No livro "O Semeador de Estrelas"  o médium, Divaldo P. Franco relata um fato profundamente marcante em sua existência.

        " Quando eu era muito jovem, esteve em moda, na Bahia, um tipo de sapato marrom e branco. Era horrível, mas eu achava uma beleza. Era de borracha, com uns dois dedos de espessura. Ao vê-lo me apaixonei e comprei um par, a prestação.  

        Eu estava com dezoito anos nessa época.

        Arrependi-me da compra no terceiro dia... no primeiro calcei-o e saí, mas ele pesava tanto que me deu cãibras.

        Entrei num ônibus, o primeiro que passou. Era um veículo que servia ao subúrbio; as pessoas entravam com galinhas, gaiolas, com tudo, adentravam-se e iam socando quem já estava, empurrando para o fundo. Eu também fui empurrado, porém, tentando defender o sapato novo... Nisso veio um homem enorme, chegou junto a mim e pisou no meu pé. Uns cem quilos! Eu não sentia tanto a dor no pé, mas o fato dele estar estragando o meu sapato novo. Se ele fosse, mais baixo do que eu, acho que lhe teria dado um empurrão, porque a valentia da gente é sempre contra o mais fraco... Mas, quando olhei ele era enorme. Aí, fui muito delicado...

        - O senhor quer tirar o seu pé de cima do meu?

        - Ah! granfino, não é? Por que não pegou um carro?

        E pisou com mais força. Eu não podia reclamar, o jeito era sair dali.

        Quando ônibus parou eu o empurrei e desci. Fora, olhei o sapato, estava todo rasgado. Confesso que chorei de raiva, de mágoa, de dor, pois ainda teria que o pagar...

        Eu era médium, mas ainda não era espírita. Já atendia aos pobres e sofredores, exercia a mediunidade.

        Daí a dias, quando estava atendendo a fila, em nosso Centro Espírita, vi o tal homem ali postado.

        Pensei: ele me descobriu e vem dar-me uma surra.

        Baixei a cabeça e, quando ele chegou perto, eu o fui olhando devagar. Ele perguntou-me:

        - O senhor é o seu Divaldo?

        - Sim, senhor - respondi contrafeito.

        - Seu Divaldo, eu vim aqui pedir uma caridade. Estou com um problema muito sério: a minha esposa está louca. Eu tenho quatro filhinhos. O senhor imagine que eu trabalho nas docas. Estou a ponto de matar-me, porque, pela manhã tenho que amarrar a minha esposa no quarto, tranco meus filhos noutro e saio para trabalhar.À noite, quando chego,  tenho que dar-lhe banho, dar comida aos meus filhos e tenho que cozinhar para o dia seguinte. Já não aguento mais! Internei-a num hospício e tirei-a. Levei-a no candomblé e me disseram que ela "tem" um Espírito. Eu ando provocando todo mundo, para ver se alguém me mata ou se eu mato, porque assim eu não suporto mais. Disseram-me que o senhor é médium: o senhor poderia fazer qualquer coisa para ajudar? 

        - Se o senhor tiver paciência de me esperar, quando acabar aqui irei lá com Nilson, para dar-lhe um passe e observá-la.

         Ele se dispôs a esperar. A fila sempre acabava pela madrugada. Assim fizemos. Fomos com ele à sua residência.

        Ao chegarmos, ouvímos ela urrando, berrando.

        - Ninguém dorme, explicou. A vizinhança já deu queixa na polícia.

        Fomos entrando, acompanhando-o. Ele abriu a porta do quarto e eu entrei. Ela estava toda amarrada com cordas e despida.

        - Ponha um cobertor sobre ela - pedi-lhe. E desamarre-a.

        - Mas, seu Divaldo, ela bate em mim, que sou deste tamanho, quanto mais no senhor...

        - Não faz mal; se ela bater, louvado seja Deus!

        Ele desamarrou-a e eu me aproximei.

        - Meu irmão, por que você faz isto? (Eu via o Espírito e ele assustou-se).

        - Por que você me chama de irmão?

        - Porque você é meu irmão, só que um irmão que já morreu. Você não pertence mais à Terra. Você morreu e está do outro lado da vida. Por que fazer isto com ela?

        E comecei a doutriná-lo. Eu acho que o Espírito gostou de mim, porque se acalmou e sentou-a no chão.

        - Eu tenho raiva desta mulher, eu odeio este homem. Eu sou fulano de tal. Ele me prejudicou nas docas, tomou o meu lugar. Você se lembra de mim? - perguntou dirigindo-se ao marido dela.

        - Lembro-me, sim.

       E começou uma discussão entre os dois.

        - O senhor fique calado, por favor - pedi. Deixe que eu lhe fale.

        Joana de Ângelis incorporou-me e conversou com o Espírito. Quando eu voltei ao normal a mulher estava calma, vestidinha.

        Retornei lá outras vezes, uma semana. Ela ficou boa. O marido se tomou de gratidão e amizade por mim, tornando-se quase um guarda-costas. Aonde eu ia pela madrugada, ele ia também, acompanhando-me.

        Meses depois, um dia, eu lhe perguntei:

        - Fulano, você não se recorda de mim?

        - Não, senhor, seu Divaldo. (Ele tinha quarenta e oito anos e me chamava de senhor, a mim, que tinha dezoito).

        - Você não se recorda de um sujeitinho antipático, que entrou no ônibus de sapato marrom e branco?

        - Não, senhor.

        - Você se lembra da pessoa que você pisou no pé? Você nunca me viu?

        - Não, nunca!

        Então eu contei-lhe o caso e ele me respondeu:

        - Ah! seu Divaldo! Naquele tempo eu andava louco; provocava as pessoas para ver se alguém em matava ou se eu o matava, porque assim eu iria para a cadeia e ficava livre deste mundo horroroso...

        Então, aquele homem rude aparentemente, era apenas um homem muito sofrido. Ele tinha um problema tão grande, que se tornara agressivo, a fim de ver-se livre da aflição.

        Isso me ensinou a nunca revidar. Eu não sou uma pessoa boa, mas não revido.

        *******************************************************************************************

        Interessante enfoque sobre as causas da agressividade humana. A violenta reação das pessoas é, muitas vezes, o resultado da violência da vida, de problemas que aturdem o ser humano.

        Um homem sofrido, uma mulher louca. Obsidiada.

        ***********************************************************

        Fonte: Livro "O Semeador de Estrelas" - Autor(a): Suely Caldas Schubert - Livraria Espírita Alvorada -Editora.

       

        

        

        

     

    

        

        

Exibições: 814

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de Marcevania Maciel Rodrigues em 17 abril 2017 às 16:38

 Quem dera que mais e mais pessoas pudessem ler e seguir esse ensinamento.

Comentário de adão de araujo em 28 setembro 2014 às 13:51

Muito grato pela atenção caro amigo Benoni Martins. Um abração para você.

Comentário de Benoni Martins em 28 setembro 2014 às 11:52

São ensinamentos que a Doutrina nos proporciona caro Adão.

Oremos por todos e que Jesus, na sua bondade infinita, nos acolha os corações sob o manto da sua misericórdia.

Abraços!

Comentário de adão de araujo em 28 setembro 2014 às 8:53

Muito grato pela cortesia amigão José Fernando Banin. Abraços fraternais.

Comentário de adão de araujo em 28 setembro 2014 às 8:52

Pura verdade, amiga Joana Rosa Rodrigues.. Um grande abraço para você.

Comentário de José Fernando Banin em 28 setembro 2014 às 2:53

O  "causo"  nos faz gostar um pouco mais do Divaldo. Obrigado Adão...

Comentário de JOANA ROSA RODRIGUES em 27 setembro 2014 às 21:24

as vezes as reações violenta do ser e' um grito por socorro...

Comentário de adão de araujo em 27 setembro 2014 às 16:58

Um forte abraço para você amiga Maria Fidalgo. Paz em nome de Jesus.

Comentário de maria fidalgo em 27 setembro 2014 às 15:48

   boa   tarde   amigo   Adao   sim   belo   aviso   de   Divaldo   ja   ouvi   esta   contar   isso   aqui   no   Porto     Portugal    ele   vem   1   vez   por    ano   ai   tento   ir   ouvir   ele   pois   sempre   conta   casos   reais   mas   gostei   de   voltar   a   ler   pois   da   para   meditar   e   muitas   vezes   responder    com   o   silencio   as   provocassoes   fica   em   paz   de   Jesus   amigo

Comentário de adão de araujo em 27 setembro 2014 às 15:23

Muitíssimo grato pela leitura amiga Maria Claurinda Martins Pinto. Muita Paz.

© 2017   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!