* Referência: Capítulos do Livro Justiça Divina - Chico Xavier/Emmanuel (FEB).
Objetivo: estudo de questões do livro O Céu e o Inferno (CI) de Allan Kardec.
Roteiro: Meditação - Leitura da Questão - Curiosidades.
(Meditação sobre o capítulo 03-Não furtar)
Reunião pública de 27-1-61
CI – 1a Parte - Cap. VI – Item 24.


Em 2006, muito foi comentado sobre a mulher condenada a 4 anos de cadeia por roubar um pote de manteiga no valor de 3,20 em S.Paulo.

Isso dispara nossa indignação!

Tantos crimes habilmente formulados, onde milhões são desviados da merenda escolar, da saúde pública, dos cofres do Governo e ninguém nunca vai preso.

Ela roubou apenas um pote de manteiga !!!!

Eu não roubaria. Você certamente não o faria também.
Claro, nós estamos impregnados com o 8o. Mandamento:
-Não furtarás!

Nessa meditação, porém, Emmanuel nos adverte sobre possíveis furtos que cometemos e que não atentamos para a gravidade deles.

 Furtamos esperanças e entusiasmos quando aqueles companheiros, dedicados ao bem, nos ouvem falar de nossas amarguras, de nosso desânimo, das decepções que vivenciamos e que, ao falar nelas, apenas reforçamos o poder do mal.

Mas nós devolveríamos qualquer moeda que alguém perdesse.

Roubamos o bem moral alheio quando levantamos aquele comentário infeliz, do qual não temos certeza e nem nos preocupamos em questionar ao próprio personagem sobre a veracidade, mas que não hesitamos repetir em surdina para os amigos. Assalto com mão armada pela calúnia e pela maledicência.

Contudo, nunca tomaríamos um imóvel, de alguém.
Ah, isso não!

Surrupiamos a confiança dos outros quando traímos a palavra firmada em pequenos assuntos. Quando damos provas de que não se deve confiar em ninguém, quando argumentamos que a humanidade não é digna de confiança.

Entretanto, jamais levaríamos um objeto sequer da casa que nos recebe.

Assaltamos alegrias, harmonias e horas de paz quando destruímos, impiedosamente, a concórdia e o entendimento das pessoas. Quando “lançamos espalhando” nossas misérias interiores no ambiente que nos ouve, dividindo as pessoas presentes.

 Mas ficaríamos estupefatos se fôssemos chamados de ladrões. Isso nunca! Calúnia e difamação com causa ganha!

Não furtarás.” - diz a Lei Divina.

É preciso, porém, não furtar nem os recursos do corpo, nem os bens da alma, pois que a consequência de todo furto é prevista na Lei.” (Emmanuel)

==&==

E você?
Seria capaz de roubar algo?

Tem mais em Justiça Divina > 03-Pega Ladrão ( clique aqui! )
Curiosidades: qual a diferença entre roubo e furto?

http://estudandocomchicoxavier.wordpress.com/

Exibições: 890

Comentar

Você precisa ser um membro de Espirit book para adicionar comentários!

Entrar em Espirit book

Comentário de Alba Ghiu em 24 novembro 2012 às 12:30

Muito reflexivo.Obrigada.

Comentário de maria santos em 19 novembro 2012 às 19:23


BENS E MALES!

Quase sempre, na Terra, muitos bens são caminhos a muitos males e muitos males são caminhos a muitos bens.

Por isso, muitas vezes, quem vive bem à frente dos preceitos humanos, pode estar mal ante as Leis Divinas.


A dor, sendo um mal, é sempre um bem, se sabemos bem sofrê-la, enquanto que o prazer, sendo um bem, é sempre um mal se mal sabemos fruí-lo.

Em razão disso, há muitas situações, nas quais o bem de hoje é o mal de amanhã, ao passo que o mal de agora é o bem que virá depois.


Muita gente persegue o bem, fugindo ao bem verdadeiro e encontra o mal com que não contava e muita gente se desespera, a fim de desvencilhar-se do mal que não consegue entender e acaba encontrando o bem por surpresa divina.


Há quem se ria no gozo dos bens do mundo para chorar nos males da Terra para colher os bens da Esfera Superior.

Não procures unicamente estar bem, porquanto no bem apenas nosso talvez se ache oculto o mal que flagela os outros por nossa causa e o mal que flagela os outros por nossa causa é mal vivo em nós mesmos, a roubar-nos o bem que furtamos do próximo.

Se desejas entesourar na estrada o bem dos mensageiros do bem, atende, antes de tudo, ao bem dos semelhantes, sem cogitar do bem que se te faça posse exclusiva.

Recordemos o Cristo que, aparentemente escravo ao mal do mundo, era o Senhor do Bem, a dominar, soberano, acima das circunstâncias terrestres, e , tentando seguir-Lhe o passo, aceitemos com valor, no mal da própria cruz, o roteiro do bem para a Grande Vida.

Scheilla

PAZ, LUZ E AMOR!!

Comentário de Inacio Queiroz em 19 novembro 2012 às 8:50
Aos amigos, minha gratidão pelos belos comentários.
Todo crédito das idéias sempre para os mestres Emmanuel / Chico Xavier.

Nossa gratidão ainda para a dupla Pingo / Martinha que debateram com sinceridade e sobriedade como podemos por em prática o nosso "recomeçar".

Como nos diz Emmanuel, ninguém pode retornar e refazer o início, mas podemos todos hoje trabalhar por um novo final.

Lembrando que estamos hoje condicionados em ser o que sempre fomos: agressivos, egoistas, vaidosos e outros. Não por maldade, mas porque ignoravamos até pouco tempo.

Hoje, com as luzes oferecidas pela Doutrina, nos percebemos com maior clareza, descobrimos outros caminhos mais coerentes com nosso aprendizado. Mas ainda estamos condicionados a ser o que sempre fomos.
Teremos que exercitar muito, tentar realizar, aceitar nossos erros, nos perdoar, nos comprometer com o acerto e tentar de novo até recondicionar nossas reações automáticas profundas.
Muito trabalho nos espera.
Mas, como nos diz Divaldo Franco, basta nos comprometer com o bem e aguardar que esta luz nos penetre profundamente.
Ah, claro, compromisso quer dizer ação.
Abração,
Inacio
Comentário de Pingo Cat em 18 novembro 2012 às 10:53

Obrigada Marta Valéria pelas dicas. Vou tentar expulsar as armas antigas da minha vida, principalmente a tristeza, e vou cultivar mais alegria para distribuir a todos que comigo encontrar. Agora não sou mais tão ignorante quanto antes e preciso arcar com as responsabilidades. Não será fácil, mas com a ajuda de amigos como você será muito melhor. Bjkas.

Comentário de Marta Valéria em 17 novembro 2012 às 23:22

Pingo querida, como corrigir os erros cometidos ???

Porque vc acha que estamos reencarnadas no planeta Terra ? Fique tranquila que isso é tarefa de todos nós.

Pois é, se eu pudesse colocar uma "receita", diria que o primeiro passo é o arrependimento. É quando tomamos a decisão de não agirmos mais com as "mesmas armas" diante dos embates do dia dia, e também, é a escolha íntima de não reagir ao mal com o nosso mal ainda existente.

O passo 2 : o cultivo do auto-perdão.

Passo 3:  não se apegar aos erros cometidos como culpa e sim, ter consciência da responsabilidade dos

atos cometidos em ignorância. Somos ignorantes e, assumindo isso, vamos abrindo as nossas portas ao aprendizado. Deus oportuniza diariamente os filhos ao aprendizado.

Passo 4: exercitar-se no bem, em outras palavras .....trabalhar e trabalhar-se!!!!

Passo 5: cair e recomeçar !!!!

Passo 6:  perseverar :-) !!!

Fácil não....??? rsrsrsrsrsrsrsrs......

Beijocas

Comentário de Pingo Cat em 17 novembro 2012 às 22:08

Obrigada pelo texto Inácio. Como dizia meu pai: vivendo e aprendendo. Hoje comecei a enxergar o quanto já roubei de mim e de outros. E como ensinou Nosso Mestre quanto mais aprendemos mais responsabilidade em não errar mais adquirimos. Agora preciso saber como corrigir os erros cometidos. Alguém pode me ajudar?

Comentário de maria marli alves prussiano em 17 novembro 2012 às 8:28

Como temos que aprender ,pois se analizarmos furtamos ou roubamo-nos

atodo o momento,por isso orarmos e vigiarmos

 

Comentário de Marluce Mercês de Souza em 17 novembro 2012 às 2:55

Como sempre grandes lições do nosso amigo Chico... realmente furtamos diáriamente até a nossa própria consciência, furtamos o direito dos outros, furtamos a alegria, a paz, a felicidade, as oportunidades que muitas vezes tiramos de alguém enfim, como bem disse Emmanuel através de Chico a  esses furtos também são aplicadas a Lei DIVINA e dessa ninguém escapa ...

Comentário de Marta Valéria em 13 novembro 2012 às 15:01

Olá Inacito, beleza ?

Interessante o estudo e mais genial ainda é pensar o quanto furtamos de nós mesmos oportunidades benditas.

Tivemos aqui, neste estudo, hipóteses e/ou acontecimentos que envolvem outras pessoas....

Mas, será que já paramos pra pensar o quanto somos ladrões de nós mesmos ??

Comentário de José Ivo dos Santos em 2 novembro 2012 às 0:03

Olá amigo, Inácio. Saudade !

"(..) Como sempre: 'Quase que perfeito' em sua amostra analítica de nossos deslizares, em sua maioria, involuntários. Faço, sobre o tema, a mesma sua litura." Obrigado por mais essa....Abraços. 

© 2018   Criado por Henrique.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço

Free counters!