A SOLIDÃO DA BALEIA - Texto para Reflexão !

        No ano de 1992 uma equipe de pesquisadores navegava pelo oceano Pacífico Norte quando se deparou com uma baleia. Avistar uma baleia seria um fato absolutamente normal; um detalhe, porém, causou estranheza: a baleia vagava sozinha.

        Desde então equipes de pesquisadores passaram a estudar o gigantesco mamífero. Observaram então, que, muitas vezes a baleia se aproximava de outros grupos mas era solenemente ignorada. Era como se para as outras da sua espécie, ela não existisse.

        Por volta de 2004,  em uma medição sonora específica, os pesquisadores descobriram que as baleias se comunicam emitindo sons cujas frequências variam entre 12 e 25 Hertz. O curioso foi a constatação de que a baleia solitária emitia ondas sonoras de 52 Hertz !

        O conceituado jornal New York Times reportando-se ao caso da estranha baleia comentou: " Ela deve estar dizendo: "Ei, eu estou aqui"! , mas não há ninguém que consiga ouví-la". A canção da baleia foi considerada  dramática. Não existiria um parceiro ideal para ela. Uma alteração genética; talvez uma evolução antecipada estaria condenando-a a vagar sozinha pela imensidão dos mares. Ouvindo, mas sem ser ouvida; reconhecendo, sem ser reconhecida.

        O caso desta baleia solitária lembra-nos a mensagem SOLIDÃO do Espírito Emmanuel a :

        " À medida que te elevas, no desempenho do próprio dever, experimentas a solidão dos cimos e incomensurável tristeza te constringe a alma sensível.

        Onde se encontram os que sorriram contigo na época primaveril da primeira mocidade? Onde estão os corações que te buscavam o aconchego nas horas de fantasia? Onde se acolhem quantos te buscavam o pão e o sonho, nas aventuras ridentes do início?

        Certamente, ficaram...

        Ficaram no vale, voejando em círculo estreito, à maneira de borboletas douradas, que se esfacelam ao primeiro contato da menor chama de luz que se lhes descortine à frente.

        Em torno de ti, a claridade, mas também o silêncio...

        Dentro de ti, a felicidade de saber, mas igualmente a dor de não seres compreendido...

        Tua voz soa sem eco e o teu anseio de alonga em vão.

        Entretanto, se realmente sobes, que ouvidos te poderiam escutar a grande distância e que coração faminto de calor do vale se abalançaria a entender, de pronto, os teus ideais de altura?

        Choras, indagas e sofres...

        Contudo, que espécie de renascimento não será doloroso?

        A ave, para libertar-se, destrói o berço da casca em que se formou, e a semente para produzir sofre e dilaceração na cova desconhecida.

       A solidão com o serviço aos semelhantes gera a grandeza.

        A rocha que sustenta a planície costuma viver isolada e o Sol que alimenta o mundo inteiro brilha sozinho.

        Não te canses de aprender a ciência da elevação.

        Lembra-te do Senhor, que escalou o Calvário, com a cruz nos ombros feridos. Ninguém o seguiu na morte afrontosa, à exceção de dois malfeitores, constrangidos à punição, em obediência à justiça.

        Recorda-te dele e segue...

        Não relaciones os bens que já espalhaste.

        Confia no Infinito Bem que te aguarda.

        Não esperes pelos outros, na marcha de sacrifício e engrandecimento. E não olvides que, pelo ministério da redenção que exerceu para todas as criaturas, Jesus o Divino Amigo, não somente viveu, lutou e sofreu sozinho, mas também foi perseguido e sacrificado

   

  ************************************************************

        Não te iludas, amigo! -  É necessário sofreres no silêncio para encontrares as alturas eternas.

        O deserto da Divindade é a mais rica das plenitudes...

        O silêncio de Deus, entretanto, é a mais estupenda das sinfonias do Universo...

        O silêncio da dor...

        O silêncio do amor...

        

  

      

        

   

       

    

  

Exibições: 615

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de Demerval Mendes Ferreira em 4 novembro 2014 às 13:57

Farei em breve um acróstico por via do qual espero tecer algumas palavras em favor dessa história da baleia, meu intento não é outro que lembrar exemplos de dignidade como aquele deixado pelo mestre nazareno Jesus Cristo na Palestina; nunca o mundo precisou tanto de exemplos de demonstrações exequíveis do amor fraterno como naquele tempo e hoje...

Comentário de adão de araujo em 4 novembro 2014 às 12:45

Estimada amiga Cleide Braga Galvão. Grato pelo seu comentário. Mantenha a fé em Deus, amiga; tudo tem seu tempo. Um dia você será compreendida e até apoiada em seus ideias. Muita paz;

Comentário de adão de araujo em 4 novembro 2014 às 12:42

Excelente e oportuno comentário, caro amigo Joston Miguel Silva. Muita paz.

Comentário de Joston Miguel Silva em 3 novembro 2014 às 21:51

Texto que revela um momento especial de certamente o alvorecer da iluminação. Enquanto R+C, Maçon, espiritualista, palestrante e escritor passei pela percepção de minha própria SOLIDÃO: meus gritos não tinham eco, minhas propostas eram ignoradas ou rebatidas sem levarem em conta as minhas razões, minhas explicações não eram compreendidas, nem compartilhadas... eu me senti e me sinto até hoje, SÓ quando observo julgando suas ações. Expliquei a mim mesmo essa solidão como A SOLIDÃO DO SÁBIO, pois ele só se depara com 'não sábios' e  'ignorantes', não encontrando seus iguais, ou se deixando perturbar pelos diferentes dele. No caso da baleia solitária, para mim, ela é quem rejeita; ela é que se afasta das demais; ela é que vai por outro caminho, abandonando as de sua espécie que não a ouve. Depois de me sentir abandonado, percebi minha arrogância, meu medo de ser agredido, destruído e fugi do convívio de muitos. Jesus não fugiu e foi espancado e morto, mas não se deixou levar pelo medo, nem pela arrogância de saber bem mais que os outros. Ao contrário, ao final  Jesus suplicou ao Pai gritando PERDOAI-OS POIS NÃO SABEM O QUE FAZEM. Joston.

Comentário de Cleide Braga Galvão em 1 novembro 2014 às 15:37

Esse texto foi reconfortante; a incompreensão das pessoas pela minha dedicação aos estudos e práticas da filosofia espirita me entristece muito, principalmente da família e do companheiro escolhido, que diáriamente me cobra abandonar os estudos espiritas pra mais uma graduação que julgam a mim necessária. É bom saber que mais pessoas também sentem a solidão que as vezes costumo sentir.

Fiquem todos na ´paz do Mestre Jesus.

Comentário de adão de araujo em 25 outubro 2014 às 10:51

Estimados amigos Maria Fidalgo, Demerval Mendes Ferreira, Avani Carvalho da Costa, Sueli Rodrigues, Ivete Ap. Soldati Thomé, Carlos Martins da Cunha, e Henrique: muitíssimo grato pela atenção e comentários. Muita paz para todos.

Comentário de maria fidalgo em 24 outubro 2014 às 19:04

       boa  noite   Adao   muito   linda   esta   mens   gostei    sim   dizer   a   verdade   sempre   afasta   os   ditos    amigos   mas   he   verdade   tem   muita   paz   amigo

Comentário de Demerval Mendes Ferreira em 24 outubro 2014 às 18:34

Ainda hoje tive a prova desse silêncio e desta solidão, infelizmente a grande maioria ainda não compreendeu nossa implícita relação, mas já vislumbro o dia em que o exemplo do bem disponibilizará o fruto e as sementes do bem que ainda dormita em muitos...

Comentário de Avani Carvalho da Costa em 24 outubro 2014 às 18:30

Excelente texto!

É como diz Emmanuel :" A medida que te elevas no desempenho do próprio dever, experimentas a solidão dos cimos e incomensurável tristeza te constringe a alma sensível".

Comentário de sueli rodrigues em 24 outubro 2014 às 16:55

boa tarde adorei esse texto isso oara mim é mais um apredizado do bem muito obrigada paz e luz .

© 2017   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!