Resultado de imagem para choque de retorno

O ato "inocente" de falar mal do outro, pode arruinar com o clima em qualquer ambiente, gerar conflitos e destruir reputações de pessoas e de casas espiritualistas. Enquanto para alguns, a maledicência é um hábito "inofensivo", basta o comentário ser negativo que já está se fazendo fuxico ou fofoca, ou como bem instrui o texto a seguir, feitiço ou magia negativa. Se observa e se combate o ato de falar mal de alguém, que são processos de enfeitiçamentos mentais pelo uso da palavra, mas esquecemos que também é tão fofoqueiro ou feiticeiro quem dá ouvidos a quem fala mal, pois potencializa as ondas mentais deletérias que tem um alvo e objetivo comum - o indivíduo que se está falando mal e que pode acabar enfeitiçado. Afinal, quanto somos de feiticeiros em nosso dia a dia?


 FEITIÇO VERBAL - O homem é um espírito ou núcleo espiritual, que centraliza em si todos os tipos de forças imanentes aos diversos planos da vida.

 Quando o espírito pensa, ele agita todos os campos de forças que baixaram vibratoriamente até atingir o seu períspirito e o corpo físico; assim, projeta em todas as direções energias benfeitoras ou malévolas, criadoras ou destrutivas, segundo a natureza dos seus pensamentos e sentimentos.

 A palavra, portanto, é a manifestação sonora, para o mundo exterior, do sentimento ou pensamento gerado no plano oculto do ser.

 A palavra tem força, pois é o veículo de permuta do pensamento dos homens. Consoante a significação, a intensidade e o motivo da palavra, ela se reveste de igual cota de matéria sutilíssima do éter físico, sobre aquilo que ela define.

 O enfeitiçamento verbal resulta de palavras de crítica antifraterna, maledicência, calúnia, traição à amizade, intriga, pragas e maldições. A carta anônima e até mesmo a reticência de alguém quando, ao falar, dá azo a desconfiança ou dúvida sobre a conduta alheia, isso é um ato de enfeitiçamento. O seu autor é responsável perante a Lei do Carma e fica sujeito ao “choque de retorno” de sua bruxaria verbal, segundo a extensão do prejuízo que venha a resultar das palavras ou gestos reticenciosos desfavoráveis ao próximo.

 Quando a criatura fala mal de alguém, essa vibração mental atrai e ativa igual cota dessa energia das demais pessoas que a escutam, aumentando o seu feitiço verbal com nova carga malévola. Assim, cresce a responsabilidade do maledicente pelo caráter ofensivo de suas palavras, à medida que elas vão sendo divulgadas e apreciadas por outras mentes, atingindo então a vítima com um impacto mais vigoroso do que o de sua força original. O malefício verbal segue o seu curso, pessoa por pessoa, assim como a bola de neve se encorpa lançada costa abaixo!

 A mobilização de forças através do verbo é predominantemente criadora (*), é uma ação de feitiçaria de consideráveis prejuízos futuros para o seu próprio autor, pois as palavras despertam ideias e estas produzem a convergência de forças repulsivas que se acasalam à natureza do pensamento e do sentimento tanto de quem fala como de quem ouve. 

 RAMATÍS, Magia de Redenção (Ed.do Conhecimento).
(*) Vide o capítulo “Ante o Serviço” da obra Nos Domínios da Mediunidade, de André Luis, em que a praga paterna deu origem à paralisia do braço do filho desnaturado.

Agradeço a companheira de ideal Simone Martins por compartilhar importante texto.
Material do Estudante Espírita

Exibições: 59

Tags: Feitiço, Ramatis, a, choque, de, do, feitiço, força, magoa, negativa, Mais...palavra, retorno, verbal, verbo

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

© 2017   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!