo e especulativo. Pensar em frequência de ondas (destrutivas ou complementares, em ressonância) é mais científico, além de ser mais simples.

Olá Victor, Valeu...

Mas... você não crê numa existência extrafisica semelhante a nossa. Onde muitas coisas acontecem,  se desenvolvem e são super dinamicas??

Eu entendo seu modo de pensar em frequancia, a forma como! De fato, fica mais fácil entender. Mas isso não seria simples demais então? 

Acho logico, mas não deveríamos ou devemos pensar imaginar que para haver essa vibrações deve haver mecanismos mais complexos para tudo isso?

Eu te entendi??

 

Abraço

Opa, Fábio!
Sim, claro, mas eu coloco a hipótese das ondas já considerando a existência extrafísica, assim tanto os encarnados quanto os desencarnados podem ressonar. Quanto ao mecanismo em si, nem os próprios espíritos conseguem explicar perfeitamente, a teoria das ondas é o que mais se aproxima do mecanismo (existe um livro chamado Mecanismos da mediunidade de Ademar Arthur Chioro dos Reis que fala bastante sobre mecanismos, acho que você iria gostar!). O que você tinha em mente exatamente com "outras influências do mundo espiritual? Você estava [ensando em leis que regem o mundo dos espíritos que influenciariam o nosso mundo?

Olá Victor,

Grato pela indicação do livro. A uns tempos atrás me indicaram o mesmo. Talvez porque eu tenha levado as mesmas indagações daqui desse post.

Sim Victor, pensando nas leis que regem o mundo dos espíritos também, mas de uma forma digamos...mais alegorica. Literalmente algo que possa fazer mal e não seja obsessor. No caso citado por você seria uma delas, claro...vibrações.

Mas o que eu tenho em mente com ''outras influencias do mundo espiritual''?

Chips, larvas, mecanismos num ''modelo'' mais H.Tec como se ouve falar em tecnicas de apometria. Ebós...mecanismos de endereçamento de energias e vibrações mais ''eficientes''...digamos assim.

Até o momento entendo que tudo está em evolução. Mecanismos físicos e extrafísicos também, me entente?

Concorda ou discorda?

Grato.

Abraços

Epa! A discussão tá de alto nível!

Pegando um pouquinho aqui e ali, penso que o "mal" é o reflexo daquilo que nós projetamos; o obsessor, é alguém que sintoniza com nossa faixa vibratória. Liga-se a nós através daquilo que emitimos, em forma de pensamentos, vibrações...

as formas-pensamento, são projeções nossas, que as criamos através de nossos desejos, medos, angústias... Se recebem "alimento" (muitos pensamentos canalizados), podem transformar-se em egrégoras...

Ou seja, todo "mal" que está "fora" de nós, só se torna real p/ nós se estivermos na mesma sintonia (ou, no mesmo nível de desequilíbrio)... Acho que é mais ou menos isso...

Abraços em todos!

Oi Clô, Oi Marta! :)

Pensando assim, podemos estar sensíveis e suscetíveis a egrégoras não formadas por nós, certo? Vou considerar que sim!

Então podemos nos preservar de egrégoras ruins evitando lugares onde provavelmente é de formação ruim, como bares é moteis. Podemos também nos proteger com pensamentos positivos(ou nos ligar e alimentar a egrégoras boas) ou pedindo proteção a espiritualidade com cúpulas ou escudos Crísticos, certo? entendo que sim!

Meu questionamento principal então seria: um canal mediúnico descontrolado ou sendo usado de forma inconsciente pode nos ligar a egrégoras ou nos tornar ''abertos'' a elas?

Penso também que, em uma casa onde uma pessoa mentaliza o bem com sentimentos de amor, e outras o mal com sentimentos de odio e egoismo, a formação da egrégora dessa casa vai ser um tanto quanto complicada. Acho isso pois, se a egrégora e uma ''esfera de energia'' formada pela coletividade, uma coletividade enviando energias diferentes...fico imaginando como...

 

Namastê

 

 

Querido Fabinho...vamos lá !!!

 

Sim estamos suscetíveis a egrégoras, mas lembre-se Jesus andou em todos os lugares e conviveu com todos. A diferença entre ele e nós é justamente de sintonia. Parece simples né, mas não é não..!!!

 

Temos em nosso "arrasto mental", sintonias que nos revelam ainda fracos diante de determinadas egrégoras. É o nosso atraso moral que nos complica e muito. Existe um livro espírita chamado O Abismo, que fala de uma equipe de auxiliadores no plano umbralino. Nessa equipe existem os aprendizes que estão fazendo o seu "curso de aprimoramento". Em uma das  etapas eles passam por um lugar onde a sintonia era de suicídio e um dos aprendizes fica preso na energia. Eles, então, resgatam o aprendiz e deixam-o numa espécie de enfermaria e seguem o curso sem ele, pois ele não podeira ainda passar dali. 

 

Por isso o nosso canal mediúnico, que revela as nossas facetas ocultas, sendo mal usado, descontrolado e/ou infante é porta aberta sim, para energias de todos os tipos.

 

É necessário entender primeiro a que tipo de energia você alimenta, pois se você vive num ambiente desconfortável (que pode ser por diversos motivos), que vibra numa sintonia 10 e você vibra na sintonia 20, você vai entrar e sair dali numa boa, fazendo o seu papel  integrador .

Aí fica a dica do motel... e do barzinho....

 

Mas se a vibração do lugar for 10 e a sua for 5....ai mano....a cabeça começa a doer...irritações acontecem...e outros tantos sintomas....

 

São tantos casos.....

 

 

Beijinhos :-)

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!